Cenas da luta de classes na freguesia da Lapa

Hoje ao almoço, a minha amiga S. contou-me o seguinte: que de manhã tinha passado pela Confeitaria X., a encomendar um bolo para os anos de um dos miúdos dela, e, como reparou numa fotografia antiga que lá estava, de uma Confeitaria assim em grande, perguntou à mulher da Confeitaria X. (ou antes à senhora, que á mulher tem algumas pretensões sociais) se aquilo tinha alguma coisa a ver com ela, mas o que ela foi dizer!, porque a mulher aliás senhora lhe respondeu: Aquilo, minha senhora? Aquilo era meu e foi-me roubado com o 25 de Abril! e nisto começou com uma conversa que nunca mais acabava, a S. com os miúdos no carro e o carro mal parado, mas a mulher não dava tréguas, aquilo foram os comunistas e os invejosos, ou vice-versa, sei lá, e o que tinha graça é que o ódio de estimação dela era o Manuel Lopes, da Intersindical, quem diria?, com o devido respeito, devia ter sido uma figura menor, supunha a S., enquanto o Vasco Gonçalves até aparecia bem na fotografia, porque seria?, eu disse que se as pessoas podem escolher os seus santos de estimação também hão-de poder escolher os seus ódios, talvez tenhas razão, disse-me a S., que me contou que a mulher nunca mais se calava, aquilo foi só o princípio, o 25 de Abril, na sua escatologia pessoal, tinha sido o fim mas também o princípio, e agora é que ela estava bem, agora é que ela sabia o que era viver, os invejosos tinham ficado sem nada (Deus Nosso Senhor não dorme, e o Manuel Lopes também já morreu) e agora não lhe faltava nada, graças a Deus, depois dos cinquenta é que começa a vida, até aos cinquenta andamos todos de fraldas. Ora aí está um pensamento muito positivo, disse eu, e a S., que é moça da minha criação, também concordou.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Cenas da luta de classes na freguesia da Lapa

Os comentários estão fechados.