Das vacas loucas ao milho marado

Parece que a Organização Mundial de Saúde, que durante anos catalogou a homossexualidade como doença, considera que os alimentos trangénicos não fazem mal à saúde. Certamente, a douta organização, também achava que as rações com carcaças de animais que ajudaram a criar o prião da doença das vacas loucas eram muito saudáveis.

Em matéria de alterações genéticas, e outras que impliquem consequências profundas na vida do planeta, as autoridades deviam fazer valer o princípio da precaução. Este tipo de transformação da vida na terra têm consequências difíceis de medir em poucos anos. O risco de transformações ireversíveis é muito grande, a importância do que está em causa não se coaduna com raciocínios de curto prazo. Os negociantes dos transgénicos põem em causa a nossa vida ao manipularem a vida como aprendizes de feiticeiros sem terem muitas certezas daquilo que fazem, para além do lucro imediato. A lei deve defender interesses maiores do que a ganância de uns poucos.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

44 Responses to Das vacas loucas ao milho marado

  1. Pingback: blogue atlântico » Blog Archive » Ecobanditismo

  2. Pingback: cinco dias » 1, 2, 3, lá vamos nós outra vez

Os comentários estão fechados.