Militante

solittletosay.jpg

Tenho para mim que aquela ideia de Marx que cada um consegue ver conforme a posição em que se encontra tem muito de verdadeiro. Esta espécie de horizonte social condiciona em muito a nossa percepção das coisas. Tendemos a dar importância àquilo que socialmente e até psicologicamente nos interessa. Claro, como o próprio Marx reconheceu sobre Balzac, que há gente que transcende as suas próprias amarras e é capaz de apanhar um pouco da eternidade e dar-nos um retrato mais espantoso do seu tempo. Espero que seja esse o caso desta passagem de Badiou sobre o significado de ser militante. Cada um acredita no que quiser, eu creio em pedaços de texto de que gosto.
“A subject is nothing other than an active fidelity to the event of truth. This means that a subject is a militant of truth. I philosophically founded the notion of “militant” at a time when the consensus was that any engagement of this type was archaic. Not only did I found this notion, but I considerably enlarged it. The militant of truth is not only the political militant working for the emancipation of humanity in its entirety. He or she is also the artist-creator, the scientist who opens up a new theoretical field, or the lover whose world is enchanted”.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 Responses to Militante

Os comentários estão fechados.