Siga

Hoje participam Arnaldo Gonçalves, com um artigo sobre a condenação à morte de Saddam Hussein e Carlos Trincão, com um texto intitulado Mitologias. Mais logo serão publicados os vídeos de uma entrevista que realizei a Mahmud Houzan, activista iraquiana, e que foi filmada por Edgar Pêra.

Sobre Joana Amaral Dias

QUARTA | Joana Amaral Dias
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Siga

  1. Ezequiel diz:

    Comentários dirigidos ao Ivan Nunes,

    Caro Ivan,

    em 1000 metros quadrados de Nova York existem mais “padrões estéticos” do que em toda a Europa. Porquê as generalizações estúpidas ? Um salto epistemológico do particular para o “universal” deveras colossal. Penso que a lógica do fruto proibido não é propriamente sui generis à cultura Americana. Olha, tem a ver com aquilo que aquele outro imbecil escreveu, erradamente, sobre o cristianismo.

    Transformas a alegria justificada de um taxista num leitmotif absurdo. A grande maioria dos iraquianos sente alegria…com a condenação de um tirano que os reprimiu brutalmente durande décadas (pondo de parte o grande erro da guerra e tudo o resto) .

    e o “positively disgusting”…oh dear oh dear!

    what nonsense!

  2. Ezequiel diz:

    O NYT publicou dezenas de artigos sobre as personas recomendadas nos ultimos anos. Os leitores assiduos do NYT conhecem as personas. Não se trata de um jornaleco de meia tigela Português… onde os jornalistas, camuflados pela noção de “objectividade”, lançam ataques mais ou menos subrepticios e-ou sofisticados contra políticos, ideias etc. É sufocante, esta merda.

    O NYT sempre foi um jornal liberal. Sempre defendeu uma agenda liberal. Na mais antiga democracia do mundo é assim: Podes saber com o que é que contas. Logo, as recomendações não me chocam nem me surpreendem sequer. Confirmam a coerencia do jornal.

    O Ivan assumiu, precipitadamente (assumption is the mother of all fuck ups, it is said) que as recomendações surgem de um “dirigisme” normativo conjetural. Enganou-se, porque não se deu ao trabalho de investigar (minimamente) a cultura jornalistica Americana. Eis um exemplo de bom jornalismo. Assim é muito fácil, Ivan. Muito fácil, mesmo. Fico quase sem vontade de escrever.

  3. Ezequiel diz:

    imbecil = Dr. Aroja

Os comentários estão fechados.