A esquerda que se quer pequena e pura

Poucos dias depois de PCP+Verdes+BE lançarem esta iniciativa unitária, eis que surge o dirigismo sectário a reafirmar a linha justa de uma das partes. Curiosamente, esta “correntona” destila tanto ódio ao PCP que coloca o Daniel Oliveira – que escreveu isto sobre a saída do euro – na extrema esquerda do Bloco.
A ideia até deverá ter sido aplaudida pela maioria dos funcionários do partido, mas experimentem ir explicar isto ao trabalhador duma fábrica em layoff, aos recém licenciados que hoje partem para outro país à procura de trabalho e às suas famílias, aos desempregados na fila de um qualquer centro de emprego.
Vida e contacto com a realidade social deste país, é o que eu vos desejo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a A esquerda que se quer pequena e pura

  1. Augusto diz:

    Poderia sempre lembrar, o cada um na sua bicicleta….

    Poderia sempre lembrar , a maneira como altos dignatários do PCP , SEMPRE se têm referido ao Bloco de Esquerda.

    Poderia lembrar , que nas camaras e juntas que o PCP dirige, as alianças são feitas sobretudo com o PSD e até com o CDS , mas NUNCA, mesmo onde isso é possivel , com o Bloco de Esquerda.

    Mas não é isso o que neste momento está em questão, o Bloco de Esquerda e o PCP, são partidos com visões diferentes sobre o mundo, e até sobre o futuro de Portugal.

    A concepção vanguardista do PCP, foi e será sempre , um travão a qualquer tentativa de alianças mas profundas.

    Dito isto

    O Bloco tem participado activamente em todas a acções da Inter.

    As duas reuniões oficiais com a direcção do PCP , foram propostas pelo Bloco de Esquerda.

    O Bloco está empenhado, como o PCP em derrotarem esta politica de direita.

    É possivel a unidade na acção, e em iniciativas parlamentares.

    Mas em nenhum momento o Bloco deixará de assumir as suas posições, nem esconderá as suas divergências, aliás como o fazem os militantes e dirigentes do PCP.

    Quanto ao seu ultimo paragrafo , sinceramente não entendo o que pretende defender, a não ser que seja um recado para os seus camaradas.

    PS :vai CENSURAR, ( é o hábito), este meu comentário, espero ao menos que o leia.

    • Este Augusto revela sempre quão burro e mentiroso pode ser um anti-comunista. Nunca lhe terei censurado um comentário, podia-lhe dar exemplos de autarquias em que BE e CDU fazem trabalho unitário ou podia apenas colocar aqui o link para a entrevista de Jerónimo de Sousa ao i, sobre a qual Augusto escreve mas cobardemente não cita – na esperança que não a leiam e apenas se tenha acesso à sua falsa interpretação – http://www.ionline.pt/portugal/jeronimo-sousa-nao-propomos-governo-so-comunistas#.UPFyoWn5R9M.facebook
      Para estes Augustos alcoviteiros eu não tenho pachorra, apenas desprezo. Não estão do meu lado da barricada.

    • Rocha diz:

      É verdade Augusto.

      BE e PCP têm diferentes visões sobre o capitalismo.

      O BE defende uma maior integração capitalista no âmbito da UE. Isto é Portugal refém do directório de poder imperialista da UE e de todos aqueles tratados que instituem o capitalismo como via única de facto.

      O PCP coloca a possibilidade de sair do Euro. Isto é a possibilidade de haver vida para além Capitalismo.

      O BE detesta a palavra soberania. Parece que quer bani-la do nosso vocabulário. Será que preferem a palavra submissão?

      E depois querem se constituir como corrente do “socialismo”. Que “socialismo” é esse que obedece a tratados europeus neoliberais ancorados no dogma do “livre mercado” e da própria “austeridade” feitos com imperialistas e seus sócios capitalistas?

      Olha o Hollande que bom que é “depressa e em força” com tropas a colonizar de novo o Mali a pretexto de combater os mesmos radicais islâmicos que são tratados como heróis, legítimos representantes do oposição síria, armados e financiados por Hollande e seus sócios “democratas” sauditas, estado-unidenses, turcos, britânicos e do Qatar. É este o “socialismo” europeísta que nos vai salvar da austeridade?

  2. Augusto diz:

    A entrevista do Jeronimo de Sousa hoje ao jornal i é elucidativa das posições do PCP sobre o BE, e depois o BE é que é sectário, não é caro Tiago …. ou será que o PCP e neste caso o Jerónimo de Sousa , tambem deveria ter mais contacto com a realidade social…..

  3. rafael diz:

    “A renegociação da dívida é fundamental, a rejeição e a derrota do Memorando das troikas é outro elemento fundamental. E a consideração da valorização dos direitos sociais. Nesse sentido é possível estabelecer o diálogo com o Bloco e com outras forças com estas perspectivas.” Jerónimo de Sousa hoje na entrevista ao i. Ai que ganda sectário, Augusto…

  4. rafael diz:

    “Nem nós queríamos ir sentados confortavelmente no lugar de trás, nem estaríamos disponíveis para ir a pedalar sozinhos arrastando os outros. Creio que isso não acontecerá. Existe a necessidade de uma política alternativa e o que determinará a nossa posição é saber que política esse possível governo pode realizar.” (sobre uma possivel coligação com o BE)

  5. Pascoal diz:

    Caro Tiago
    Esta foi mesmo sectária.
    Muito ao estilo a que “os donos da revolução” nos têm habituado.

  6. Duarte diz:

    Mas que projecto de sociedade defende o Bloco?
    Ainda nao entendi , mas o problema deve ser meu.

  7. Duarte diz:

    O Augusto é um provocador.

  8. augusto diz:

    Caro Duarte seria provocador se por exemplo , tivesse trazido á discussão o caso da militante do PCP de Palmela, caso que permitiu á direita atacar TODA A ESQUERDA.

    Aquilo que eu escrevi e repito é que é do Bloco de Esquerda que têm partido , TODAS as propostas conducentes a um diálogo mais profundo com o PCP.

    E a resposta para quem não fôr obtuso, está espelhada na incrivel entrevista do Jeronimo de Sousa ao Jornal I.

    Unidade sim , COM OS NOSSOS satelites, com o BE pois pois, na Assembleia da Repuiblica e é um pau.

    Quanto ao tal governo que não seria só com comunistas… seria com quem?

    Também não responde.

    E é na clareza da recusa de alianças com o BE, e na nublosa do que seria o tal governo que não seria só com comunista, que se clarifica a actual atitude do PCP.

    Para quem entende a militãncia partidária como uma atitude de Fé ou de Seita, escrever isto pode parecer provocação.

    Mas militar ou apoiar um partido politico, deve ser para quem o faz um dever civico, e nesse dever civico, a liberdade de opinião é um direito .

    PS: ressalvo que desta vez os meus comentários foram publicados, é algo de assinalar……

    • Augusto continua a repetir a sua cassete enferrujada. Até aí tudo bem. Mas esta insistência em alvitrar que não publico os seus comentários (o que é mentira!), demonstra bem o carácter da personagem.

    • Antónimo diz:

      O querido Augusto nunca se destacou propriamente pela inteligência, pela lisura de métodos ou pelo amor às convergências.

      Basta ler a entrevista que distorce para perceber que junta o analfabetismo às outras escassas qualidades:

      1) Sobre uma aproximação PCP e Bloco, Jerónimo diz na entrevista que existem diferenças entre os dois partidos. no que toca “às propostas e a uma política alternativa”.

      2) Quando a jornalista pergunta se essas diferenças são “[c]onciliáveis”, o secretário geral do PCP responde que “[a] renegociação da dívida é fundamental, a rejeição e a derrota do Memorando das troikas é outro elemento fundamental. E a consideração da valorização dos direitos sociais. Nesse sentido é possível estabelecer o diálogo com o Bloco e com outras forças com estas perspectivas.”

      Augusto lê aqui rejeição de alianças com o Bloco e sectarismo. Coitado. Novas Oportunidades fazem mesmo muita faltinha.

    • De diz:

      Continua a repetir a cassete enferrujada e é desonesto.
      Desonesto e ignorante.
      E mais algumas coisas…
      A desonestidade surge logo na forma como diz e cito:”Aquilo que eu escrevi e repito é que é do Bloco de Esquerda que têm partido , TODAS as propostas conducentes a um diálogo mais profundo com o PCP”
      Ora o personagem não disse só isso, pese o pequeno grito que dá para realçar o que escreve.Disse mais.Desde os “altos dignatários”, até às câmaras.Tem a suprema hipocrisia de dizer que não fala no caso de Palmela quando aborda precisamente tal caso.
      Um cromo este augusto.Mas infelizmente algo mais.

      Augusto pensará que a memória é uma coisa que muda de ocasião consoante a vertente do poder que lhe está mais próxima?Os comentários inqualificáveis de augusto andam por aí, para mal do pobre.
      Por exemplo a profissão de fé do augusto nas suas opções de voto.
      Ou a forma triste como não consegue conter a sua veia profunda de ser e de estar:
      http://5dias.net/2012/12/07/orgulho-no-partido-comunista-portugues/#comments

      Mas o obtuso augusto,que qualifica de obtuso quem não tiver como ele a mesma opinião sobre uma entrevista, esmera-se em não clarificar nada sobre a tal dita entrevista.
      Sorry augusto,mas o que se vê é baba em torno de uma entrevista em que nem sequer linka.(suspeito que o Tiago terá razão na razão referida ).
      Depois continua semi-histérico( a “incrível” entrevista) e o que vemos é uma mão-cheia de nada.Ao contrário por exemplo do Rafael que tem a preocupação da objectividade e da transcrição dos trechos em discussão.Para algum desconforto de augusto como se torna claro..

      Tudo isto tem o que quê de inútil.
      Já demasiado tempo perdido com!

Os comentários estão fechados.