Relatório do FMI só para quem estudou Inglês Técnico

fmi
Já tínhamos percebido que, para a classe política, o povo português só serve para lhe pagar o ordenado. É por isso que não se dá ao trabalho sequer de traduzir para português um documento da importância do Memorando da Troika ou do relatório do FMI que pretende acabar de vez com o Estado Social em Portugal.
Mas felizmente que a blogosfera não dorme. No Aventar, está em curso um trabalho colaborativo aberto a todos os que queiram participar na tradução do relatório. Parte da tradução já está on-line.
Ao calhas, podemos ler coisas tão giras como esta: «O governo Português busca melhorar a eficiência de bens e serviços à população»; ou «estimula a actividade económica e o empreendedorismo». Já tínhamos percebido: despedir 120 mil funcionários públicos é só para melhorar a qualidade dos serviços. E com esses 120 mil despedimentos, a actividade económica e o mercado interno vão dar um pulo que ninguém imagina…
Quanto ao PCP e ao Bloco, pelos vistos, preparam-se para ficar novamente de fora desta discussão, a exemplo do que aconteceu com o Memorando da Troika. Mais um erro crasso…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Relatório do FMI só para quem estudou Inglês Técnico

  1. António Carlos diz:

    “No Aventar, está em curso um trabalho colaborativo aberto a todos os que queiram participar na tradução do relatório.”
    Esta é a atitude correcta de quem pretende contribuir para um debate público esclarecido e sereno. Pena é que o Governo não se tenha dado a esse trabalho.
    O passo seguinte é passar por cima de frases inóquas como as que cita (“coisas tão giras como esta”) e concentrar esforços em refutar (se for caso disso) os dados em que assenta, os raciocínios e conclusões a que chega. De forma sistemática e bem fundamentada. Neste caso, pena é que não sejam os partidos da oposição (PCP e BE incluídos) a fazer esse (que é o seu) trabalho.
    Simplesmente diabolizar o FMI (que é uma instituição internacional da qual fazem parte e para a qual contribui financeiramente a generalidade dos países), alimentar a tese “das conclusões encomendadas”, da “estratégia negocial”, … não leva a lado nenhum.

  2. vítor dias diz:

    Não me lembro de o PCP ter ficado de fora da DISCUSSÃO DO MEMORANDO do memorando da troika, discutiu-o mesmo ampla e intensamente.

    O que o PCP não aceitou foi SENTAR-SE À MESA DIRECTAMENTE COM A TROIKA, atitude em que mantenho muito orgulho porque, com ela, além do mais, o PCP DEFENDEU UMA DIGNIDADE QUE O GOVERNO PORTUGUÊS NÃO TEVE.

    O Governo devia discutir com a troika mas o interlocutor sobre a matéria para qualquer partido que não queira reconhecer e avalizar uma situação de tutela estrangeira era discutir com o governo pois, goste-se ou não dele, é ele que representa o país perante instâncias internacionais.

    Se acha quem ache que isto são miudezas, então que lhe faça bom proveito.

  3. De diz:

    Como?
    Não diabolizar o FMI?
    Mas porque carga de água não devemos chamar o nome aos bois?Mas porque carga de água devemos pactuar com uma organização sinistra, ré de muitos crimes, de muita fome, de muita miséria, de muito ódio concreto e objectivável?
    Mas que convite é este para tratarmos com decência de hipócrita comensal, quem nos trata da forma que nos trata?
    A que falta de dignidade nos querem conduzir? A que malhas de amnésia nos querem acantonar? Fazer tábua rasa de princípios e de valores para tratar com dignidade quem a não tem e quem é agente fomentador do saque e da desigualdade?
    Uma organização de mafiosos deve ser tratada como tal.O tratante acanalhado que nos vem dizer hoje que o documento tem “informação muito relevante” sobre a situação portuguesa pensará que o juízo crítico dos portugueses está ainda nas páginas da Bíblia que o mesmo tratante canalhóide nos tenta impingir?
    A sonsice gelatinosa do apelo ao bom comportamento para com os terroristas sociais que são o suporte de outros terroristas sociais, vive paredes-meias com a cumplicidade objectiva perante a mafia organizada.
    E tal não pode passar

    “Propostas do FMI tiram abono de família a 280 mil portugueses” ( nos agregados que recebem até 8800 euros por ano).
    Uma das muitas medidas da organização dos crápulas, dita organização institucional, dita”contribuidora financeira” para a generalidade dos países.
    Asco. Para com a organização.Para quem os trouxe para cá.Para com os medina carreira tratados como lulus de luxo mediáticos.Para com os seus cúmplices e os que o usam como alibi.
    Que tudo isto seja um exemplo claro e firme de como há que construir outro tipo de sociedade.Sem estes selvagens neoliberais, vampiros e abutres das riquezas dos povos e dos seres

  4. De diz:

    “PSD diz que corte de 4 mil milhões será “permanente””

    Um exemplar da categoria das sevandijas que nos governam.Em seu próprio nome, em nome do FMI ou usando o FMI como.
    http://www.dn.pt/storage/DN/2013/big/ng2321165.jpg?type=big&pos=0

  5. Muita coisa se pode apontar ao pcp e ao bloco… mas criticá-los por não se sentarem à mesa das negociações com o fmi é tão estúpido como o ricardo sentar-se à mesa a negociar com os ladrões que lhe entraram pela casa adentro pra lhe roubarem tudo

  6. Victor Nogueira diz:

    O Aventar faz a tradução sem comentários. Ricardo Soares Pinto pelos vistos não acreditará na “inteligência” dos leitores do 5 Dias e opina. Para “condicionar” ?

    Cito: «Já tínhamos percebido que, para a classe política, o povo português só serve para lhe pagar o ordenado. É por isso que não se dá ao trabalho sequer de traduzir para português um documento da importância do Memorando da Troika ou do relatório do FMI que pretende acabar de vez com o Estado Social em Portugal.»

    Seguramente que todos os partidos políticos farão ou já terão feito a tradução do relatório. Terão tornado públicas as suas traduções ? Deverão fazê-lo e em que termos ?

    Que se bata no Governo se não publicarem o original e a tradução, incluindo na internet, é correcto. Que se bata nos partidos com assento parlamentar é questionável. Ainda mais quando se bate no PCP e no Bloco, a despropósito, por se recusarem a reconhecer a legitimidade política da troika, simples «voz do dono» “que quer” (expressão mais correcta, apropriada e preferível a “que pretende”) que não tem qualquer mandato dado, mesmo ao engano, como foi a votação maioritária no psd/cds de pedro e paulo e trafulhice.Outra coisa será saber se estes e outros documentos são/serão discutidos a todos os níveis nos partidos políticos e em quais mas isso parece não preocupar miinimamente Ricardo Soares Pinto. Ao contrário do ps-psd-cds será que se poderá concluir, ainda segundo Ricardo So9usa Pinto e para o pcp-bloco-verdes que «Já tínhamos percebido que, para a classe política, o povo português só serve para lhe pagar o ordenado».

    E já agora – a maioria dos eleitores e da população tem acesso à internet ?

    • Ricardo Santos Pinto diz:

      Como parece óbvio, o Ricardo Soares Pinto refere-se ao Governo quando fala da não-tradução do relatório. Apenas ao Governo. E quando critica o PCP e o Bloco, o Ricardo Soares Pinto tem todo o direito de o fazer. A opinião é livre e quem não quer ler opiniões diferentes das suas não deve ler blogues.

      • Victor Nogueira diz:

        Cordatamente eu questionei! O Ricardo não terá percebido. Paciência.

        Eu questionei ! E o Ricardo esmaga-me qd escreve «A opinião é livre e quem não quer ler opiniões diferentes das suas não deve ler blogues.» É um argumento de peso ! Tanro mais que eu não escrevi nem dei a entender que q

      • Victor Nogueira diz:

        Cordatamente eu questionei! O Ricardo não terá percebido. Paciência.

        Eu questionei ! E o Ricardo “esmaga-me” com o peso da sua argumentação qd escreve «A opinião é livre e quem não quer ler opiniões diferentes das suas não deve ler blogues.» É um argumento de peso ! Tanto mais que eu não escrevi nem dei a entender que o Ricardo não tem direito à sua opinião. E a expressá-la ! E do mesmo modo – cordatamente – pergunto ao vento que passa se deverá ou não sujeitar-se a que a sua opinião seja questionada

        Ricardo vê evidências que não existem. Cito para fundamentar o que digo «Como parece óbvio, o Ricardo Soares Pinto refere-se ao Governo quando fala da não-tradução do relatório. Apenas ao Governo. » Não, não é isso que se conclui ao reler e volto a citar «Já tínhamos percebido que, para a classe política, o povo português só serve para lhe pagar o ordenado. É por isso que não se dá ao trabalho sequer de traduzir para português um documento da importância do Memorando da Troika ou do relatório do FMI que pretende acabar de vez com o Estado Social em Portugal.
        Mas felizmente que a blogosfera não dorme. » (fim de citação)

        E pergunto a quem nos lê – Passando por cima dessa inexistência duma “classe política” e aceitando o significado comum e mistificador, então a chamada “classe política” é apenas constituída pelo psd-cds (que estão no Governo) ? Então o ps-pcp-bloco-verdes não são abrangidos pelo conceito vulgar e aparentemente evidente de “classe política”? E não terão feito a tradução do memorando, esperando ansiosamente pela do Aventar, cujo mérito não ignoro ? E depois Ricardo censura a chamada “classe política – restrita ao Governo psd-cds apenas por ão traduzir o documento. Mas alguém acredita que o Governo já o não traduziu ?

        Ricardo, o importante é conhecer, divulgar, descutir e mobilizar contra a política da troika interna ps-psd-cds que é responsável pela entrada da troika externa bce-fmi-ue, smples voz do dono de outros interesses mais ou menos encobertos. O resto, Ricardo, são muitas vezess tiros de pólvora seca para distrair o pagode do que é fundamental! E não esquecendo ou minimizando as divergências, o fundamental é em todo o mundo e não apenas em portugal é, na minha opinião, derrotar o capitalismo !

        Sem acrimónia

Os comentários estão fechados.