Despedir pessoas

Henrique Raposo pergunta, na sua coluna de opinião no Expresso, se o PCP vai despedir “pessoas” e Ricardo Campelo de Magalhães não hesita em vestir a saia de cheerleader transformando a interrogação de Raposo em facto e um texto de opinião em “notícia“.
É comovente a consideração que esta gente tem pelos funcionários do PCP e respectivas famílias, ainda que fosse muito bonito que a aplicassem às demais “pessoas” sempre que despedidas. Por outro lado, seria interessante que lançassem o mesmo ódio sempre que uma qualquer instituição financeira, como o sacrossanto BCP, é financiado pelo Estado e pela Segurança Social, que dizem ser insustentável (pudera!), para despedir.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Despedir pessoas

  1. André Melo diz:

    Realmente não é notícia. O PCP já afirmou exactamente a mesma coisa no XIX congresso, a 1 de Dezembro de 2012, e Alexandre Araújo reafirmou a mensagem num artigo no Avante!.

    http://www.avante.pt/pt/2037/temas/122942/

  2. De diz:

    Dá algum gozo ver um dos “rapazes” de estimação dos banqueiros, o campelo magalhães, travestido de. Nem se nota a preocupação com que tenta esconder o deserto do ideário neoliberal, no maneirismo obcessivo de ocultação da calvície.
    As mais das vezes procura tal nos braços do von mises e nos afagos ideológicos de pinochet.Quando não, nas fauces do raposo.
    Pela calada da noite pois claro.A mediocridade e a desonestidade têm destas coisas
    🙂

    • Sérgio diz:

      O Ricardo Campelo de Magalhães é um labrego deslumbrado tal qual o seu compincha Carlos Guimarães Pinto. Ambos são uns parolitos cujo sucesso profissional subiu à cabeça e agora pensam que são pundits lá porque escrevem umas lapalissadas e/ou pedaços de propaganda.

      Pertencem aquela espécie de gente que se um dia cairem na merda ou quando o povo começar as “cargas populares” sobre os politicos e as policias vão guinchar muito alto “eu sempre fui de esquerda!!!”

  3. Carlos Carapeto diz:

    Sobre despedimentos, telefonou-me um familiar esta noite que trabalha no Hotel Sheraton Algarve a informar-me que desde ontem estão a convocar os trabalhadores individualmente (claro) a comunicar-lhe que vão prescinder de 80 funcionários efetivos.

    Impõem duas modalidades; despedimento ou lay off com redução do vencimento em que uma parte é paga pela UIP (United investiments Portugal, de capitais Árabes) a restante é suportada por a Segurança Social, ficando os trabalhadores à disposição da entidade patronal em caso de necessidade.

    O mais vergonhoso foi, preveniram os trabalhadores que não devem divulgar a situação fora da empresa.

    Entretanto entregaram um papel qualquer para que os trabalhadores assinarem, aceitando o assunto como facto consumado.

    O dramático no meio disto (refiro-me ao meu familiar) é que o ano passado em Junho retiraram o transporte ao pessoal, o rapaz endividou-se para comprar um carro.

    E agora fica sem trabalho, com o encargo do carro e da casa. Foi esta a propesperidade que este governo trouxe ao povo e prometeu durante as eleições.

    Desde há mais de três anos que têm vindo a efectuar despedimentos sucessivos de pessoal. E os lucros da empresa a aumentar cada vez mais.

    Este tipo de atropelos praticados por o grande capital não estão os orgãos de informação dominantes interessados em denunciar. Pertencem todos à mesma familia.

    • De diz:

      De facto, de facto é imperioso e urgente espalhar por todos os meios estas notícias que revelam a verdadeira face dos terroristas sociais.
      A luta política contra os exploradores passa também por aqui.Há que encontrar novas formas de.Ou de aumentar a sua eficácia.

    • Artur amaral diz:

      Sheraton Algarve!!!! o Meu cunhade está a passar pelo mesmo! e olhe que na sao só efetivos! tbm os contradtados! a pessoas contratadas á 2 meses que vao para layof e outros continuam. foi dito que o criterio era antiguidade mas á pessoas com 16 anos de casa que vao e outros com meses que ficam, alegam que os mais exprientes asseguram um bom serviço mas mandam para casa fucionarios com 15 anos de casa e contrataram á 2 meses um cozinheiro que ganha 4 mil euros e nao vai para layof!! ja para nao falar de que no departamento de pessoal ficam os funcionarios todos a trabalhar com o ordenado completo. apresentam prejuizos na epoca baixa á 3 anos cosecutives jan fev e marco, atão e os lucres da epoca alta? em resume os ordenados mais altos sao os que ficam a trabalhar.

      • sergio ninha diz:

        Ai..e se apresenta lucros negativos ha 3 anos nao se despede a direção? querem enganar quem? 200milhoes euros em novo investimento no vale do freixo foram anunciados pelo diretor da uip.
        isto vai acabr mal! ai vai vai.

        • francisco anunciação diz:

          A United Investments Portugal, empresa com capital do Kuwait, vai investir 200 milhões de euros num projecto turístico em Loulé.

          A United Investments Portugal, empresa com capital do Kuwait, vai investir 200 milhões de euros num projecto turístico em Loulé, no Algarve, e que estava bloqueado há dez anos, segundo um comunicado da empresa.

          Os donos do Pine Cliffs, no Algarve, compraram, em 2001, uma propriedade de 381 hectares, em Loulé, a que intitularam Vale do Freixo, e apenas este ano receberam o aval para ser integrado no primeiro Núcleo de Desenvolvimento Económico, do tipo 3. “Demorou dez anos para o empreendimento ser aprovado”, reconheceu o director geral da United Investments Portugal (UIP), Carlos Leal, responsável pelas operações ibéricas e na América do Sul do grupo com sede no Kuwait em recentes declarações ao Diário Económico.

          Na mesma altura o responsável afirmava que o “projecto de urbanização demorará mais 18 meses a finalizar. Lá para final de 2014, ou mesmo em 2015, devemos estar em condições de arrancar com as obras, obviamente sujeito a licenciamento”, referia ainda Carlos Leal.

          Carlos Leal, director geral da United Investments, em declarações à Lusa, afirmou ainda que “o apoio da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal” (AICEP) fez o projecto “andar para a frente”.

          O empreendimento prevê um investimento entre 200 e 250 milhões de euros na construção de 1.800 a 2.000 camas turísticas, distribuídas por um ‘boutique’ hotel e projectos turísticos e imobiliários, entre vivendas e apartamentos. “O NDE, de tipo 3, classificado como projecto de interesse nacional, não necessita de recorrer aos concursos das câmaras e por isso facilita o processo de licenciamento”, diz ainda Carlos Leal, responsável pelas operações ibéricas e na América do Sul do grupo com sede no Kuwait.

          Notícias da mesma categoria

          PSD

          Redução de 4 mil milhões será “permanente”

          0 Leitores

          Governo

          Moedas vai reunir-se com técnicos da OCDE na próxima semana

          0 Leitores

          Escolhas do director

          “O PS não pode ficar à margem da discussão”

          0 Leitores

          ——————————————————————————–

          Comentários

          right time

          RT

          Faça o seu comentário
          Nome
          A tecnologia que muda a internetRealtime

          AH AH

          24d

          UM BOUTIQUE? ESTA ESTA BOA! Então o DE ja não sabe falar frances? Ah sacrés reveillons portugais! un boutique! ah bande de reveillons. De melhor en mieux estes p …Ver mais

          Responder
          Denunciar

          MF

          24d

          Se pegassem é no que está ao abandono, tal como os Salgados…..deve ser é + uma megalomania…

          Responder
          Denunciar

          mais do mesmo?

          24d

          O parque da floresta faliu, os salgados são um monte de betão e há mais 3 ou 4 empreendimentos em dificuldades… haverá lugar para mais 2 mil camas? E fábricas n&at …Ver mais

          Responder
          Denunciar

          Bazaruco

          24d

          Finalmente uma boa noticia. para os pombos que vão ter mais pombais.

          Responder
          Denunciar

          lili

          24d

          alguma coisa me dis que relvas esta por perto

          Responder
          Denunciar

          24d

          epah.. eu axo k nós precisamos é de industrias transformadoras e fabricas e etc… mais blocos de cimento para ficarem ao abandono como muitos que por aí ha…como diz bnff

          Responder
          Denunciar

          BMFF

          24d

          Mais um monte de blocos de betao para ficar ao abandono!! Olhem para os Salgados antes de construir…

          Responder
          Denunciar

          fernando

          24d

          Isto é mais um sinal do desnorte que se tem passado no nosso país nestes últimos 20 anos é uma vergonha ,como querem estes políticos que isto ande em frente com impe …Ver mais

          Responder
          Denunciar

          johnny

          24d

          por aqui se vê que investir em pt só com muito mas mesmo muito capital entre a compra em 2001 e o término das obras lá para 2016, 2017 vão 15 anos, tenham dó

          Responder
          Denunciar

          fodase

          24d

          Bons negocios, mas alguem ja esta a pensar nos dolares para os ofechores

          Responder
          Denunciar

          Ver mais

          ver todas

          Disclaimer: “O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados”.

          Publicidade

          .

  4. Doutor Instantâneo Miguel Relvas diz:

    «É comovente a consideração que esta gente [os pulhas direitolas neoliberais] tem pelos funcionários do PCP e respectivas famílias, ainda que fosse muito bonito que a aplicassem às demais “pessoas” sempre que despedidas.»

    Mas este argumento não é reversível?
    Não pode ser reescrito assim:

    «É comovente a consideração que esta gente [os do PCP] tem [pelas demais “pessoas”] e respectivas famílias, ainda que fosse muito bonito que a aplicassem [aos seus funcionários] sempre que [despedidos].»

    Portanto, fiquei sem perceber.
    O PCP vai despedir funcionários ou não?
    Se sim isso é bom ou não?
    E se sim de quem é a culpa?

  5. A. Santos diz:

    «É comovente a consideração que esta gente [os pulhas direitolas neoliberais] tem pelos funcionários do PCP e respectivas famílias, ainda que fosse muito bonito que a aplicassem às demais “pessoas” sempre que despedidas.»

    Mas este argumento não é reversível?
    Não pode ser reescrito assim:

    «É comovente a consideração que esta gente [os do PCP] tem [pelas demais “pessoas”] e respectivas famílias, ainda que fosse muito bonito que a aplicassem [aos seus funcionários] sempre que [despedidos].»

    Portanto, fiquei sem perceber.
    O PCP vai despedir funcionários ou não?
    Se sim isso é bom ou não?
    E se sim de quem é a culpa?

Os comentários estão fechados.