Nenhum ano é tão mau que não possa acabar pior

Paulo Rocha – 1935/2012

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.