Pouca-terra

A linha de comboios Lisboa-Cascais pela sua qualidade e pontualidade já foi um modelo de serviço público. Contudo, sucessivos governos e administrações, ao mesmo tempo que promoviam um oneroso restyling das carruagens – acabando com as janelas em prol do ar condicionado – e das gares – a partir de simpáticos negócios com as construtoras do regime – foram reduzindo os períodos de circulação e trocando funcionários por máquinas.
Os utentes foram, obviamente, diminuindo, tapando-se o buraco com o aumento do valor dos passes e bilhetes dos que continuam sem dispensar o comboio.
Hoje chegámos a uma situação insustentável.
A panaceia austeritária soma ao aumento dos preços a diminuição de qualidade dos serviços. A drástica redução do número de carruagens e a supressão de comboios nas horas de ponta tem levado a que, todos os dias, nas “mui modernas” carruagens, desfaleçam utentes. Perante a situação, e a ser verdadeiro uma ordem interna que veio a público durante esta semana, a administração estará a dar indicações aos revisores daquela linha para que culpem uma inexistente greve diária dos maquinistas. Aliás, os maquinistas há muito que aparecem como bode expiatório de todos os males na estratégia de comunicação daquela empresa, designadamente, no que concerne à sua massa salarial e ainda que os seus vencimentos anuais corresponda a 1/30 dos 3.666 milhões de euros de passivo acumulado declarados em 2011.
Com esta lógica de gestão, não me parece surpreendente que se agigante o passivo financeiro. O que me parece absurdo é que se aceite de animo leve que os responsáveis por este passivo comuniquem a sua intenção de privatizar como única opção à sua má gestão.

Publicado hoje no i

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

8 respostas a Pouca-terra

  1. blitong diz:

    pois achamos nice a fé….

  2. maradona diz:

    para além do inteiramente falso e, ponho os meus tomates num carril da cp, completamente infundada observação sobre o “oneroso restyling das carruagens” (o reagrupamento do material circulante da linha de cascais foi das operações mais racionais que tenho memoria nos transportes publicos portugueses, concebida e executada de forma exemplar pela emef ao longo uns quantos anos), é extraordinário que se ache que acabar “com as janelas em prol do ar condicionado” tenha sido uma opção condenável. a sério, não dá para acreditar. ou o tiago mota saraiva é maluco, ou desonesto, ou não sabe o que é um comboio, ou então não sabe do que fala, e esta é a minha conclusão favorita, porque confirma o preconceito sobre a incapacidade estrutural da esquerda de pensar seja o que for de concreto sobre o povo que defende e ama e essas merdas assim. ate nos autocarros, por todo o lado, se opta pela climatização artificial, mas num comboio, que produz velocidades de 80 quilometros hora antes do inicio da desaceleração para a próxima estação (em certos pontos, mais), com uma face para o mar e outra para o comboio contrário, com constante transito de pessoas e carros a meio metro da fronteira activa das composição, etc, etc, o tiago mota saraiva acha que janelas de abrir seriam uma forma mais “barata” dar conforto ao passageiro. bem, “barata” seria de certeza, isso não há duvida. nem sei que diga, sinceramente. bom natal.

  3. Dezperado diz:

    “– acabando com as janelas em prol do ar condicionado”

    Opa e fizeram o mesmo nos aviões da TAP….que chatice pá…

    Quando faltam argumentos, inventam-se uns quantos!!!!

    • De diz:

      Desperado deve estar enganado.
      Melhor,está definitivamente enganado.
      Quem andou a propalar as janelas em aviões (não da TAP, que isso é fruto da demagogia – e não só – do desperado, foi Mitt Romney, um patifório extrremista, amado pelos neoliberais e quejandos e que foi candidato à presidencia nos states.
      Um ultramontano parceiro ideológico de Coelho e companhia.
      http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=2789669

      Que chatice pá!
      Perdão: Que chatice pá!!!!

      • Dezperado diz:

        ó De, pensei que com a tua ultra inteligencia percebesses que estava a ser irónico….

        Pelos menos concordamos com uma coisa…que o Mitt Romney é um tótó, acho que não é novidade para ninguem.

        Mas neste caso, tótós foram os jornalistas portugueses, que nem se preocupam em ver se a noticia é verdadeira ou não, visto que o Mitt disse isso em tom de brincadeira.

        Mas aqui a questão, que tu fugiste é: os comboios devem ter janelas com abertura??? para quê? para os putos meterem os braços de fora e arriscarem-se a ficar sem eles?

        Com tanta coisa para pegar, pega-se nos exemplos mais parvos…e pelos vistos ainda ha pessoas que batem palmas a uma critica tão ridicula

        • De diz:

          Mitt disse em tom de brincadeira?
          (Quem o diz é alguém cujo cordao umbilical está ligado aos “tótós”?)
          Pois tenho uma má notícia para desperado,esperando que ele não fique desesperado com a notícia.
          A “brincadeira” de Mitt saiu-lhe um pouco cara.Porque há quem jure a pés juntos que o neoliberal ianque disse o que disse perfeitamente convencido do facto.
          O gozo que despertou um pouco por todo o lado levou a máquina de propaganda do dito cujo a tentar reparar o “mal”, afirmando que tudo não passava de uma “brincadeira”.Até surgiu uma santanete para o efeito.Infelizmente para o coitado há registo video da questão.E há o historial conhecido de gaffes do republicano em causa.
          Sorry desperado

          Outra má notícia para desperado:
          Aqui ainda é um espaço de liberdade.Quem ainda diz os temas a “pegar” é quem os “pega”.E quem os pega fê-lo pela boçalidade de um comentário feito a propósito de janelas de aviões.E fê-lo para que a alarvidade do rapazola não passasse impune.
          Sorry desperado

          Agora vá ter com o coelho ou com o relvas para que estes lhe paguem umas aulas de boa educação.Em vez deste babar contínuo de quem anda a tentar mostrar a “esmerada educação” que lhe foi dada

        • De diz:

          Mais um pormenor para ver até onde vai a desonestidade intelectual desta direita trôpega e neoliberal:
          Diz desperado:
          “tótós foram os jornalistas portugueses, que nem se preocupam em ver se a noticia é verdadeira ou não”

          http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/mitt-romney/9564529/Mitt-Romney-why-dont-aeroplane-windows-open.html
          http://wonkette.com/484977/science-genius-mitt-romney-thinks-airplane-windows-should-open
          Há mais exemplos.Milhares.

          Os “jornalistas portugueses” agradecem a nacionalidade assim adquirida.
          🙂

Os comentários estão fechados.