Nasha rodina, CCCP!


Não tive e nunca terei o passaporte soviético de que tanto se orgulhava Maiakovski. Nunca estive e nunca estarei na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Mas nunca esquecerei os que deram a vida pela defesa do primeiro Estado controlado por operários e camponeses. É que por muito que alguns se escondam atrás de cortinas vermelhas para iludir o seu posicionamento ao lado do revisionismo histórico capitalista, a URSS foi, até ao momento, a grande conquista dos trabalhadores de todos os países. O prestígio e a imensa força que a URSS ganhou aos olhos de milhões em toda a Europa depois da derrota do nazi-fascismo fez avançar o movimento comunista europeu. Não há dúvidas de que o capital se teve que ajoelhar e ceder à social-democracia e ao Estado social. Por muitos erros que se possam imputar à URSS, a emancipação de milhões de seres humanos que viviam no Império Russo num ambiente feudal, as conquistas das mulheres soviéticas, o apoio à República Espanhola, a derrota do nazi-fascismo, o apoio à libertação nacional de países africanos e asiáticos, as conquistas no campo da ciência, os desenvolvimentos no campo da arte e do desporto são elementos que bastam para que a verdade seja dura como punhos. Quem quer apagar a história da URSS, com as suas vitórias e derrotas, com os seus acertos e os seus erros, não percebe que a luta de classes é um processo cumulativo e despreza todos os que fizeram parte de uma das mais belas obras da humanidade.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

38 respostas a Nasha rodina, CCCP!

  1. Dezperado diz:

    “Por muitos erros que se possam imputar à URSS”

    Muitos erros??? opa que exagero, foram só dois ou três…e pequeninos, quase ninguem repara!!!!

    • Bruno Carvalho diz:

      Muitos erros significa muitos erros.

    • solo diz:

      Claro que reparo!Reparo o duarte lima,o ferreira do amaral,cardoso e cunha,oliveira costa,o dias loureiro,o miguel relvas,o eurico de melo e,tantos e tantos outros desta estirpe!

    • De diz:

      “Quase ninguém repara” só mesmo na cabeça em desespero de desperado.
      Mais os pontos de exclamação com que “floreia” tipicamente os seus floreados.

      Porque a pseudo-ironia esconde outras coisas.Esconde a “cassete” com que tentam enquistar o debate e inquiná-lo.
      E tal não pode passar.

  2. Duarte diz:

    Por mais propaganda que façam neo liberais, conservadores, fascistas e esquerdistas, unidos desde sempre na contrarevolucao contra o primeiro estado socialista , as razoes históricas e materiais para o sucesso do socialismo existem , continuam vivas e mais cedo ou mais tarde se irão concretizar. Atras dos tempos vêm tempos…….

    Ps lamento que dois comentários meus ao post de Raquel Varela efectuados ontem ainda nao tenham sido editados. Nao quero querer que haja censura trotskista. Ainda tenho esperança que saiam.

    • antónimo diz:

      A Raquel Varela gosta de usar aquilo a que chama métodos estalinistas.

      Quem não debate como ela aprova, fica sem cabeça nas caixas de comentários dela.

      Valha-nos que é só aí.

  3. Vasco diz:

    Por cá, os EUA estiveram sempre com Salazar e contra o 25 de Abril. A URSS esteve sempre contra Salazar e com o 25 de ABril.

  4. António Pereira diz:

    Cuidado com o que dizes, tudo pode ser aplicado à Alemanha nazi…

    • De diz:

      Há aqui qualquer coisa que não bate certo.Provavelmente resulta tão somente na incompreensão da leitura do texto acima.O “tudo” convertido na muleta ideológica com que se tenta misturar tudo. Precisamente ao serviço da ideologia dominante
      É-me particularmente repugnante tais “tentativas” de reescrever a história.

    • A.Silva diz:

      Menos o facto de ter contribuido para a libertação da humanidade!

  5. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Bruno, caro Bruno…

    Tento não adoptar uma certa complacência, um certo paternalismo do alto da minha idade perante tão utópica descrição da URSS.

    Estimo que a sua idade não lhe tenha permitido conhecer efectivamente a realidade soviética. E o que lê nos livros e lhe contam o façam de facto “acarditar” num ontem que cantava.

    Mas olhe, aparte a minha experiência pessoal da Hungria nos anos ’80 (bastante miserável deixe-me que lhe diga), porque não tenta dar um salto à Coreia do Norte, onde decerto, “apesar dos muitos erros”, encontrará uma sociedade Justa, Fraterna e Equalitária.

    A realidade às vezes é “dura como punhos”, sabe?…

    Saudações cordiais do seu Joao da Mota

    • De diz:

      Um texto de facto paternalista.Que o assume sem vergonha porque não tem outro remédio, já que assim se tenta manter a estruturação ideológica na base do “testemunho directo”. A falácia é tal que me abstenho de a comentar, para além de sublinhar que por exemplo o testemunho directo de passos coelho sobre os dias de hoje se afasta substancialmente do testemunho directo de milhões de portugueses.
      Ou seja, a história está mal contada.A demagogia tem destas coisas.Com as devidas distâncias, repito com as devidas distâncias, seria curioso ouvir o testemunho de um pide sobre a II guerra mundial.
      🙂

      Ao sr Mota não lhe resta mais do que esta pseudo-autoridade, reveladora dum apressado remoer argumentativo primário ? Não.O sr Mota refugia-se depois na Coreia do Norte à procura do conforto argumentativo perante a clareza do post.
      A cassete neoliberal da ordem?Isso mesmo. Por outras palavras, o chutar para o canto utilizando o jargão ideológico dos defensores do status quo.Mas com esta pobreza confrangedora.

      De facto “a realidade é mais forte do que punhos”.A realidade “factual” do Sr Mota é que assume os contornos de realidade virtual, ao sabor das fugas de ocasião e dos slogans da ordem neoliberal.

    • Duarte diz:

      Se considera miserável na Hungria a saude de alta qualidade gratuita, a educação de alta qualidade gratuita, a habitação praticamente gratuita . Lojas da Chanel e da Louis Vitton nao encontraria, mas sao opções.

    • Miguel diz:

      Quando escreve sobre a realidade, está a referir-se à sua realidade ou à realidade da sua experiência pessoal que não teve tempo de pensar ou reflectir?
      Realmente, a sua realidade (em termos de pensamento) deve ser mesmo dura como punhos.

  6. h diz:

    Renato:1 Raquel:0

  7. Miguel diz:

    A propaganda contra a URSS continua, através do anti-comunismo que existe entre pessoas de direita e ditos de esquerda, como é o caso da Raquel Varela.
    Há pouco, vi que um comentário que coloquei no artigo da Raquel Varela, foi censurado.
    Ou seja, a Raquel Varela faz aquilo que muitos dizem que a URSS fez aos opositores: censura, corta, esquece, ignora…
    É uma vergonha ler os artigos desta senhora contra a direita e depois notar as suas manobras de provocação contra os comunistas portugueses.

    Muita gente, dita de esquerda, continua a criar preconceitos anti-comunistas, com diversos estereótipos. Num país virado à direita, os mais fracos dão a sua retaguarda e são tantos dos chamados “de esquerda” a dar a sua parte fraca, quando se trata de escrever contra os comunistas.

    Raquel Varela é apenas mais um pobre exemplo desta parte fraca.

  8. João Pedro diz:

    Obrigado, Bruno.
    É bom lembrar essa epopeia, quando tantos a querem rasurar.

  9. pj diz:

    Olha que o MSP ainda te solta o JVA ou vice versa, pois ainda não sei.

  10. De diz:

    Um muito bom post.Que põe alguns pontos nos is nalgumas tentativas de revisionismo histórico, travestidas de facto de roupagens coloridas.
    Permita-se a reprodução de um texto de Georges Labica, no já ido ano de 2006:
    “Para os intelectuais que dizem ser marxistas ou se identificam com uma esquerda digna desse nome chegou portanto a altura de se assumirem como tal. Que vão para o diabo as culpabilidades, prudências e covardias, a exigência de declarar a que campo se pertence volta a ser actual. É antiga e os seus títulos de nobreza enraízam-se numa tradição marcada por nomes como Voltaire, o caso Dreyfus, as guerras do Vietnam e da Argélia, Sartre, Genet e, mais perto de nós, Bourdieu. Podem invocar todos os pós que quiserem – modernismo, capitalismo, socialismo … – não conseguirão esconder que as relações sociais continuam a ser determinadas pela luta, pelo conflito, e não pelo «diálogo» e as suas manigâncias.”

    E continua:
    “A relação de forças e a luta de classes que assumiram dimensão internacional com a globalização conservam o seu valor de critérios. Sim, existem inimigos, patifes, traidores. Portanto não é necessária nenhuma verdade revelada para romper os espelhos politico-mediáticos, basta permanecer do lado dos dominados e estar consciente daquilo para que serve o seu combate. Sem duvida a lucidez não é transparente tal como as grandes causas; mas os meios teóricos permitem captar, sob aparências enganadoras e mentiras, a positividade (de classe) contida, por exemplo, no anti-americanismo, na anti-globalizaçao ou nos choques sociais diários.”

    E Labica concluia de forma lapidar ( não é despiciente a escolha de tal palavra):
    “Se é evidente que «a verdade» chateia, como dizia o circunspecto Valéry, sejamos, com o Incorruptível (Robespierre), os seus incómodos guardiães.”

  11. xico diz:

    Controlado por operários e camponeses? Se assim fosse não tinham morrido à fome os camponeses da Ucrânia.

    • solo diz:

      Sim.É isso e o pai natal!,seu xico experto.

    • Duarte diz:

      Estudando um pouco verificara que anos de fome na Rússia e na Ucrânia aconteceram periodicamente ate aos anos 30 . Depois da colectivizacao da agricultura nunca mais ocorreram.

      • xico diz:

        Só quis realçar, para lá das virtudes ou dos defeitos do regime soviético, que este nunca foi um regime controlado pelos trabalhadores e pelos camponeses, mas tão só por uma elite partidária que usou e abusou do país. E dispensaria os luxos em troca de um bom e justo estado social, que também houve, não fosse a falta de liberdade. A URSS foi um conjunto de países que se bastavam a si proprios, logo comparações com qualquer regime de Portugal será sempre falacioso. Nada, mas nada, pode calar o horror daquele regime (e não estou a discutir ideologias). Porque senão vejo-me obrigado a afirmar que o Salazarismo era muito melhor.

        • Duarte diz:

          Para além da costumada cassete anticomunista que já vem desde os tempos da guerra fria ficamos a saber que prefere o fascismo ou salazarismo como lhe queira chamar .
          São opções .

        • Dédé diz:

          Xico, claro que o Salazarismo foi muito melhor: para os Melos, Espírito Santos, Champalimauds, Tenreiros e demais mafia fascista.

        • De diz:

          Pois pode ver-se obrigado a dizer o que quiser.
          A opinião ainda é livre.Mas está sujeita a.

          A sua tentativa para mostrar a sua amostra de argumento era apenas para mostrar que não se tratava de um regime de “operários e camponeses”?Pela fome da Ucrânia?
          Deve estar a brincar. Olhe reveja lá o babar dos ideólogos anti-soviéticos da época e o seu ódio expresso aos tais operários e camponeses.Que fizeram a revolução.
          É uma chatice que a História não caiba nos meandros da cabeça do xico.Que parece gostar mais de salazar mas isso é um direito dele.
          Quanto ao “horror ” daquele regime,faço minhas as palavras do autor do post.Apesar dos muitos erros valeu a pena.Para milhões de milhões de pessoas.
          Percebe-se a raiva de salazar pela derrota dos seus amigos nazi-fascistas.Às mãos também dos soviéticos.

          “A Revolução de Outubro surgiu como resposta à primeira grande crise em que o imperialismo lançou o planeta e aos milhões de mortos, devastação, fome e miséria que acompanharam a I Guerra Mundial.”

          Milhões de seres humanos, que durante séculos foram meros figurantes e carne para canhão ao serviço das classes dominantes, foram trazidos pela Revolução para o palco da História. Outubro trouxe, pela primeira vez, direitos laborais, sociais e económicos muito amplos para massas imensas, libertando-as da dominação de grandes capitalistas e latifundiários. Criou sistemas de ensino, saúde, segurança social universais. Trouxe transformações revolucionárias nas condições de vida das mulheres e crianças (1). Promoveu as culturas, línguas e direitos nacionais das muitas nacionalidades que viviam no vasto território soviético, num período histórico em que isso era a excepção. Desenvolveu impetuosamente a economia em poucas décadas, transformando a União Soviética numa potência mundial no plano económico, científico, cultural (2) – como ficou patente, com o lançamento do Sputnik e as primeiras viagens no espaço de um homem – e de uma mulher.

          A Revolução de Outubro e a construção do socialismo na URSS mostraram, no domínio dos factos – e não apenas da teoria – que existe uma alternativa ao capitalismo. Que é possível construir uma sociedade diferente, que não se baseia na exploração da maioria do povo por classes exploradoras minoritárias. Que sem grandes capitalistas, barões da finança, tubarões «dos mercados» um país pode desenvolver-se, tornar-se uma potência económica, e ao mesmo tempo, resolver os principais problemas duma sociedade humana. Trata-se duma confirmação de enorme importância histórica – de que não disfrutavam os combatentes pela justiça social, liberdade e igualdade nas décadas e séculos anteriores à Revolução de Outubro.

        • Miguel diz:

          Seria, talvez segundo as suas ilusões e meras abstracções políticas, que Salazar estaria contra a URSS; que a Alemanha de Hitler estaria contra a URSS; que a América capitalista, desde 1917, estaria contra a URSS (e que até enviou soldados para lutar contra a revolução bolchevique na chamada guerra esquecida). A sua ideia da URSS ser um «horror de regime» batem certo com as teorias de direita, desde Salazar até à AD de Sá Carneiro sobre Moscovo e o «horror comunista soviético».
          Uma coisa é ler sobre a URSS, deixando os estereótipos, as falsidades e todo o tipo de mentiras que entraram nas campanhas contra aquele país. Outra é colaborar nas campanhas que ainda continuam, pois, na verdade, a URSS foi mais exemplo de luta contra o capitalismo no mundo inteiro.

  12. Duarte diz:

    Convém nao esquecer o inimigo principal, ao contrario de alguns autores deste blog que fazem o contrario
    http://auditoriacidada.info/video/catastroika-legendas-em-português

    PS : continuo a aguardar que sejam publicados os meus comentários ao post oportunista da Raquel Varela sobre Trotsky

  13. Tiago Filipe diz:

    Gostei da prosa! Tem um fino sentido de humor. Sublime é a afirmação “…primeiro Estado controlado por operários e camponeses…” à imagem do burguês Lenine e do seminarista Stalin.
    Só não faz sentido é como que depois de tanta vitória, conquista e prestígio, alcançaram a derrota final.

    • antónimo diz:

      Sem ter qualquer espécie de simpatia pela URSS (não tenho mesmo, aquilo foi uma ditadura sinistra, como era aliás antes e infelizmente prossegue hoje já em pleno capitalismo) a Europa neo-liberal também vai a caminho da derrota final. É uma questão de tempo, para não se ficarem a rir.

    • De diz:

      Gostou da prosa?
      Ainda bem.Claro que ficamos na dúvida sobre o seu sentido de humor quando fala no regime, tendo como base a sua caracterização de Lenin e de Stalin.
      Hum,acho que não é humor fino.É apenas um gesto involuntário de ?
      Os pequenos esgares ficam reduzidos a pequenos esgares.Tanto tempo depois ainda não se veda? Um seminarista em potência,com a vocação estragada?
      🙂

      Quanto à falta de sentido,não se apoquente.Parece que tem algum mesmo,senão não andava aqui, qual vero seminarista a perder os seus sentidos desta forma tão “fina”

      “A sua derrota, há 20 anos, não diminuiu o seu significado histórico. Pelo contrário: neste turbulento e complexo início do século XXI, perante o desastre para que o capitalismo explorador, decadente, corrupto e agressivo dos nossos dias está a conduzir o planeta, a grande Revolução Socialista de 1917, ganha novo relevo e significado. Aponta o caminho do futuro e da resolução dos enormes problemas com que a maioria da Humanidade se vê confrontada. O caminho da transformação social, da substituição revolucionária do capitalismo por um sistema social e económico socialista, ao serviço dos trabalhadores e dos povos, e não dos parasitas do grande capital financeiro e da sua monstruosa máquina de exploração, agressão e guerra.”

      Gostou?É apenas uma pequena parte do que há a dizer.

    • Miguel diz:

      Também gostei da sua ironia e sentido de humor que tende para o chamado popularucho.
      Quem não entende o modo como o capitalismo levou a URSS à implosão e depois faz estas (suas) declarações de «labrego», é porque realmente sofre de uma grave estupidez mental ou diria mesmo de uma ignorância bruta.

    • xico diz:

      Precisamente porque nunca foi um regime de operários e camponeses, mas sempre governou contra estes.

      • Miguel diz:

        Para quem leu hoje sobre a tomada da bolsa de Korsun, em 1944, pelos soldados soviéticos e toda a operação que levou à glória o exército da URSS, estas suas palavras fazem lembrar os textos da propaganda alemã, vinda do Sr. Goebbels.
        Cuidado com as palavras, porque os opostos muitas vezes se atraem.

  14. Rocha diz:

    De todos os feitos que mencionas subscrevo quase todos. Só coloco dúvidas – e as maiores dúvidas sublinho – em relação ao alegado apoio à República Espanhola, não é que a culpa esteja só do lado da URSS, mas este “ajudar” parece-me mais prejudicar. Não posso deixar de classificar como estúpidos e criminosos os combates desencadeados pelo PCE e outras forças contra outros sectores republicanos designadamente contra os anarquistas da CNT e trotsquistas do POUM. Mas para além do que sectarismo imbecil e suicida de que Stalin foi pródigo – e que sem dúvida destruiu o comitern pelo seu absurdo moscovo-centrismo – tiveram grandes culpas o PCE e seus aliados democratas-burgueses numa República Espanhola que peca pelo próprio nome e pelo próprio conceito. Só podia ter vencido o fascismo uma aliança de nações livres e uma aliança de forças republicanas que se respeitam mutuamente.

    Enfim há sem dúvida muito de admirável e memorável na URSS. A onda libertadora dos movimentos revolucionários e de libertação nacional, as vitórias da luta sindical até nos países capitalistas do centro imperialista. Tudo com contribuições e solidariedade imprescindíveis da URSS. Mas na história da República Espanhola sinceramente… só vejo asneiras, asneiras e mais asneiras. Se isso é memorável é pelo negativo, para não repetir.

  15. Carlos Carapeto diz:

    Muito bom artigo Bruno!

    Chegou a hora de começar-mos a exigir ao capitalismo para limpar a porcaria que fez (e está fazendo) naqueles países. Chamar à responsabilidade de quem mergulhou muitos milhões de seres humanos na miséria e na exclusão. Nada absolutamente nada melhorou.
    Na Quirguizia metade da população sobrevive com a ajuda do PAM.
    A Rússia é o maior exportador de crianças para adoção. Existem milhões de crianças abandonadas, os chamados orfãos sociais.
    Há ditadores de todas as cores e de todos os gostos a governar nesses países. Nas Republicas Bálticas os SS já desfilam fardados nas ruas.
    No Azerbeijão o poder é heriditário.
    O analfabetismo já é uma realidade.
    O fundamentalismo religioso propaga-se com a ajuda de países como a Arábia Saudita e a Turquia, que mandaram construir milhares de templos, na Ásia Centarl.
    . A poligamia já está instituida por lei na Turcoménia.
    No Cazaquistão os sindicatos e os partidos de esquerda foram interditos.
    Victor Orban da Hungria dedica o ano de 2013 ao colaborador nazi Milkos Orthy

    Portanto parece que chegou o nosso momento de começar a pedir contas. As armas estão na nossa mão, e foram eles que as colocaram.

  16. Carlos Carapeto diz:

    ” Tiago Filipe

    Só não faz sentido é como que depois de tanta vitória, conquista e prestígio, alcançaram a derrota final.”

    Faz até todo o sentido. Se ler os discursos de Gorbachov de 1985 , e os que ele fez a partir de 1988 vai ver que é muito fácil perceber essa coisa que não entende a que chama derrota, que afinal tratou-se de uma traição.

    Quanto à grande potência que o socialismo criou, não se pense que aconteceu por milagre. Alguém julga que a nação mais atrasado da Europa em 1917 , que em duas conseguiu ultrapassar a maioria dos países desenvolvidos o fez à custa de escravos e analfabetos? Não! Essa grande vitória foi conseguida à custa da vontade do povo, e da capacidade de organização dos seus dirigentes.

    E quem foi que lhe disse que Lenine era um Burguês? Qual foi a fortuna que herdou e quais foram os bens que deixou? Diga! Depois digo-lhe quanto foi encontrado na sua conta nos bancos Suiços numa investigação mandada fazer por o Czar Yeltsin.

    Pode dar graças a Estaline não estar hoje à porta de um forno crematório qualquer a empurrar lá para dentro os seus amigos e familiares. Se não tivesse já entrado por a porta e saído por a chaminé.

    É essa a gratidão que têm para quem salvou a humanidade do nazismo?

    Em Novembro de 1941 quando Churchill e Roosevelt já discutiam na conferencia de Arcadia a forma de dialogar com Hitler face à iminente derrota da URSS. Estaline supreende-os todos.

    Erraram nas previsões, graças a Estaline, com o exercito nazi a poucas dezenas de Km de Moscovo, quando toda a gente abandonava a cidade em debandada, Estaline corajosamente teimou em realizar o desfile das comemorações da Revolução na Praça Vermelha, ouvia-se nitidamente o troar dos canhões.

    Isto não são lendas , foi-me dito por quem participou nesses acontecimentos, Nikola Schkarine, um velho que tem hoje 90 anos, com 19 foi enviado para a frente de Kaluga (60 Km de Moscovo) próximo de Volokolamski onde se deram os combates mais duros da batalha de Moscovo, que envolveu a celebre Brigada Panfilov ( a unidade mais premiada do exército Vermelho).
    A Batalha de Moscovo foi qualquer coisa mais aterrador que o dia D , as Ardenas , Iwo Jimo ou Al Alamein. Como não consta nos filmes de propaganda de Hollywood a maioria das pessoas ignora isso.

    Mas a União Soviética não se destacou apenas por ter sido a grande vencedora da guerra.

    Os maiores êxitos foram alcançados a nivel do desenvolvimento social, técnico e cientifico, outra realidade que é ignorada por quem vive embasbacado com a propaganda burguesa.

    Por outro lado foi um país que nunca ameaçou ninguém, apesar de sempre ter estado sob ameaça constante. Inclusivamente foi agredida muitas vezes.

    Foi com a vontade a abnegação e á custa de enormes sacrifícios do povo Soviético que foi construído aquele grandiosíssimo modelo de desenvolvimento que jamais pode ser apagado da história da humanidade.

    Aqueles que criticam a União Soviética porque razão não exigem que o capitalismo resolva todos os erros que apontam? Dizem que existiam.

    Se nas ultimas duas décadas tudo se tem agravado. Os países que faziam parte da URSS estão a afundar-se perigosamente a todos os níveis cada ano que passa.

    Se é o bem do povo que se deseja? Então que viva o comunismo, que viva Estaline!

  17. Duarte diz:

    Filme para o Tiago Filipe e em memoria de lyudumila pavlichenko.. Porque é sempre bom saber quem sao os nossos herois
    A DERROTA FINAL
    http://www.tumblr.com/tagged/lyudmila-pavlichenko

Os comentários estão fechados.