À Esquerda Duas Teses Diferentes sobre o que é a Dívida Pública

(Re)Construir Portugal: As alternativas à dívida pública. Artigo completo aqui

Para José Castro Caldas, economista e membro da comissão da Iniciativa por Uma Auditoria Cidadã à Dívida Pública (IAC), Portugal deve olhar para a história recente da Argentina para evitar a repetição dos erros cometidos.”É importante que as pessoas saibam qual é a origem da dívida pública para saber que parte da dívida deve ser paga e perceber que não estão condenadas a sacrificar tudo o que é importante na vida para servir uma dívida cuja legitimidade não é clara”, explica o economista ao Boas Notícias.

A historiadora Raquel Varela, coordenadora da obra “Quem paga o Estado Social em Portugal” (Bertrand), vai mais longe afirmando que toda esta dívida é ilegítima. “O dinheiro da Troika não serve para pagar ordenados como afirma o Governo, serve para pagar rendas privadas, os próprios juros da dívida pública, Parcerias Público Privadas, subsídios às empresas (nomeadamente através das reformas antecipadas), transferência de fundos de pensões descapitalizados da banca e da PT para a Segurança Social (SS) – que apesar de abaterem o défice prejudicam a sustentabilidade da própria SS -, ou a aplicação do Fundo da SS em aplicações financeiras de alto risco” que resultaram em enormes prejuízos, garante.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a À Esquerda Duas Teses Diferentes sobre o que é a Dívida Pública

  1. JgMenos diz:

    Quem deve pagar a dívida; um contributo:
    O voto deixa de ser secreto.
    A cada voto deve corresponder uma quota na sociedade de responsabilidade ilimitada estabelecida entre os eleitores e os políticos eleitos.
    O Tribunal de contas manda pagar as dívidas ilegítimas ou de empreendimentos ruinosos aos políticos e seus eleitores, e o resto do país segue alegremente.
    Pensando melhor,..?..!..bip…bip…

Os comentários estão fechados.