Redesenhar o Médio Oriente

Os EUA e a NATO persistem nos seus planos para redesenhar as fronteiras do Médio Oriente. Israel aprofunda a sua escalada contra a Autoridade Palestina e a construção de colonatos nos territórios da AP. A pressão sobre a Síria e o apoio a forças internas terroristas hostis ao regime de Assad persiste, incluindo (paradoxalmente) apoio a forças alinhadas com a al-Qaeda. Os EUA tem neste momento mais de 10 mil tropas junto da fronteira Síria (ref), juntamente com forças da França e Reino Unido. As tensões na fronteira entre a Síria e a Turquia, membro da NATO, têm todo o potencial para servir de pretexto para puxar toda a NATO num assalto à Síria. E persistem as ameaças ao Irão, pelo seu alegado programa de armas nucleares. Um artigo recente de Seyed Hossein Mousavian, académico em Princeton e ex-negociador nuclear do Irão, apontam as razões pelas quais pensar que o Irão tem um programa de armas nucleares é mera fantasia.

 

Sobre André Levy

Sou bolseiro de pós-doutoramento em Biologia Evolutiva na Unidade de Investigação em Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa
Este artigo foi publicado em André Levy, Imperialismo & Guerra. Bookmark o permalink.

4 respostas a Redesenhar o Médio Oriente

  1. Jacquerie diz:

    Boa tarde.
    Uma dúvida: como conseguirão os Estados Unidos e aliados convencer o Paquistão, a Arábia Saudita e principalmente a Turquia a abdicar de território? Pela força? Duvido.
    O Paquistão ainda vá, uma vez que as suas ogivas nucleares são controladas por americanos logo são trunfo que não entra na equação. Mas a Arábia Saudita tem aquele poder de convocar todo (quase todo) o fanatismo islâmico deste mundo contra Washington. E não se deve subestimar o nacionalismo turco, esse gigante, por enquanto, adormecido.
    Parabéns e obrigado.

  2. João Silva Jordão diz:

    Excelente analise André. Quanto ao comentário do/da Jacquerie, é interessante e correcto. Mas uma coisa á a vontade de dividir o Médio Oriente em ‘pequenos reinos invejosos’ entre si como já dizia o nosso querido Lourenço, outra coisa é se o plano se pode concretizar. A vontade existe de certeza absoluta, ser possível não é outra coisa…

Os comentários estão fechados.