«O Brasil o que mais exporta…é prostitutas», Repita por favor?

Enviado pela minha colega e amiga Maria Augusta Tavares, que participou no livro Quem Paga o Estado Social em Portugal? e que, entre outras coisas, lembra neste que os imigrantes são contribuintes líquidos para a segurança social portuguesa. Uma resposta decente às inaceitáveis declarações do bastonário da ordem dos advogados.

«Ao afirmar que a imigração brasileira em Portugal é constituída maioritariamente por prostitutas o advogado revela preconceito e ignorância, características que não fazem jus ao povo civilizado de Portugal. O objectivo deste senso comum é manter a desconfiança da classe trabalhadora portuguesa face à classe trabalhadora imigrante e assim legitimar a  ilegalização pelo Estado («sem papéis») de um sector da força de trabalho – migrantes – que por isso passam a receber menos e assim a ser uma pressão para diminuição salarial de todos os trabalhadores  Aconselho o senhor advogado a consultar a literatura portuguesa acerca das imigrações, uma vez que esta oferece inúmeras investigações qualificadas. Dentre as publicações mais recentes, recomendo ler Sónia Pereira. (2 010). Trabalhadores de origem Africana em Portugal: impacto das novas vagas de imigração. Lisboa, Colibri. Segundo essa investigadora portuguesa, os trabalhadores brasileiros, no mercado de trabalho português, podem ser encontrados, principalmente na construção civil, no trabalho domestico, nas limpezas, na restauração e no comércio».

Maria Augusta Tavares, Professora universitária (Brasil), ex pós doutoranda do Grupo de Estudos do Trabalho do IHC- FCSH/UNL.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to «O Brasil o que mais exporta…é prostitutas», Repita por favor?

  1. Zuruspa diz:

    Ao afirmar que o advogado afirmou que a imigração brasileira em Portugal é constituída maioritariamente por prostitutas, a professora revela dificuldade de compreensão da Língua Portuguesa, característica que não faz jus ao seu perfil académico.

    • comamentira naome enganas diz:

      É desonesto alterar as palavras para deturpar o significado das que são utilizadas, qualquer que seja o interlocutor e, neste caso, além dessa má acção demonstra-se preconceito e falta de clareza intelectual pela forma como reagiu.

  2. Dédé diz:

    O zuruspa tem cera nos ouvidos, ou e mais um racista como o Marinho?

  3. JgMenos diz:

    O homem diz:
    ‘Uma das coisas que o Brasil mais tem exportado para Portugal são prostitutas, entre outras coisas…’
    A doutorada traduz: «Ao afirmar que a imigração brasileira em Portugal é constituída maioritariamente por prostitutas…»
    A Raquel repassa para a História: «O Brasil o que mais exporta…é prostitutas»

  4. Helena diz:

    E pena ter de o confirmar, mas muitas (não digo todas ) as brasileiras que têm vindo para Portugal, se não são de facto prostitutas… imitam muito bem! Que o digam, tantas e tantas mulheres portuguesas que, embora já não sendo novas, em termos de idade, viram o seu casamento completamento destruído por jovens brasileiras, que “trabalhavam” em casas de alterne. Esses homens já de idade madura, deixaram-se “enfeitiçar” e pediram divórcio. Algumas brasileiras tinham menos idade do que as filhas destes homens. Infelizmente, conheço vários casos, deste tipo.Claro que estes “homens” só caíram nisso porque o quiseram, mas eles foram atrás da sua juventude e alguma coisa mais, e elas, atrás do dinheiro deles. Nos casos de que tenho conhecimento, nenhum dos homens vivia com dificuldades…Foi um modo de ganhar a vida, mas nunca deviam destruír casamentos de mais de 30 anos. Eles, homens, não estão inocentes, mas elas…procurar homens que já tinham idade para serem seus pais!!!Há bastantes casos assim. O Dr. Marinho Pinto não fala em vão! Desculpem as outras que se portaram com dignidade….

  5. John diz:

    Este Senhor está totalmente equivocado. Em primeiro lugar, o que é crime no Brasil é a exploração da prostituição. Em segundo, a notícia que ele leu é mentirosa: não há processo algum contra a garota.

  6. subcarvalho diz:

    parece-me justa a publicação da resposta de marinho pinto:

    Importação de prostitutas

    Há três semanas, comentei no programa “Justiça Cega”, da RTP Informação, o caso de uma jovem brasileira que vendera a sua virgindade a um empresário japonês. Insurgi-me contra a sordidez do caso e, particularmente, contra a hipocrisia do Ministério Público brasileiro que instaurou à jovem um processo por prostituição, ignorando o comprador e quem intermediou o negócio. Disse, então, que estranhava o processo, pois achava que a prostituição não fosse crime no Brasil e frisei que algumas das coisas que este país mais exporta para Portugal são prostitutas. Tanto bastou para que, passados alguns dias, se formassem nas redes sociais matilhas de justiceiros, para me pôr na linha. Desde simples cidadãos cheios de certezas sobre mim, até algumas organizações cultoras do politicamente correto, todos me julgaram e condenaram sumariamente. Algumas dessas sentinelas esticaram-se em acusações pessoais tais como xenófobo, chauvinista, racista, insensato, mal-educado, preconceituoso, desrespeitador da mulher brasileira, misógino, etc.. Ao carnaval juntou–se também o embaixador do Brasil, que, 15 dias depois do programa, assustado com a ferocidade das matilhas, me invetivou também.

    Se eu tivesse dito que o Brasil exportava bombas atómicas para Portugal ninguém se importaria, pois, apesar de a afirmação ser muito mais grave, ninguém acreditaria nisso. Mas como eu denunciei um facto que todos sabem que é verdadeiro, então caíram o Carmo e a Trindade dos fariseus.

    Não foi por acaso ou por lapso que eu falei em exportação. Não se trata da imigração de mulheres brasileiras que decidiram por sua conta e risco ser prostitutas em Portugal. Trata-se de mulheres que são exportadas por empresários brasileiros – que são importadas por empresários portugueses – como mercadorias, como objetos de prazer, como carne sexual para saciar os apetites de todos aqueles que fazem prosperar o sórdido negócio do sexo. São centenas ou milhares de mulheres, a maioria jovens na casa dos vinte anos, que são exploradas por empresários do ramo (proxenetas organizados empresarialmente e com poderosas influências nos dois países), algumas das quais trazidas com promessas de trabalho decente, mas que acabam por aceitar a prostituição porque tudo foi meticulosamente organizado para acabar dessa maneira. Tudo isso, com a passividade vergonhosa das autoridades dos dois países e com o silêncio de todos os fundamentalistas que agora se arranham de indignação.

    Não há, em Portugal, vila ou cidade, desde as mais prósperas às mais atrasadas, de norte a sul, do litoral ao interior, onde não exista uma bolsa dessa gigantesca rede de exploração de prostitutas brasileiras. Na orla das estradas, em bordéis improvisados, em lupanares bem dissimulados no negócio da noite, nas centrais de acompanhantes de luxo, anunciando ou não o aluguer do seu corpo na Imprensa, lá está o negócio, bem visível, chamando a atenção, dando nas vistas. Os industriais do sexo são realmente muito poderosos em Portugal e no Brasil. Atente-se que não está em causa a prostituição como «profissão liberal» (não são criminosas as mulheres que decidem prostituir-se por sua conta), mas sim a sua exploração pela indústria do sexo.

    Sublinhe-se que, há alguns anos, quando um grupo de jogadores da seleção nacional de futebol fez uma orgia com prostitutas brasileiras, espancando algumas delas, muitos negaram os factos dizendo que elas não tinham credibilidade por serem prostitutas. Na altura, insurgi-me (e a SIC também) contra essa postura e, numa carta ao então diretor da estação, defendi, contra ventos e marés, a dignidade e credibilidade das vítimas.

    O que eu afirmei agora, na RTP, só é chocante porque é verdade. Bem mais chocante do que as minhas palavras é a realidade que elas exprimem e que muita gente quer esconder para continuar a fingir que a desconhece. Em vez de atuarem para mudar essa negra realidade, atacam quem a mostra. É a velha história de quem, apontando para um mal, vê os oportunistas e os idiotas úteis a olhar para o seu dedo, berrando em uníssono que tem a unha roída. Quando a mensagem não agrada, agride-se o mensageiro.

    in JN

Os comentários estão fechados.