Contra-ataque de Israel à Palestina

No seguimento da votação favorável nas Nações Unidas, reconhecendo à Autoridade Palestina o estatuto de observador, Israel tomou medidas não-militares, mas opressivas, sobre a AP.

Primeiro, Israel anunciou uma expansão significativa do planos de construção de colonatos na Cisjordânia, com a construção de 3 mil novas habitações.

Hoje, após a reunião de Conselho de Ministros, o Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu, anunciou que Israel irá congelar mais de USD$120 milhões em impostos que recolheu para a AP.

Que estas medidas são respostas à decisão nas NU foi tornado muito claro, nas declarações prestadas por um responsável oficial Israelita ao jornal The Guardian.

 

Sobre André Levy

Sou bolseiro de pós-doutoramento em Biologia Evolutiva na Unidade de Investigação em Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa
Este artigo foi publicado em André Levy, cinco dias, Imperialismo & Guerra. Bookmark o permalink.

9 respostas a Contra-ataque de Israel à Palestina

  1. De diz:

    Parabéns pela chamada de atenção!
    Sem qualquer pudor o estado-pária de Israel mostra mais uma vez a sua face.

  2. jorge diz:

    Pouco tempo atrás, o Irão e o líder supremo, aiatolá Ruhollah Khomeini, pediu ao mundo muçulmano para boicotar tudo e qualquer coisa que tem origem judaica; em resposta, Meyer M. Treinkman, um farmacêutico, além da bondade de seu coração, se ofereceu para ajudá-los em seu boicote da seguinte forma:

    “Qualquer muçulmano que tem sífilis não deve ser curado pelo teste de Wasserman que foi descoberto por um judeu Dr. Ehrlich.” “Muçulmanos que tem gonorréia, não devem procurar o diagnóstico, porque ele vai estar usando o método de um judeu chamado Neissner.”

    “Um muçulmano que tem uma doença cardíaca não deve usar Digitalis, descoberta por um, judeu Ludwig Traube.”

    “Se ele sofrer com uma dor de dente, não deve usar novocaína, uma
    descoberta dos judeus, Widal e Weil.”

    “Se um muçulmano tem diabetes, não deve usar insulina, o resultado da pesquisa por Minkowsky, um judeu.”

    “Se tiver uma dor de cabeça, deve evitar Pyramidon e Antypyrin, devido aos judeus, Spiro e Ellege.”

    “Muçulmanos com convulsões devem ficar assim, porque era um judeu Oscar Leibreich, que propôs o uso de hidrato de cloral.”

    “Árabes devem fazer o mesmo com seus males psíquicos, porque Freud, pai da psicanálise, era um judeu.”

    “Se uma criança muçulmana pegar Difteria, ela deve abster-se de usar o “Schick” reação, que foi inventado pelo judeu, Bella Schick.”

    “Os muçulmanos devem estar prontos para morrer em grande número e não deve permitir o tratamento da orelha e danos cerebrais, o trabalho de judeus ganhadores do Prêmio Nobel, como Robert Baram.”

    “Eles devem continuar a morrer ou ficar aleijados por Paralisia Infantil, porque o descobridor da vacina anti-pólio é judeu, Jonas Salk.”

    “Os muçulmanos devem se recusar a usar estreptomicina e continuar a morrer de tuberculose, porque um judeu, Zalman Waxman, inventou a droga milagrosa contra esta doença mortal.”

    “Médicos muçulmanos devem descartar todas as descobertas e melhorias feitas pelo dermatologista Judas Sehn Bento, ou o especialista em pulmão, Frawnkel, e de muitas outras de renome mundial, cientistas judeus e especialistas médicos.”

    “Muçulmanos apropriadamente devem permanecer aflitos com sífilis, gonorréia, doença de coração, dores de cabeça, tifo, diabetes,
    transtornos mentais, convulsões, poliomielite e tuberculose e ter
    orgulho de obedecer ao boicote islâmico”.

    “Ah, e por falar nisso, não chame um médico em seu telefone celular
    porque o telefone celular foi inventado em Israel por um engenheiro judeu.”

    Enquanto isso eu pergunto, que contribuições médicas os muçulmanos fizeram para o mundo os?

    A população Islamica é de aproximadamente é de 1.200.000.000; um bilhão e duzentos milhões ou 20% da população do mundo.

    Eles receberam os seguintes Prêmios Nobel:

    Literatura:
    1988 – Najib Mahfooz

    Paz:
    1978 – Mohamed Anwar El-Sadat
    1990 – Elias James Corey
    1994 – Yasser Arafat:
    1999 – Ahmed Zewai

    Economia:
    (Zero)

    Física:
    (Zero)

    Medicina:
    1960 – Peter Brian Medawar
    1998 – Mourad Ferid

    TOTAL: 7 SETE

    A população global judia é de aproximadamente 14 milhões, cerca de 0,02% da população do mundo.

    Eles receberam os seguintes Prémios Nobel:

    Literatura:
    1910 – Paul Heyse
    1927 – Henri Bergson
    1958 – Boris Pasternak
    1966 – Shmuel Yosef Agnon
    1966 – Nelly Sachs
    1976 – Saul Bellow
    1978 – Isaac Bashevis Singer
    1981 – Elias Canetti
    1987 – Joseph Brodsky
    1991 – Nadine Gordimer Mundial

    Paz:
    1911 – Alfred Fried
    1911 – Tobias Michael Carel Asser
    1968 – René Cassin
    1973 – Henry Kissinger
    1978 – Menachem Begin
    1986 – Elie Wiesel
    1994 – Shimon Peres
    1994 – Yitzhak Rabin

    Física:
    1905 – Adolf Von Baeyer
    1906 – Henri Moissan
    1907 – Albert Abraham Michelson
    1908 – Gabriel Lippmann
    1910 – Otto Wallach
    1915 – Richard Willstaetter
    1918 – Fritz Haber
    1921 – Albert Einstein
    1922 – Niels Bohr
    1925 – James Franck
    1925 – Gustav Hertz
    1943 – Gustav Stern
    1943 – George Charles de Hevesy
    1944 – Isidor Isaac Rabi
    1952 – Felix Bloch
    1954 – Max Born
    1958 – Igor Tamm
    1959 – Emilio Segre
    1960 – Donald A. Glaser
    1961 – Robert Hofstadter
    1961 – Melvin Calvin
    1962 – Lev Davidovich Landau
    1962 – Max Ferdinand Perutz
    1965 – Richard Phillips Feynman
    1965 – Julian Schwinger
    1969 – Murray Gell-Mann
    1971 – Dennis Gabor
    1972 – William Howard Stein
    1973 – Brian David Josephson
    1975 – Benjamin Mottleson
    1976 – Burton Richter
    1977 – Ilya Prigogine
    1978 – Arno Penzias Allan
    1978 – Peter L Kapitza
    1979 – Stephen Weinberg
    1979 – Sheldon Glashow
    1979 – Herbert Charles Brown
    1980 – Paul Berg
    1980 – Walter Gilbert
    1981 – Roald Hoffmann
    1982 – Aaron Klug
    1985 – Albert A. Hauptman
    1985 – Jerome Karle
    1986 – Dudley R. Herschbach
    1988 – Robert Huber
    1988 – Leon Lederman
    1988 – Melvin Schwartz
    1988 – Jack Steinberger
    1989 – Sidney Altman
    1990 – Jerome Friedman
    1992 – Rudolph Marcus
    1995 – Martin Perl
    2000 – Alan J. Heeger

    Economia:
    1970 – Paul Anthony Samuelson
    1971 – Simon Kuznets
    1972 – Kenneth Joseph Arrow
    1975 – Leonid Kantorovich
    1976 – Milton Friedman
    1978 – Herbert A. Simon
    1980 – Lawrence Robert Klein
    1985 – Franco Modigliani
    1987 – Robert M. Solow
    1990 – Harry Markowitz
    1990 – Merton Miller
    1992 – Gary Becker
    1993 – Robert Fogel

    Medicina:
    1908 – Elie Metchnikoff
    1908 – Paul Erlich
    1914 – Robert Barany
    1922 – Otto Meyerhof
    1930 – Karl Landsteiner
    1931 – Otto Warburg
    1936 – Otto Loewi
    1944 – Joseph Erlanger
    1944 – Herbert Spencer Gasser
    1945 – Ernst Boris Cadeia
    1946 – Hermann Joseph Muller
    1950 – Tadeus Reichstein
    1952 – Selman Abraham Waksman
    1953 – Hans Krebs
    1953 – Fritz Albert Lipmann
    1958 – Joshua Lederberg
    1959 – Arthur Kornberg
    1964 – Konrad Bloch
    1965 – François Jacob
    1965 – Andre Lwoff
    1967 – George Wald
    1968 – Marshall W. Nirenberg
    1969 – Salvador Luria
    1970 – Julius Axelrod
    1970 – Sir Bernard Katz
    1972 – Gerald Maurice Edelman
    1975 – Howard Martin Temin
    1976 – Baruch Blumberg S.
    1977 – Roselyn Sussman Yalow
    1978 – Daniel Nathans
    1980 – Baruj Benacerraf
    1984 – Cesar Milstein
    1985 – Michael Stuart Brown
    1985 – Joseph L. Goldstein
    1986 – Stanley Cohen [& Rita Levi-Montalcini]
    1988 – Gertrude Elion
    1989 – Harold Varmus
    1991 – Erwin Neher
    1991 – Bert Sakmann
    1993 – Richard J. Roberts
    1993 – Phillip Sharp
    1994 – Alfred Gilman
    1995 – Edward B. Lewis
    1996 – Lu RoseIacovino

    TOTAL: 129!

    Os judeus não estão a promover lavagem cerebral em crianças em campos de treino militar, ensinando-os a fazerem-se explodir e causar mortes de judeus e outros não-muçulmanos.

    Os judeus não seqüestram aviões, nem matam atletas nos Jogos
    Olímpicos, ou se explodiram em restaurantes alemães.

    Não há um único judeu que tenha destruído uma igreja ou mosteiros

    Não há um único judeu que proteste matando pessoas. Os judeus não fazem tráfico de escravos, nem tem líderes que pedem Jihad e morte a todos os outros povos”infiéis”.

    Talvez os muçulmanos do mundo devem considerar investir mais em
    educação e menos em terrorismo culpando os judeus por todos os seus problemas.

    Os muçulmanos devem perguntar “O que eles podem fazer para a
    humanidade “?, Antes de exigir que a humanidade respeite-os.

    Independentemente dos seus sentimentos sobre a crise entre Israel e os palestinos e seus vizinhos árabes, mesmo que você ache que conhece sobre a História daquela região, as duas frases seguintes realmente dizem tudo:

    “Se os árabes depuserem as armas hoje, não haveria violência nunca mais. Se os judeus depuserem as armas hoje, não haveria mais Israel. ”

    Benjamin Netanyahu: General Eisenhower nos advertiu. É uma questão de história que, quando o Comandante Supremo das Forças Aliadas, General Dwight Eisenhower, encontrou as vítimas dos campos de extermínio ele ordenou todas as fotografias possíveis a serem tomadas, e para os alemães das cidades vizinhas fossem guiados através dos campos e ainda fez a enterrar os mortos.

    Ele fez isso porque ele disse em palavras para este efeito: “Tenha
    tudo sobre documentação – obter os filmes – obter as testemunhas –
    porque em algum lugar no caminho da história algum bastardo se erguerá e dirá que isto nunca aconteceu ‘

    Recentemente, no Reino Unido debatem se para remover o Holocausto dos seus currículos escolares porque ‘ofende’ a população muçulmana, que afirma que nunca ocorreu.
    Ele não foi removido ainda. No entanto, este é um presságio assustador sobre o medo que está atingindo o mundo, e o quão facilmente cada país está dando para ele.
    É agora mais de 65 anos após a Segunda Guerra Mundial na Europa terminou.
    Agora, mais do que nunca, com o Irã, entre outros, sustentando que o Holocausto é um mito, é imperativo assegurar que o mundo nunca esqueça.

    Quantos anos vão passar para que se pense que o ataque ao World Trade Center ‘nunca aconteceu’ porque ofende alguns muçulmanos nos Estados Unidos?

    “Em Deus nós confiamos e somos uma nação sob Deus”

    • Caro Jorge, não vejo em que medida o seu comentário, listando posições extremas e desnecessariamente descrevendo as capacidades intelectuais de muitos judeus, é relevante para a questão entre o Estado de Israel e a Autoridade Palestina. Não creio que nenhum participante razoável ponha em causa o contributo de muitos judeus em distintas áreas do saber. (Mas já que levanta a questão, permita-me precisar que a maioria dos judeus premiados com o Nobel não são Israelitas, ponto que só assume relevância dado o seu comentário). Aliás, para mim isso é evidente e motivo de orgulho. Como poderá inferir do meu nome, parte da minha família é de origem judaica, sefardita para ser mais preciso.
      Também qualquer conhecedor razoável da história não pode questionar o contributo importante que a civilização muçulmana teve na história universal. Destaque-se o seu papel crucial para a continuidade da civilização “ocidental” durante a Idade Média na Europa, entre as civilizações Grega e Romana e o Renascimento, não só preservando os obras e conhecimentos da antiguidade Europeia mas contribuindo para o seu avanço. A título de exemplo, refiro-lhe a figura de Abu Rayha al-Biruni.
      Mas a questão não é de inteligência de judeus ou muçulmanos, dos seus contributos para o saber, ou se há quem tome posições extremas. A questão é uma da relação entre o Estado de Israel e a Autoridade Palestina, do direito à independência e soberania dos Palestinos. E entender qual o lado que tem supremacia militar e sobre o controlo territorial, no acesso a recursos; quem não cumpre as resoluções das NU; que está a ser oprimido.

      • De diz:

        Uma resposta exemplar. Tanto mais exemplar que serenamente desmonta o circulo demagógico de Jorge com classe e com rigor.
        Porque este comentário de Jorge releva sobretudo pelo seu racismo larvar ou assumido.E pelas suas aldrabices que importa desmontar.Ponto por ponto se necessário for.Adiante (por agora)

        Este texto é uma cópia de um texto saído dum lobby sionista.De realçar que o texto é apócrifo.Seria da mais elementar honestidade identificá-lo como tal.No final do copy paste deste texto assim “distribuído”, vem uma frase omitida significativamente por Jorge:
        “Por favor, passe isto”.

        Sem o mínimo pudor uma lista baseada nas características “rácicas ou religiosas” é algo abominável.Seguir-se-á uma lista de homens laureados contrapondo-os a uma lista de mulheres?

        A defesa de um “povo escolhido” por um Deus (qualquer que ele seja) é uma afronta à humanidade no seu todo.Como se sabe Hitler também teorizava sobre a “raça eleita”. Com os resultados que se viram

        Já agora um texto interessante sobre as origens do racismo em Israel
        http://www.globalresearch.ca/origins-of-israels-anti-arab-racism/5313322

        • Luis Almeida diz:

          É mesmo, caro DE. E a mim, a estúpida noção de “povo eleito” ou “povo escolhido” soa-me muito próxima da de “raça superir” ou “raça ariana” dos nazis…
          Os judeus ( israelitas oo não ) s~ºao, como todos nós, membros de uma espécie zoológica: o “homo sapiens”! O resto são tretas para justificar agressões com base no direito histórico e/oun divino.,..

      • Pimba diz:

        E que disse eu de ofensivo para ser censurado???

        • Eu não censurei nenhum comentário a post “Contra-ataque de Israel à Palestina”. Creio que apaguei um que estava repetido. O que se está a passar é que o sítio está muito lento. Eu passei a manhã a tentar aprovar um comentário e sem conseguir aceder ao sítio nem ao backoffice. Nem sei qual terá sido o comentário. Não encontro no registo de comentários qualquer comentário seu além deste.

  3. António Pedro Pereira diz:

    Ó Levy:
    Tanto trabalho, inteligência e tempo gastos para quê?
    Para um analfabeto ler?
    Impossível!
    Para este fundamentalista da Direita, de nome Jorge, fazer copy paste desta lista de um sítio qualquer ou pedir à amiga ideológica , a tontinha Helena Matos, que lha forneça ainda vá que não vá.
    Agora compreender o verdadeiro significado do que o Levy pôs no seu comentário é areia demais para a camioneta deste pobre Jorge.
    Moral da história: quem faz bem legitima-se para fazer de seguida todo o mal que é possível imaginar.

    P. S. Eu acho um piadão a estes fundamentalista de Direita, que são incapazes de criticar um pouquinho, nem que seja ao menos um pouquinho, os israelitas.
    Mas se mudarmos de cenário para Portugal, enaltecem o Nuno Álvares Pereira, o D. João IV e todos os que lutaram para que Portugal fosse independente.
    Nós temos esse direito, os palestinianos não.

    • Podia ter apagado o comentário, ou tê-la aceite mas com uma resposta. Preferi fazer o segundo. Foi tempo sim, mas gasto não com a ideia de persuadir o Jorge Espinhal, mas como um exercício para mim, que eventualmente seja útil para mais alguém.

Os comentários estão fechados.