Jornalistas despedidos do “El País”, “Público” (espanhol) e TVE constroem um novo órgão de comunicação social

Aqui

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Jornalistas despedidos do “El País”, “Público” (espanhol) e TVE constroem um novo órgão de comunicação social

  1. Rafael Ortega diz:

    Já não era sem tempo.

    Há anos que tudo o que é jornalista refila da forma como o meio está organizado, já era hora de fazerem um orgão de informação como eles acham que deveria ser.

    Vamos ver se será cheio de jornalismo de investigação ou copy paste da Lusa lá do sítio.

    • De diz:

      Jornalismo de investigação?
      Mas isso é apenas um dos componentes do jornalismo.Apenas um.
      A questão é muito mais funda e mais complexa.
      E abarca muito mais.Envolve por exemplo toda a informação que é filtrada pelo poder económico e financeiro e pelos seus órgãos de gestão,vulgo governos.
      É ver o que se passa no presente.É ver como se manipula o que se diz e o que se não diz.É ver o coro de pulhas a fazer-se passar por economistas que prepararam o caminho das inevitabilidades neoliberais,apesar das vozes contestatárias que nunca foram ouvidas.E que agora se babam pelo assalto às ditas funções sociais do estado.
      Difícil a vida deste novo órgão de comunicação?dificílima no contexto actual, em que as garras monopolistas abafam tudo e todos e em que a crise se faz sentir desta forma.
      Não é por nada que o Sr Mota diz o que diz, aí em baixo

      Mas a batalha da informação é decisiva.

      • Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

        Caro sr. De,

        Não é por nada, é por tudo que digo o que digo aí em baixo.

        Esse projecto morrerá rapidamente – digo eu – porque pouco venderá. E porque pouco venderá, não poderá pagar um salário suficiente aos seus colaboradores, que dessa forma acabarão por partir para outras paragens (saudosos concerteza de um projecto bem intencionado mas provavelmente idelologicamente enviesado, digo eu..).

        Saudações sr. De, apareça mais vezes.

        • De diz:

          Diz alguma coisa aí em baixo?
          Oh sr mota mas o que diz em baixo é apenas uma aposta de nada?Ou será apenas de tudo?
          Sr mota será que v. ainda não percebeu o que se disse ou está a fazer-se passar por alguém em menoridade mental?
          Um produto enviesado ideologicamente ?( oh sr mota isso é o quê?Um oportunista neoliberal a fazer-se passar por um objecto inorgâncio a ver se convence como projecto histriónico?)
          Sr Mota leia de novo, consulte os amigos e depois saiba porque disse o que disse.
          Eu vou repetir:Não é por nada que o Sr Mota diz o que diz..aí em cima ( só que agora ainda mais explicadinho…
          🙂

      • Rafael Ortega diz:

        Experimente levantar o som da televisão e ouve as vozes contestatárias. 😉
        Não há dia que ligue a TV e não esteja lá alguém do PCP ou do Bloco (no Frente-a-frente da SIC notícias vão lá muitos).

        O Tiago Mota Saraiva daqui do 5dias não me parece nada de direita e defensor deste governo e tem uma coluna num jornal, tal como muitos outros que estão contra este caminho.

        Tenho visto o Arménio Carlos muitas vezes na televisão nos últimos tempos, esse perigoso fã do Gaspar 😉

        Vai ser dificil a vida desse orgão de comunicação porque normalmente, quando as coisas são geridas não por pessoas que sabem, mas por pessoas que acham que as coisas devem ser assim ou assado, acaba mal.

        • De diz:

          Ortega:
          Se se quiser fazer de tontinho isso é um direito seu.
          Há quem ache que uma andorinha faz a primavera. Há até quem ache que outros são tão limitados que engolem as patranhas escritas sobre os joelhos
          Ortega não esperava um comentário tão primário como este.
          Como prova da pluralidade informativa escolhe o Tiago e o Arménio Carlos?
          Sabe (ou finge que não sabe?), por exemplo, da chusma de comentadores oficiais e oficiosos dos nossos meios de informação televisiva?Não quer que lhe desenrole a seita de presidentes ou de chefes de partidos de direita trauliteira neoliberal que são apaparicados com emissões em hora nobre, com coluna própria e do patrão, pois não?
          Nem com a chusma de “economistas” que nos trazem diariamente o caminho das inevitabilidades?
          Sabe não sabe?´É que é possível contabilizar os dados. A falta de rigor científico pode-se esperar de muitos por ignorância.Outros por desvelo ideológico.Este último parece ser o seu caso.

          Ah quando quiser leia “Propaganda e Opinião Pública do Noam Chomsky”.
          Pode ser que.

  2. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Nao dura nem 6 meses, vai uma aposta?

  3. antónimo diz:

    Mas já houve um órgão em portugal organizado por jornalistas. Era a Atlântico e embora só tivesse um trabalhador e dois leitores (o próprio trabalhador – que agora faz comissariado num pasquim de um grupo de pasquins da segunda circular – e a mãe) foi sustentado dois anos por um banco

Os comentários estão fechados.