Os Estivadores Fazem o Nosso País Avançar

 

Os estivadores vieram-nos recordar que não se pode parar o país porque não existe um país mas pelo menos 2. Se param o país da Cimpor, da Volkswagen, da Compal, da Galp, avança o país de quem vive do salário. Este último é o nosso país.

Ao pararem as exportações – o eucalipto, o peixe e o queijo, o cimento, o azeite, a energia, os carros da AutoEuropa – fazem avançar os direitos sociais de quem trabalha. Impedem a estratégia da troika de fazer de Portugal um país exportador sem consumo interno, uma China de baixos salários que exporta para manter a riqueza de, cito uma delicada senhora numa manifestação, uma «pandilha» de grupos sugadores do Estado, ou seja, dos nossos dinheiros públicos.

Os estivadores em greve impedem a subcontratação, ou seja, lutam pelos seus direitos e evitam destruir a vida dos outros. Se todas as categorias tivessem feito o mesmo hoje não havia trabalho precário em Portugal. Se parassem os que têm direitos não existiam precários. Sem precários os salários de quem tem direitos não tinham sido brutalmente cortados como o foram nos últimos 2 anos. Os médicos reconheceram-no e na mais bem-sucedida greve impuseram limites claros à subcontratação.

Os médicos compreenderam, como os estivadores, que a precariedade de quem vem será sempre a sua precariedade porque se houver alguém que vende a sua força de trabalho mais barata esse alguém vai ser uma pressão sob o preço da força de trabalho de quem tem direitos.

Dia 29 todos os que vivem do salário são chamados a juntar-se a uma das manifestações mais bonitas que o país vai viver, e que lança novos desafios a estudiosos do trabalho e novas esperanças aos militantes que lutam pela justiça social.

Os estivadores romperam o muro dos sindicatos ao se aproximarem pelo seu pé das manifestações dos trabalhadores sem direitos (precários, desempregados). Estes ultrapassaram a desconfiança com o movimento operário organizado e descobriram que um sindicato pode ser combativo e não ter as costas voltadas aos outros trabalhadores, que estão inactivos ou sem direitos. Sons de internacionalismo voltaram a tocar aqui no cantinho da Europa e ecoaram em todo o continente. Os estivadores vão receber a solidariedade internacional dos seus companheiros, numa manifestação com estivadores de toda a Europa; quando se colocou a hipótese dos militares substituírem os estivadores os sargentos recusaram-se a fazê-lo e os estivadores da Europa avisaram que não descarregam cargas carregadas por militares. Dia 29 em vários portos da Europa os estivadores vão parar 2 horas em homenagem aos estivadores portugueses.

E nós, quantas horas vamos dar à luta dos estivadores?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a Os Estivadores Fazem o Nosso País Avançar

  1. Luis Neves diz:

    Obrigada Raquel,
    Por furar esta frente mediática e noticiosa que está a denegrir a classe dos Estivadores , sem um pingo de vergonha, e nunca abordando a questão nas várias e diferentes prespectivas.
    Não sei se os Estivadores estão a agir da melhor forma ; mas as suas exigências e as suas dúvidas e as suas razões têm que ser escutadas e serem negociadas.
    E não é admissivel a Comunicação Social estar sempre a demonizar um grupo Profissional e a fazer favores aos Patrões e Operadores privados Portuários.

  2. Estivador diz:

    Sou estivador e quem escreveu este artigo está a leste das reais intenções desta classe peculiar de trabalhadores.

  3. vitormonteiro diz:

    nao podemos perder esta guerra força estivadores

  4. jose santana henriques diz:

    É preciso defender os direitos laborais por todo o lado. Hoje será preciso defender os estivadores: por eles e por nós!

  5. Helena diz:

    Li o artigo da Historiadora Raquel Varela e o seu livro, e por tudo lhe envio os parabéns e peço que não desista de mostrar às pessoas que estão a ser vitimas da intoxicação da comunicação social, do fatalismo que esta apregoa a toda a hora, que elas estão erradas e desliguem os aparelhos da Tv. Mas também quero felicitar a GRANDE CORAGEM E A GRANDE LIÇÃO QUE OS ESTIVADORES ESTÃO A DAR, ÀQUELES QUE NUNCA DERAM O SEU CONTRIBUTO PARA UMA MELHORIA DAS CLASSES TRABALHADORAS. FELICITO OS ESTIVADORES DO FUNDO DO MEU CORAÇÃO. OS MEUS AGRADECIMENTOS AOS QUE COM TANTA BRAVURA ESTÃO A DEFENDER AS CLASSES QUE ESTÃO A SER ROUBADAS.

  6. Sta. Guida diz:

    Possível/provável passeio de viaturas 8×8 a Lisboa no primeiro de Dezembro para acordar Portugal.
    Aconselha-se os cidadãos a abastecerem a despensa no dia anterior.

  7. Zegna diz:

    Os estivadores lutam pelo seu posto de trabalho e pelos futuros postos de trabalho com direitos e dignidade.
    A luta dos estivadores vai principalmente contra os grupo de “boys” do governo que quer la entrar e inverter toda a situaçao que se vive hoje nos portos principalmente no de Lisboa e Setubal. Estes boys pretendem comprar por assim dizer os portos para seu regalo e depois contratar mao-de-obra precaria a preços de banana nas empresas suas de trabalho temporario e a recibo verde, facilmente assim se acabaria com os estivadores e com a sua dignidade e em lucro astronomico para estes operadores . Porque nao vao estes “boys” comprar a REFER, CP E TAP ? ah……pois nao da lucro…..
    As tretas que a comunicaçao social fala que os estivadores estam a colocar as exportaçoes em causa e puro engano . Força , VIVA A ESTIVA. VIVA A LUTA !

  8. zegna diz:

    Os estivadores lutam e lutam muito bem pelos seus direitos , regalias e contra contra os “boys” do governo que querem tomar conta dos portos nomeadamente de Lisboa e Setubal. Querem colocar la mao-de-obra barata contratada nas suas empresas de trabalho temporario e a recibos verdes . Querem tirar os direitos e regalias dos estivadores. Porque nao vao estes “boys” comprar a CP , REFER e TAP! ah……pois nao da lucro… , querem operar nos portos e saquear o resto que falta ……..
    As tretas que a comuniçao social fala acerca dos estivadores nao corresponde a realidade , ficçao e nada mais.
    VIVA os ESTIVADORES! , VIVA a LUTA!

  9. Mizé Isidro Aragonez diz:

    Parabéns, Raquel, por este texto!
    Parabéns aos Estivadores portugueses em luta!
    Hoje irei à Pç. do Município, em total solidariedade convosco e com todos os precários e desempregados deste país, a quem também dais voz.
    VIVA A LUTA PELO DIREITO AO TRABALHO COM DIGNIDADE!

  10. Pingback: Aqui está o caso de “sucesso” no porto de Leixões | Sentidos Distintos

  11. jose santana henriques diz:

    Olá,
    Existe um problema para o qual devemos estar atentos: as troikas – as medidas que este governo e os outros da União Europeia, aplica são ditadas pela UE/Banco Central Europeu/ Comissão Europeia. E quem a comanda, por detrás, estão as instituições internacionais do costume (FMI, BM, OCDE…) ao serviço da finança, trusts, etc. E digo isto porque a lei que o governo quer impor aos estivadores em Portugal, é uma directiva da UE para todos os portos europeus, cujo começo será (seria) em Portugal. Daí os estivadores portugueses terem o apoio dos outros estivadores europeus. A manifestação foi internacionalista por esse motivo. Será bom não esquecer o colete-de-forças onde estão metidos os trabalhadores portugueses, mas também os trabalhadores europeus submetidos às mesmas políticas – retirada dos direitos sociais, embaratecer os custos com o trabalho. O apoio aos estivadores tem esta dimensão – luta pela defesa dos direitos, contra este governo ao serviço da UE e de quem a comanda.

  12. JgMenos diz:

    Um cartel de trabalhadores não tem menos de oligopolio do que um cartel de empresas; só que os seus titulares aparentam cumprir um imaginário que na realidade está completamente ausente.

Os comentários estão fechados.