O meu amigo Jaime

Recebi há pouco a brutal notícia de que o meu amigo Jaime Zucula morreu num acidente de viação.

Noivo no meu livro sobre o “Lobolo em Maputo”, conheci-o como extrovertido operário da Mozal e depressa nos tornámos amigos daqueles bem próximos, de boas e más horas.

Neto do último régulo do Xipamanine, mandado como operário de ferrovias para a ex-RDA, foi desenrascando a vida como podia ao longo de muito tempo, até conseguir um trabalho estável e razoavelmente bem pago nos últimos anos.

Uma vida cheia, cuja narrativa há muito adiada não poderei, agora, deixar de apressar.
Mas também absurdamente curta, e obscenamente terminada quando, por fim, conseguia ir a pouco e pouco construindo com orgulho a sua casa na Machava-Socimol, dar melhores condições de vida à família.

Este tem sido um ano terrível, cheio de morte e perda.
Hoje, de novo, sinto vontade de não ser ateu, para poder ter um deus com quem reclamar.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

3 Responses to O meu amigo Jaime

Os comentários estão fechados.