Crise, precariedade e outras violências

 

«Os recentes fenómenos de violência pública ocorridos em diversos países surgem associados a violenta precariedade, rutura do contrato social e desigualdade, acompanhadas pela fragilidade negocial de instituições mediadoras e pela descrença em alternativas de protesto eficazes.

A presença destes fatores, clara e crescente em Portugal, não conduz inevitavelmente à violência pública de cariz político; mas quer o seu reforço, quer a interação com outros fatores (como as práticas de repressão), propiciam fortemente esse resultado.

As atuais políticas públicas criam um barril de pólvora.»

 O hiper-resumo em 500 caracteres da comunicação que irei apresentar, dia 27 às 14 horas, na conferência Portugal em Mudança – Diversidades, Assimetrias, Contrastes, organizada pelo ICS no Auditório 2 da Fundação Gulbenkian.

Os restantes resumos das comunicações estão disponíveis aqui.

As fotos em cabeçalho são de Nuno Botelho e Tiago Miranda.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

3 respostas a Crise, precariedade e outras violências

  1. Geraldo Ribeiro diz:

    Desde que mudaram o feed rss que não consigo ler nada!!! Ponham como estava, por favor.

  2. JgMenos diz:

    Vou ler atentamente para se ver se algum dos ilustres conferencistas aborda a questão de saber: em que medida é que ‘as violentas políticas públicas’ comparam com a tradicional e muito vista desvalorização da moeda!

    • paulogranjo diz:

      Veja, apareça e discuta.

      Note que o título é “Crise, precariedade E OUTRAS violências”. Embora em 500 caracteres fique quase tudo por dizer, espero que fique evidente que a precariedade, o desemprego, o esvaziamento do estado social e as desigualdades constituem violências (que, em algumas circunstâncias, podem suscitar violência física.

Os comentários estão fechados.