A coragem da dignidade contra a cobardia do despejo

“Desde ontem que estou a dormir na rua. As minhas coisas estão na Câmara. Sou uma trabalhadora. Respeito o Estado e o Estado não me respeitou a mim. Um animal está em melhores condições que eu (chora). Sou uma trabalhadora. Desconto para o Estado.» Uma mãe de 3 crianças: «A Segurança Social perguntou se o meu filho tinha fome mas eu recusei comida. Eu não quero comida, eu quegro uma casa para morar. Para o comer, eu trabalho”

No JN, (galeria de fotos no Ephemera) e mais informações sobre o despejo do Bairro de Santa Filomena no jornal A Folha e a na Plataforma Gueto.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.