Israel e cúmplices que não rompem relações: Profissionais da Barbárie

Entrevista com o historiador israelita ILAN PAPPE, onde fala sobre como o sionismo, de forma planeada, executou e continua a executar a limpeza étnica da Palestina: ocupação e roubo da terra e expulsão dos palestinianos. A perseguição que sofreu na Universidade. O mito da democracia israelita. As perspectivas para o futuro.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Israel e cúmplices que não rompem relações: Profissionais da Barbárie

  1. LGF Lizard diz:

    Os bárbaros são os que lançam rockets sobre Israel. Ah, e os que apoiam os bárbaros.

  2. Geraldo Ribeiro diz:

    O que é que se passa no 5 dias?? Porque é que mudaram o feed RSS? Agora temos que vir ao site ler o resto?

  3. Argala diz:

    Raquel,

    Inteligência israelita a funcionar. Excelente leitura táctica e militar de Israel e dos EUA.
    Agora. Com a base do Hamas fora de Damasco, com os canais de fornecimento de armamento bloqueados, com a Síria ocupada e sem capacidade de os reconstruir, com as chefias da FPLP-CG perseguidas pelas hordas de salafistas, com o Hamas submetido à política externa do Qatar, com a Irmandade Muçulmana no Egipto institucionalizada e a não poder fazer porra nenhuma.. Agora sim, depois de preparado o terreno, eles atacam.
    Louve-se a coragem política de Nasrallah, que no seu discurso de ontem, tentou remover todos estes espinhos e procurou unificar a frente anti-sionistas. Mesmo que isso signifique esquecer a traição da liderança do Hamas.

    Os rockets fajr-5 que estão a ser usados pela resistência não valem um caralho. Não têm precisão nenhuma e só têm um alcance de 70 km. A resistência precisa que melhor armamento sírio e iraniano chegue a Gaza – isso só com a autorização egípcia – esperem sentados…

    • Niet diz:

      Belissimo comentário de Argala. A que só falta acrescentar um pormenor- nada dispiciendo:a preparação/ manipulação eleitoralista(Legislativas em Janeiro) inicia-se e confunde-se em paralelo com a ofensiva de ataque e retaliação de Israel contra o Hamas. Bibi e Barak jogam o seu futuro e servem-se do Exército para ajustar contas. Salut! Niet

  4. Argala diz:

    Parece que algum armamento anti-aéreo está a funcionar. O Hamas capturou dois pilotos israelitas e conseguiu abater um drone. Parece também que o sistema Iron Dome israelita não está a funcionar bem. Está a deixar passar muitos rockets, um deles caiu em Tel Aviv e os que caem nos territórios ocupados já provocaram quatro mortos.

  5. JgMenos diz:

    Merece toda a atenção!
    Enfim, o meu louvor por um post!

  6. Manuel diz:

    A assunção de uma postura ideológica, seja ela qual for, com facciosismo equiparável ao fervor clubístico dum ferrenho adepto de futebol, nunca pode levar a um discurso esclarecido, nem a análises judiciosas…

  7. Carlos Carapeto diz:

    Esperem mais uns dias, porque ainda não se conhecem bem os contornos desta situação. O imperialismo e seus aliados têm outros objetivos em mente.

    Talvez um ataque de grande envergadura contra a Síria, eles estão a perder terreno, as perdas dos chamados rebeldes (em homens e armamento) estão a torna-se insustentáveis.

    Os ditos misseis Iranianos é uma falácia, mais um pretexto para Israel assassinar indiscriminadamente civis. Se em Gaza não entra um saco de cimento sem autorização de Israel, como podem entrar misseis?

    Os Kassam são artefatos artesanais, feitos a partir de tubos de rega e fertilizantes para agricultura.

    O que está ali a acontecer é o extreminio de um povo com o consentimento da comunidade internacional.

    O ministro dos negócios estrangeiros de Israel (Lieberman) um judeu nascido na Moldávia, é um nazi de corpo inteiro, ao defender que também chegou a vez dos Palestinianos viverem 2000 anos na diaspora. Ninguém o repreende.

Os comentários estão fechados.