Miguel Macedo – “Incidentes que se ficaram a dever ao comportamento de meia-dúzia de profissionais da desordem e da provocação, que devem ser travados.”

“Profissionais da desordem e da provocação?”

Miguel Macedo engasgou-se face à coragem da jornalista da Antena 1, justificou e elogiou uma carga policial indiscriminada com recurso a detenções arbitrárias, que continuaram mesmo ao longo da noite e longe do palco dos acontecimentos.  Diz que tudo aconteceu por causa de “meia-dúzia de profissionais da desordem e da provocação”, mas esse diagnóstico não é coerente nem com uma carga indiscriminada sobre milhares de pessoas, nem com acções policiais como a que ocorreu no Cais do Sodré (ver vídeo), nem com a recusa de advogados aos detidos.

 

O Ministro da Administração Interna há muito que devia ter abandonado o seu posto, sobretudo porque as garantias que dá não convencem ninguém pelo menos desde que foi desmascarado pelo movimento já na greve geral do ano passado, mas a contradição entre o diagnóstico que faz e a realidade dos factos colocam-o novamente na berlinda. “A história que escolheram para justificar “a maior carga policial desde o início dos anos 1990″, tal como está a ser contada, não convencer ninguém.

Imagem captada pelo Tugaleaks e informações recolhidas na página do MSE.

Vídeos sobre os factos:

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

29 Responses to Miguel Macedo – “Incidentes que se ficaram a dever ao comportamento de meia-dúzia de profissionais da desordem e da provocação, que devem ser travados.”

  1. Rascunho diz:

    a meia-dúzia a que esse cão se refere tem que ver com a seita onde ele mama –
    mas aqui chupa:
    http://www.rascunho.org/2012/11/15/codigo-de-rua-pacto-de-sangue/

  2. Logicamente que condeno as pessoas que procuraram agredir a polícia com as pedras que arrancaram do pavimento, mas não considero isso um fenómeno de “guerrilha urbana” ou uma coisa extremamente inusitada. Afinal, em França, acontece em qualquer manifestaçãozeca – Sous les pavés, la plage, é o que dizem por lá.

    Agora, a polícia tem, por obrigação profissional, o dever de saber actuar neste tipo de…situações e não o soube fazer.

    Em primeiro lugar decidiu, abusivamente, filmar os manifestantes, o que, desde logo, foi o que provocou, inicialmente, a ira dos manifestantes. Até aí, a quantidade de pedras arremessadas tinha sido diminuta.

    Quando alertados para a ilegalidade, por mim e outros cidadãos, optou por nos mandar calar, insultando-nos, posteriormente – “estejam calados paneleiros, filhos da puta”, contribuindo para a exaltação dos ânimos.

    Depois, abusou, claramente, da violência física. Não avisou, de forma cabal e, sobretudo, audível, que iriia carregar sobre a populção, causando o pânico e permitindo que os “tumultos” se espalhassem até ao Cais do Sodré e causassem inúmeros prejuízos materiais na cidade.

    Finalmente, atacou, irracionalmente, manifestantes pacíficos, incluindo idosos e crianças, que se encostaram, de mãos no ar, encostados à parede, procurando, somente, evitar misturarem-se com aqueles que continuavam a atacar as autoridades policiais.

    A isto tudo tive de assistir, num Estado de Direito Democrático, em que a polícia deve servir, principalmente, para proteger os cidadãos portugueses. Não está, apesar de todas as provocações, certo! Não é admissível.

  3. Nightwish diz:

    A meia dúzia rapidamente se multiplicou por 20 nas apreensões…

  4. ANTO diz:

    A Margarida vai a Lisboa. Afinal os Pandur vão servir para alguma coisa. Que dêem bom uso aos 105mm.

  5. Pingback: Lições de Setembro,Outubro e Novembro | Sentidos Distintos

  6. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Mais uma vez ficou claro que só há duas maneiras de sair deste lamaçal:

    1. Sai um milhão de pessoas à rua, e não há força policial que a domine ou intimide.
    2. Recorre-se a técnicas de luta de rua mais adequadas à existência de uma força repressiva sem escrúpulos, e isso exige conhecimentos.

    O governo perdeu qualquer legitimidade que ainda se pensasse que pudesse ter, e tem de ser varrido da cena. Para isso é preciso uma grande unidade e uma grande força de vontade. Temos de sair todos à rua, ninguém pode ficar em casa à espera que os outros lhes tirem as castanhas do lume. O dia 27 parece-me um bom dia para tentar de novo. E lembrem-se: com um milhão de manifestantes, a polícia desaparece.

  7. eu diz:

    Não é por acaso porque os aumentaram de 13.6%!!!!Pq é q estes Funcionários Públicos teem tratamento preferencial em relação aos outros???Não é discriminação???Pelo não aumento dos cães de fila!!!!!

  8. Pedro Moutinho diz:

    A polícia devia ter sido ainda mais violenta, que com essa gente não pode haver perdão.
    Como dizia a minha avó: “só se perdem as que foram pelo ar!”…

    • Renato Teixeira diz:

      Tanta sede que ai anda na calada…

      • Jorge diz:

        Sr. (será) Renato Teixeira (ou melhor Rebate da Peixeira), será que você não consegue admitir que num estado livre, de direito e democrático, existam pessoas que não se revejam na vossa maneira de vêr as coisas? Ou será que o que vocês têm perdido nas urnas querem ganhar pela guerra?

  9. JgMenos diz:

    A população portuguesa viveu ontem momentos de GRANDE ANSIEDADE!
    As pessoas perguntavam-se e entre si questionavam-se e faziam prognósticos: quanto tempo mais vai a polícia aturar aquela dúzia e meia de incivilizada canalha e aquele magote de mirones a fazerem figura de parvos?

  10. maria povo diz:

    VERGONHA!!!
    O QUE SE PASSOU VIOLOU OS DIREITOS HUMANOS!!!!!!!
    pessoas detidas sem direito a advogado???????
    pessoas feridas detidas e sem tratamento médico!!!!!!!
    VERGONHA!!!!
    estive lá!!!!! não atirei pedras!!! não percebi nada do que o policia de megafone disse!!! cheguei a pensar que era um manifestante infiltrado……
    VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA!!!!
    é o que digo!!!

  11. Jorge diz:

    Foram pena as que cairam no chã. Quem é que vai pagar os estragos de ontem? são vocês? São vocês que incitam à violência.Cuidado pois o feitiço vira-se sempre contra o feiticeiro.

  12. Pedro Marques diz:

    Não tinhas uma publicação em que tinhas o vídeo do Miguel Macedo na antena 1?

    • Renato Teixeira diz:

      Tinha, mas o vídeo da sic também tem a pergunta da jornalista da Antena 1 e tem melhor qualidade.

      • Pedro Marques diz:

        Obrigado, felizmente já encontrei no perfil da Raquel Freire. Coitado o homem engasgou-se mesmo. Como já provas-te noutras alturas, nesta também é simples de comprovar que quem atirou pedras eram bófias à paisana, basta apreciar as declarações do Macedo e Calado Silva.

  13. Pingback: As bestas « O Insurgente

  14. Onório diz:

    Parece que esses radicais não se dão conta que cada pedra que atiram à polícia, cada caixote do lixo que põem a arder, cada montra que partem, e cada carro que vandalizam é um apoio da opinião pública que se perde, e um cidadão que se desmarca da luta. Se uma pessoa é forçada a escolher entre um governo mau com um estado de direito e uma oposição criminosa e animalesca, o estado de direito ganha sempre.

  15. Mats diz:

    35 anos de indoutrinação esquerdista (feita por todos os partidos portugueses) dá nisso.

    Pobres coitados querem mandar abaixo o governo colocando no seu lugar . . quem? Ora, outro governo com filosofia mais de acordo com a filosofia que nos meteu no buraco social, financeiro, ideológico e moral que nos encontramos

  16. Pingback: A palavra ao movimento | cinco dias

  17. Pingback: Greve, polícias e falsos radicais « Fala Ferreira

Os comentários estão fechados.