A classe média não existe

Como resposta à concepção marxista de luta de classes e à divisão entre exploradores e explorados, o capitalismo inventou, entre outras coisas, aquilo que se entendeu chamar classe média. A sensação generalizada de que poderia existir um “elevador social” para as classes mais desfavorecidas – expressão que Paulo Portas tantas vezes utilizou durante o período eleitoral – e que o seu accionamento dependeria exclusivamente da acção individual de cada um, foi a base da relativa paz social que se viveu na segunda metade do século xx.
Foi assim que em Portugal, qualquer cidadão que terminasse o ensino superior, que fosse empresário ou proprietário da sua casa (ainda que hipotecada), viveu na ilusão de pertencer a uma classe média, moderadamente protegida do frio, da fome e da doença.
A recomposição social que o país atravessa prova que a classe média é uma ilusão.
Se é verdade que a acção sobre as classes mais desfavorecidas é cada vez mais violenta, trocando-se comida por bom comportamento a partir de um sistema de liberdade condicional que pune todos os que têm de requerer o subsídio de desemprego, o rendimento mínimo ou um tecto – numa concepção apoiada por instituições ditas sociais e em que, tal como na Grécia, pontificam esteios de extrema--direita como Isabel Jonet – a previsão da Rede Europeia Antipobreza que o Orçamento do Estado para 2013 vai deixar Portugal com mais de 3 milhões de pobres (30% da população) indica que a fome e a miséria se estão a generalizar.
Como o multimilionário Warren E. Buffett declarou em entrevista ao “The New York Times”: “É claro que a luta de classes existe! E é a minha classe que está a fazer a guerra e a vencê-la.” Responder não é uma escolha, é uma necessidade.

Publicado ontem no i

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

Uma resposta a A classe média não existe

  1. De diz:

    Um excelente texto!

Os comentários estão fechados.