Resposta e Contas do MSE – “Estivadores ganham quanto? Ângelo Correia aprende a fazer contas!”

Depois de se ter percebido quem quer tramar os Estivadores e por quem mente Ângelo Correia, o Movimento Sem Emprego fez a papa ao ex-ministro e ao antigo Presidente da Associação dos Operadores Portuários:

Ângelo Correia (AC) difundiu o seguinte boato: os trabalhadores portuários ganhariam em média entre 2.400 e 2.600 euros por mês. E estariam em greve pelo direito a fazer as 2 mil horas extras a que têm direito de acordo com o contrato, contra a proposta do governo benemérito de fazer apenas 250 horas e estar mais tempo com a família e aumentar a segurança no trabalho. É a primeira vez que vimos este Governo preocupada com “estar mais tempo com a família e segurança no trabalho”!

Onde é que AC aprendeu a fazer contas? Teve equivalência a quantas cadeiras e em que universidade?

A jornada destes trabalhadores é de 40 horas semanais. Vamos supor que eles trabalhem 7 dias por semana, ou seja, 5,7 horas por dia. Se descontarmos os 22 dias de férias, fazer 2000 horas extra é o mesmo que trabalhar 5,8 horas nos restantes 365-22=343 dias do ano. Ou seja, estes trabalhadores fariam 11,3 horas todos os 343 dias do ano. Como é natural, estes trabalhadores têm dias de descanso mas, se levarmos AC a sério, isso só significa que para cada dia que eles não trabalhassem, a jornada do dia de trabalho seria ainda maior. Se considerarmos outro caso: eles trabalhariam 5 dias por semana, o seu dia de trabalho seria agora de 16,5 horas diárias. Lembremos que o dia tem 24 horas e as pessoas normais costumam usar 7 a 8 delas para dormir.  Claro que isso dependeria das jornadas contratuais dos trabalhadores, mas AC «esqueceu-se» de nos esclarecer este pormenor. Ainda assim, olhando por qualquer ângulo, a conclusão é uma só:  a pouca vida (no sentido fisiológico do termo) que os trabalhadores teriam seria um autêntico inferno. De resto, 5 mil euros brutos ou cerca de metade disso líquido, não seria tanto assim caso fosse esta a real jornada de trabalho.

Toda esta confusão de boatos relacionado com as jornadas dos estivadores não pode esconder um facto simples: os estivadores estão em greve precisamente a essas horas extras que AC afirma que eles querem trabalhar. Tivessem os jornalistas reparado nesse «detalhe», concluiriam que Ângelo Correia mente com todos os dentes. Se se tivessem dado ao trabalho de lerem as reivindicações dos estivadores em greve, teriam percebido que a luta tem como exigência a contratação de mais efectivos. Trabalho com dignidade, sim; precariedade, não. O Governo quer usar mão-de-obra precária, sem contractos de trabalho, mais barata e descartável. É contra isto que os estivadores fazem greve. Foi precisamente esse elemento que o MSE reconheceu nessa luta para assumi-la também como sua.

O boato de AC não diz nada de verdadeiro sobre os estivadores, mas diz muito sobre o mensageiro do boato. AC assume logo no início ser um conhecedor dos portos porque teria sido Presidente da ANEE – Associação Nacional das Empresas Operadoras Portuárias. Ele foi e continua a ser um patrão com interesses bem presentes na matéria.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

25 Responses to Resposta e Contas do MSE – “Estivadores ganham quanto? Ângelo Correia aprende a fazer contas!”

  1. Pingback: ANTÓNIO MARIANO ARRASA ÂNGELO CORREIA – Os Estivadores, os Ministros, a Greve Geral e a Manifestação com os Movimentos Sociais e a CGTP. | cinco dias

Os comentários estão fechados.