“A única maneira de desbloquear um sistema político democrático é através de eleições”

Freitas do Amaral dixit.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to “A única maneira de desbloquear um sistema político democrático é através de eleições”

  1. Rocha diz:

    É verdade, para um sistema democrático burguês. É verdade para os interesses da burguesia.

    Mas a única maneira de desbloquear um regime para o povo é a Greve Geral indefinida ou a revolução armada.

  2. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Eu também acho. E parece-me estranho que confiemos no povo para vir para a rua protestar e manifestar-se, mas não confiemos nele para votar. Será que o acto de fazer uma cruzinha num boletim de voto e metê-lo numa caixa torna estúpido um povo inteligente? Saberemos o que queremos numa manifestação, mas não sabemos o que queremos quando votamos? Ninguém acha isto estranho? Ou estamo a dizer que não acreditamos na democracia porque só as minorias são inteligentes e sabem o que querem, e as minorias não ganham eleições?…

    • Renato Teixeira diz:

      E a alternativa seria?

      • Nuno Cardoso da Silva diz:

        Convencer os portugueses que estão indignados e se manifestam na rua, que há alternativas e que há formações políticas capazes e dispostas a defender essas alternativas, mas que precisam de um mandato do povo para as poder aplicar. Se o povo acreditar – e aqui está o busilis – votará nas primeiras eleições nessas formações, criando condições para a mudança.

        O problema está em que alguns movimentos políticos acham que o povo não é suficientemente inteligente para se dar conta da viabilidade dessas alternativas, preferindo – porque é burro e facilmente enganado – dar o seu voto a quem sistematicamente o agride. E, perante essa triste realidade, só resta salvar o povo mesmo contra a sua vontade, impondo-lhe soluções que ele ainda não manifestou querer aceitar. Mesmo admitindo que essas soluções eram boas, fica a questão de saber se seria legítimo impô-las à força.

        Admitindo que o controlo da comunicação social pelos agentes do actual poder económico e político ajuda a confundir os cidadãos, não deixo de acreditar na capacidade desses cidadãos fazerem uma boa escolha se tivermos o cuidado de a apresentar de uma forma clara. Mas temos de ter uma solução que seja política e psicologicamente aceitável para os cidadãos, e o que eu vejo é o recurso a enormidades de índole ideológica que o povo, por muito burro e ignorante que seja, se recusa – e bem – a engolir. Por muito frustrante que isso seja para os iluminados, o povo não acredita nas tretas que lhe querem impingir. Em vez de pensar em mudar, nem que seja à força, a opinião do povo, talvez fosse melhor mudar as propostas que lhe fazemos, para resolver essa incompatibilidade. E eu não tenho a menor dúvida de que é possível delinear uma proposta alternativa que seja eficaz na mudança do sistema e na correcção das suas patologias, e que seja ao mesmo tempo aceitável para a maioria do povo. Mas para isso temos de nos agarrar mais aos princípios e menos aos delírios ideológicos. O que alguns se recusam a fazer, preferindo continuar a chamar burro ao povo.

    • Carlos Carapeto diz:

      Se a sua democracia apenas de restringe ao acto de votar, então faça um favor ao povo Português. Vá para o Haiti ou para o Bangladesh que também têm liberdade de voto. Talvez se sinta ainda melhor no Afeganistão.

      Não sabe distinguir o voto consciente, de usar a mentira servindo-se da ignorância das pessoas para conquistá-lo?

      • Nuno Cardoso da Silva diz:

        Pois. Como o povo é ignorante, a democracia fica reservada para os iluminados. Os quais, no desempenho da sua função vanguardista, salvarão o povo mesmo contra a sua vontade. Estamos conversados.

  3. vitormonteiro diz:

    a unica soluçao é revoluçao socialista

Os comentários estão fechados.