Solidariedade com os Estivadores 14 de Novembro, Cais do Sodré, 13 horas

E se trabalharem 30 horas 7 dias por semana e ganharem 3000 euros líquidos, ou menos, ganham evidentemente muito mal.

Nota: o cartaz foi mudado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 Responses to Solidariedade com os Estivadores 14 de Novembro, Cais do Sodré, 13 horas

  1. ana diz:

    não percebo a mensagem. como é que se fazem turnos de 30 horas (ou 36 horas) 7 dias por semana se cada dia só tem 24 horas?

    • Zebedeu Flautista diz:

      Trabalham de noite também dahh!! 😉

    • Carlos Carapeto diz:

      Aninhas!

      Se tivesse que gramar 36 horas seguidinhas (com pequenos intervalos para as refeições) a alancar dentro de uma camara de frio com temperaturas sempre abaixo de zero graus de certeza que não fazia perguntas desnecessarias.

      Assim aos que já passaram por essas agruras no trabalho só lhe resta ter muita paciência para aguentar as inconveniências das Anas e a dureza dos anos.

      • ana diz:

        carlinhos!

        a minha pergunta é legítima e não vim aqui ofender ninguém, não mereço o tom da sua resposta.

        acho o poster enganador e não percebo como fizeram as contas para chegar àquela mensagem. gostaria muito que me esclarecessem, e não sou a única a julgar pelos comentários que se seguiram ao meu. não me parece que isso desmereça os estivadores nem o seu trabalho, muito pelo contrário.

        • Carlos Carapeto diz:

          Ana! Desta vez sem sarcasmo.

          Acredite que há muitos trabalhadores que cumprem jornadas de trabalho muito prolongadas.

          Obviamente que há os que são quase forçados a isso e há os outros que o fazem simplesmente com o objetivo monetário. É sobre os primeiros que estamos a discutir.

          Quanto ao resto partilho totalmente das suas dúvidas. É impossivel alguém trabalhar mais que 24 horas num dia.

  2. Trim diz:

    Porque é que um cartaz de um Movimento Sem Emprego tem esta imagem?

  3. Rocha diz:

    Eu também acho confuso. Gostaria de perceber como é que estes horários acontecem.

    E os estivadores que estão em situações mais precárias e a contrato também ganham estes valores?

    Acho que era bom que ao menos se conhecesse bem a realidade daqueles trabalhadores que tão efusivamente se quer defender.

  4. Mário diz:

    E ninguém responde à Ana ?

    também estou curioso …

  5. Bruno Carvalho diz:

    Acho muito bem que se façam acções de solidariedade com a luta dos estivadores e que se intensifique a luta nos portos portugueses. Mas não é de todo justo que se queira aproveitar o dia da greve geral para fazer uma concentração de apoio seja a que sector for. É uma greve de todos e para todos. A prioridade é fazer parar o país. É mais uma tentativa de oportunismo do MSE de se colar à luta dos estivadores para ganhar protagonismo o que me parece lamentável. Os estivadores não precisam e não devem andar a reboque das acções divisionistas e oportunistas do MSE. Façamos uma concentração de solidariedade com os estivadores em qualquer outro dia!

  6. Patricia Rosa diz:

    Porque fazem turnos e paralelos. Ou seja tem turnos das 8hoo as 17h00, das 17h as 24h00 e depois das 00h00 ás 8h00. Se fizerem os turnos todos seguidos perfaz essas horas que eles falam. Trabalham de sol a sol para trazerem para casa uma miseria de ordenado… e sei o que digo porque sou casada com um.

    • alfitete diz:

      8hoo as 17h00, das 17h as 24h00 e depois das 00h00 ás 8h00 são 24h00 e não 30 (muito menos 36). Com todo o respeito pelo trabalho dos estivadores (e pelos próprios, obviamente), não é com retórica desta que se faz a luta. Esclareçam lá isso melhor.

    • Rocha diz:

      Se bem entendi trata-se de fazer 4 ou 5 turnos de 8 horas seguidos (4 e meio?) e assim se chega às 36 horas, ou mais ou menos isso. Será isso?

      Agora o que é um pouco surreal são as 36 horas serem feitas em 7 dias por semana como está no cartaz, ou mesmo nas 30 horas referidas no texto que acompanha o cartaz. Fica-se sem perceber nada do que são os horários e as pausas e folgas devido a essa referência dos 7 dias, que aparentemente nada explica e só aumenta a confusão.

      Eu já trabalhei sete dias por semana, em horários que chegavam a superar as 10 horas e sentia-me de tal forma humilhado e escravizado por aquela imposição (feita sob a chantagem do costume: se não aceitas és despedido) que tinha vontade de rebentar com aquele escritório à bomba.

      Mas não serei só eu concerteza entre os que aqui comentam e entre os que se manifestam na rua contra as Troikas. Há de certeza aqui muita gente que sabe o que são horários brutais.

      Tudo razões para que se fale claro sobre o assunto em concreto e se evite a confusão espalhafatosa. Este é um assunto demasiado sério.

  7. Luis Eme diz:

    o cartaz é altamente demagógico e confuso.

    nem sei até que ponto ajuda a luta dos estivadores.

  8. ana diz:

    afinal, aparece tudo um bocadinho mais explicado e justificado aqui: 5dias.net/2012/11/06/quem-quer-tramar-os-estivadores-por-quem-mente-angelo-correia

  9. V Cabral diz:

    Nem os ministros do PS/PSD/CDS, trabalham tantas horas, embora ganhem como tal… coitaditos!
    Mas se lutam para melhorar a sua situação, têm o meu apoio. Quem luta merece, sobretudo se do outro lado estão filhos da pu + x + y, né ?!

Os comentários estão fechados.