Estivadores lutam contra a Troika e defendem o Estado Social

O debate sobre a greve dos estivadores tem sido escasso. Mas um dos raros locais onde é feito, de forma polémica, é neste blog, o único lugar em toda a esquerda portuguesa onde partidos e tendências de todo o espectro da esquerda realmente debatem. Aqui, e em mais lugar nenhum, posições distintas, são confrontadas. O Tiago Mota Saraiva escreveu um post que creio suscita ainda mais debate: para prestar homenagem a Francisco Louçã, no mesmo, post, acusa os estivadores de serem «endeusados» e terem nas suas hostes «importantes núcleos de extrema-direita». Eu tenho uma opinião um pouco distinta que aqui partilho para que o debate contínue:

A acusação grave de que os estivadores têm nas suas hostes «importantes núcleos de extrema-direita» é tão séria que devia, creio, ser sustentada com factos: quem são esses núcleos importantes, quantos são, a que organização estão ligados, o que dizem os dirigentes sindicais dos estivadores desses núcleos «importantes» de extrema-direita? O que diz a CGTP sobre a greve que apoia, que tem «núcleos de extrema-direita»?

Não menos importante. Que atitudes de extrema direita tiveram os estivadores: racismo, perseguição a dirigentes sindicais ou do movimento operário, xenofobia, insultos a imigrantes? Tudo parece ter começado porque alguns estivadores levantaram o braço, algo que já vi algumas centenas de vezes nas manifestações dos últimos anos.  Na tradição marxista o que os trabalhadores são objectivamente é mais importante do que o que fazem, se não teríamos que associar à direita todos os milhares de trabalhadores deste país que cantam o hino nacional (uma música dedicada à concórdia entre as classes).

Os estivadores não são endeusados, são vilipendiados pelos media liberais, com mentiras descaradas, 24 horas por dia, por a sua greve fugir ao controle dos patrões, e das centrais sindicais, mesmo daquela que formalmente os apoia, a CGTP. Porque a CGTP tem uma atitude ambígua face à greve, apoia-a mas não parece apoiar os métodos, daí o «deslize» de Arménio Carlos sobre a polícia.

A experiência e a consciência de classe não são a mesma coisa: um trabalhador pode estar a lutar e a  bloquear a produção, e estando assim objectivamente contra a propriedade privada, mas subjectivamente estar a defender a democracia representativa e o interesse nacional, entre outras coisas porque a consciência dos trabalhadores é deformada pela ideologia burguesa e/ou pela ideologia dos partidos de esquerda que os dirigem. Pergunto-me: é mais de direita prejudicar a economia nacional, bloqueando os portos, com o braço esticado ou defender o «interesse nacional» e a «economia nacional», de punho erguido?

Eu gostaria que todos os trabalhadores, todos, tivessem lido Lukacs sobre a consciência de classe e o Livro I do Capital. Chegassem ao fim do dia percebendo que a riqueza só vem do trabalho. Cantassem a Internacional, de punho esquerdo erguido, e não batessem na mulher. Respeitassem as opções sexuais de cada um e não deixassem os filhos tratar mal os professores e não chamassem «pretos» aos imigrantes que chegam de África, com uma mão na frente e outra atrás. Acredito que um dia todos chegaremos a este acordo mínimo de civilização.

A greve dos estivadores não é mais uma: eles hoje são os nossos mineiros, médicos, professores, precários, porque a sua greve está a bloquear a estratégia da Troika, o mesmo é dizer defender o Estado Social, e por isso o Estado Armado, de polícia e requisição civil, quer impor-lhes uma derrota.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 Responses to Estivadores lutam contra a Troika e defendem o Estado Social

  1. Pingback: (sem assunto) | cinco dias

Os comentários estão fechados.