Verdades como punhos. Ontem e hoje.

«No papel é fácil escrever e ao microfone é fácil gritar: “chegou a hora do assalto final!” Para o assalto final, não basta escrever ou gritar. É preciso, além de condições objectivas, que exista uma força material, a força organizada, para se lançar ao assalto, ou seja, um exército político ligado às massas e as massas radicalizadas, dispostas e preparadas para a luta pelo poder, para a insurreição (…) Os radicais pequeno-burgueses são incapazes de compreender que os objectivos fundamentais da revolução não se alcançam reclamando-os, mas conquistando-os.»

Álvaro Cunhal

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a Verdades como punhos. Ontem e hoje.

  1. Pingback: Reuniões Governo/FMI são “guerra aberta contra Portugal” – Equacionando a resposta insurrecional | cinco dias

Os comentários estão fechados.