A CGTP, os Estivadores e a Polícia: num país imaginário

“A polícia não nos faz mal”, desabafo de Arménio Carlos para estivadores.

“Líder da maior central sindical, visivelmente irritado, grita aos polícias do corpo de intervenção, que saiam da frente do parlamento e se juntem aos estivadores porque o parlamento é do povo e os estivadores são o povo” .

Num país imaginário jamais o líder de uma organização sindical apela a homens desarmados, trabalhadores, para deixarem de incomodar a polícia, armada, que está a defender o Estado dos patrões. Num país imaginário a solidariedade com os estivadores, neste momento em greve, não teria nenhum limite, muito menos o limite da compaixão pela polícia.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 Responses to A CGTP, os Estivadores e a Polícia: num país imaginário

  1. Pingback: “O amor é não haver polícia” | cinco dias

Os comentários estão fechados.