Os Nossos Médicos, Os Nossos Estivadores, Os Nossos Mineiros, bem hajam!

A greve dos estivadores contínua a não furar o bloqueio da comunicação social porque a solidariedade com ela (ainda) é pouca. É uma greve exemplar para todos os que em Portugal vivem do salário: são trabalhadores com direitos que lutam para não perder os seus direitos e evitar a precariedade, deles e dos outros; são abertos à participação conjunta com os movimentos sociais e os protestos de precários e desempregados  e, num espírito realmente unitário, juntam-se a todos os protestos; fazem não só reivindicações económicas (seus direitos) mas políticas (exigem a queda do Governo e o fim da Troika); são radicais e inovadores nas formas de luta; são um pau na engrenagem na estratégia da Troika de destruir o consumo interno e tornar Portugal um país atrasado centrado nas exportações.

Uma inverdade tantas vezes repetida é a de que historicamente o neoliberalismo está associado à queda da URSS. Ora o neoliberalismo, caracterizado pelo modelo just in time – não pode haver stocks de mercadorias e força de trabalho –  nasceu no final da década de 70 e ao longo da década de 80, antes da queda da URSS. E só foi possível, esta é uma hipótese em aberto que tenho tentado testar com outros colegas, por dois factores. A derrota de categorias simbólicas e centrais para o movimento operário: mineiros na Inglaterra, controladores aéreos nos EUA, operários navais em Portugal; e aceitação, por parte dos sindicatos,  na sua esmagadora maioria,  de negociações que implicaram conservar direitos para os que ficavam (conservar direitos, dar reformas antecipadas que recaem sobre a segurança social, etc) em troca de tirar os direitos aos que entravam (sub contratados, precários). Ou seja, a existência de um modelo de coexistência pacífica entre ocidente e a URSS, que levava os sindicatos, afectos aos PCs ligados à URSS e à social democracia no norte da Europa, a confiar no Pacto Social – exploração sim mas com direitos adquiridos. Não lograram compreender, sindicatos e sectores médios,  no auge dos anos 80, que a nossa precariedade seria também a sua precariedade e que, a médio prazo, estariam em frente a uma crise do próprio sindicalismo, desacreditado aos olhos daqueles, os mais jovens, que nada conseguiram. A primeira grande crise económica depois do fim da URSS pode lentamente abrir portas a um sindicalismo mais combativo,  mais radical, que não se limita só às reivindicações económicas mas que tem na luta política estratégica a possibilidade de ganhar no terreno económico.

A única greve nacional parcialmente bem sucedida desde que entrou o programa da Troika foi a dos médicos. Percebemos, naquela greve, que querendo, os médicos conseguem o que querem porque o regime de acumulação não aguenta uma greve nacional de médicos. Mas, enquanto os médicos faziam greve pelos salários deles, contra a subcontratação e salvando assim o SNS, nós louvávamos os mineiros que chegavam a Madrid. Fomos mais solidários com Madrid do que com os médicos ao nosso lado.

Quantas vezes na vida as nossas oportunidades estão à nossa frente e não as vemos. Bem hajam estivadores, pelos vosso direitos – todos – e pelos nossos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Os Nossos Médicos, Os Nossos Estivadores, Os Nossos Mineiros, bem hajam!

  1. eu diz:

    Eu,de jornaleiros,nutro um grande desprezo por essa casta disssimadora da MENTIRA,órgão de doutrinação da ignomínia,da pulhice,da vulgaridade.A minha solidariedade abaixo de zero para esses ‘padres’.PQP!!!!!!

    P.S.:Salvo honrosas exceções que se contam pelos dedos das mãos….

  2. vitormonteiro diz:

    raquel eu que até a admiro fiquei estupefato com a sua analise em relaçao ao que diz ser o abandono dos sindicatos aos trabalhadores precarios em nome de um pacto social que que vingaria com uma suposta paz na guerra fria o que nao é verdade,os sindicatos da cgtp nunca trocaram os direitos dos mais jovens pela estabilidade dos mais velhos,,estes sao resultados de uma democracia burguesa cujas populaçoes nao criaram ainda condiçoes para destruir

Os comentários estão fechados.