31 de Outubro, crónica de mais um dia de luta. Os ratos fugiram perante o povo!

De facto não há palavras suficientemente elogiosas para descrever toda a actuação dos Estivadores no momento actual, desde a luta no seu local de trabalho, até à sua presença e atitude nas manifestações. Um exemplo para toda a classe operária, um exemplo para todo um povo.

Passos, Relvas e Gaspar querem fugir que nem ratos… pode ser que tenham uma surpresa.

E muito bem, já bloquearam a saída direita. É bom que o pessoal perceba que ficar na base das escadarias não tem efeito nenhum (a não ser a concentração simbólica/ritual de massa)… Os pontos chave estão do lado direito na rua de S. Bento e do lado esquerdo, a Calçada da Estrela, em ambos estes locais há saída de viaturas.

Pelo menos do lado direito parece que a saída já está bloqueada! Ça Ira! Vamos ver se se bloqueia a do lado esquerdo da calçada da estrela também. Foi aí que o deputado do PSD levou um “aperto” no 15O.

E parece que é aí que a polícia está a escoltar os deputados que saem do Parlamento, se muita massa lá estiver não conseguirão romper o cerco sem umas “amolgadelas”. Para futura referência fica o facto de que a posição de maior valor estratégico a todos os níveis à volta do parlamento é exactamente esse local. A saída esquerda do parlamento, no início da calçada da estrela.

Entretanto o sol e o publico já noticiam o cerco. Se bem que alguns dos deputados que votaram a favor deste orçamento já devem ter saído, não me parece que tenham saído todos, o cerco continua e reforça-se, a cada momento mais gente se junta. Na notícia do público há um pormenor interessante ” (…)em comparação com a última grande manifestação, a 15 de Outubro.”, na altura os media disseram centenas de pessoas… mas a verdade (sobretudo nestes momentos em que as massas estão na rua) vem ao de cima. No dia 15 de Outubro estiveram no parlamento milhares e não centenas de pessoas. Hoje irão estar muitas mais.

Já há o rebentamento dos habituais petardos e bombas de fumo.

A multidão multiplica-se em frente ao parlamento. Aqui pode-se ver já uma reportagem na Sicnoticias, dá uma ideia do ambiente que aí se vive, é um povo consciente que se ergue.

Estivadores, Confederação dos Agricultores, Funcionários Públicos, Desempregados, Juventude todo um povo em luta converge sobre o Parlamento!

Aqui pode-se ver a notícia da TVI 24, desde já há dois importantes factos a destacar, implicitamente verificáveis nessa reportagem. Primeiro, o pesadelo da Cassandra do regime , que exista uma aliança de facto entre a CGTP e a constelação “Indignados”, parece estar a ocorrer. É fundamental para o sucesso da luta a aliança, de facto, entre a classe operária mais tradicional e organizada e uma juventude/camadas urbanas pauperizadas e radicalizadas. Mais uma vez os estivadores têm estado na vanguarda desse processo. Segundo, mesmo que o cerco não seja 100% efectivo já deu que falar e mais importante, o movimento percebeu que tão, ou mais, relevante que ficar no fundo das escadarias (posição meramente simbólica e onde quem protege o parlamento tem todas as vantagens tácticas) é bloquear e ocupar os flancos. Do lado direito e esquerdo das escadarias.

Aqui está um post em que se descreve a marcha dos estivadores até à assembleia com passagem pela secretaria de estado dos transportes. Com as anunciadas privatizações da ANA, TAP e CP será um local de passagem (no mínimo) obrigatório.

Hoje também se noticia mais um flagrante caso de corrupção e compadrio. Estudo revela que Anacom favoreceu Portugal Telecom no processo da TDT. E também se sabe que este orçamento é só um meio orçamento, há mais banditismo a caminho… O protesto prossegue.

 Aqui está um link para emissão em directo. Convém também desmistificar essa conversa do “são todos iguais”. Louçã quando abandonou o seu cargo de deputado recusou reformas, subsídios e outras benesses. Fora do parlamento houve alguns deputados em protesto (na foto os que aparecem são do PCP).

Há objectos a serem arremessados para a escadaria e é frequente o rebentamento de petardos. Os cães da Polícia foram levados para a linha da frente.

Ouve-se rebentamento de petardos e a polícia está a ser ‘bombardeada’ por latas, garrafas e pedras. No local já está também a unidade cinotécnica da equipa especial da PSP.

Alguém me explica porque raio a polícia leva cães para estes eventos? Para atiçar aos manifestantes??? Muitas das garrafas e outros objectos arremessados acabam por atingir os animais e é vê-los a ganir… Porque é que os srs agentes e responsáveis da PSP levam os cães??? Uma manifestação não é uma operação “stop”. A liga dos animais ou coisa assim devia intervir e protestar contra esta forma abusiva de utilização destes animais por parte do corpo de intervenção. Só serve para atiçar os ânimos e no final quem sofre são os cães…

Nós seremos simples e serenos,
protegendo os fracos e pequenos

Assim começa o hino do corpo de intervenção, proteger os fracos e pequenos é proteger o Relvas o Passos e o Gaspar? É proteger quem rouba o povo, quem vende o país por dois tostões e umas comissões, quem quer reduzir os trabalhadores à condição de pouco mais que escravos? E depois ainda dizem “Nós somos deste Povo a espada”… espero bem que sim… mas para isso voltem-se e prendam mas é este governo de salteadores e não se virem contra o povo que justamente mostra a sua indignação. Espero bem que defacto sejam “deste povo a espada” e não mercenários a soldo da Troika nacional e estrangeira…

Já arde a fogueira, parece que há vigília pela noite dentro

 A tvi24 tem aqui um video mais recente. Os manifestantes na primeira voz, quem fala assim não é gago.

“Podes fugir, mas não te podes esconder”… Os deputados que aprovaram este Orçamento, é ver abaixo. PSD e CDS, menos um do CDS da madeira…

É engraçado ver alguns lacaios do governo a fazerem apelos velados à extrema-direita. O André que se acalme que em Portugal não tem uma aurora dourada para lhe limpar o rabinho. Comparar movimentos criminais com um povo em luta só pode vir mesmo de quem está com o cú a tremer…

A sicnotícias apresenta aqui outra reportagem, não está má.

Texto lido na manifestação do “que se lixe a Troika“.

E A LUTA CONTINUA! Alguns destaques entre vários protestos planeados e em curso. Os links são apenas um entre vários exemplos de eventos a convocar para o mesmo protesto

10 de Novembro – Manifestação Militar
Apoio popular à manifestação dos militares marcada para o dia 10 de Novembro, contra as políticas que nos roubam a todos. Só unindo forças poderemos fazer uma mudança real.
http://www.facebook.com/events/497242520293994/

12 de Novembro – Recepção a Angela Merkel em Portugal
“BardaMerkel”, Abaixo o IV Reich!!! Sobre a Alemanha e as dívidas consultar este e este interessantes textos.
http://www.facebook.com/events/115634938592699/

14 de Novembro – Greve Geral Europeia!!!!
Momento alto e fulcral de luta
http://www.facebook.com/events/437793312923304/
http://www.facebook.com/EuropeanStrike?fref=ts

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

49 respostas a 31 de Outubro, crónica de mais um dia de luta. Os ratos fugiram perante o povo!

    • Bolota diz:

      Renato,

      Recebido por mail:

      Sabem mesmo quem é Carlos Moedas?

      Os arautos da transparência, têm como exemplo disso mesmo ? transparência ? o adjunto do primeiro-ministro, o senhor Carlos Moedas, que, veio agora a saber-se, tem 3 empresas ligadas às Finanças, aos Seguros e à Imagem e Comunicação. Como sócios, teve os senhores Pais do Amaral, Alexandre Relvas e Filipe de Button, a quem comprou todas as quotas em Dezembro passado.
      Como clientes, tem a Ren, a EDP, o IAPMEI, a ANA, a Liberty Seguros, entre outros.
      Nada obsceno, para quem é adjunto de Pedro Passos Coelho!
      E não é que o bom do Moedas até comprou as participações dos ex-sócios para “oferecer” o bolo inteiro à mulher?! (Disse-o ele à Sábado).
      Não esquecer ainda que Carlos Moedas é um dos homens de confiança do Goldman Sachs, a cabeça do Polvo Financeiro Mundial, onde estava a trabalhar antes de vir para o Governo.
      Também António Borges é outro ex-dirigente do Goldman, e que está agora a orientar(!?) as Privatizações da TAP, ANA, GALP, Águas de Portugal, etc.
      Adoráveis, estes liberais de trazer por casa, dependentes do Estado, quer para um emprego, quer para os seus negócios.
      Lamentavelmente, à política económica suicidária da UE, que resultou nas tragédias que já todos conhecem, acresce a queda do Governo Holandês (ironicamente, acérrimo defensor da austeridade) e o agravamento da recessão em Espanha. Por conseguinte, a zona euro vê o seu espaço de manobra cada vez mais reduzido e os ataques dos especuladores são cada vez mais mortíferos.
      Vale a pena lembrar uma vez mais que o Goldman and Sachs, o Citygroup, o Wells Fargo, etc., apostaram biliões de dólares na implosão da moeda única. Na sequência dos avultadíssimos lucros obtidos durante a crise financeira de 2008 e das suspeitas de manipulação de mercado que recaíam sobre estas entidades, o Senado norte americano levantou um inquérito que resultou na condenação dos seus gestores.
      Ficou também demonstrado que o Goldman and Sachs aconselhou os seus clientes a efectuarem investimentos no mercado de derivados num determinado sentido. Todavia, esta entidade realizou apostas em sentido contrário no mesmo mercado. Deste modo, obtiveram lucros de 17 biliões de dólares (com prejuízo para os seus clientes).
      Estes predadores criminosos, disfarçados de banqueiros e investidores respeitáveis, são jogadores de póquer que jogam com as cartas marcadas e, por esta via, auferem lucros avultadíssimos, tornando-se, assim, nos homens mais ricos e influentes do planeta. Entretanto, todos os dias são lançadas milhões de pessoas no desemprego e na pobreza em todo o planeta em resultado desta actividade predatória. Tudo isto, revoltantemente, acontece com a cumplicidade de governantes e das autoridades reguladoras.
      Desde a crise financeira de 1929 que o Goldman and Sachs tem estado ligado a todos os escândalos financeiros que envolvem especulação e manipulação de mercado, com os quais tem sempre obtido lucros monstruosos. Acresce que este banco tem armazenado milhares de toneladas de zinco, alumínio, petróleo, cereais, etc., com o objectivo de provocar a subida dos preços e assim obter lucros astronómicos. Desta maneira, condiciona o crescimento da economia mundial, bem como condena milhões de pessoas a fome.
      No que toca a canibalização económica de um país, a fórmula é simples: o Goldman, com a cumplicidade das agências de rating, declara que um governo está insolvente, como consequência as yields sobem e obriga-o, assim, a pedir mais empréstimos com juros agiotas. Em simultâneo, impõe duras medidas de austeridade que empobrecem esse pais. De seguida, em nome do aumento da competitividade e da modernização, obriga-os a abrir os seus sectores económicos estratégicos (energia, águas, saúde, banca, seguros, etc.) às corporações internacionais.
      Como as empresas nacionais estão bastante fragilizadas e depauperadas pelas medidas de austeridade e da consequente recessão, não conseguem competir e acabam por ser presa fácil das grandes corporações internacionais.
      A estratégia predadora do Goldman and Sachs tem sido muito eficiente. Esta passa por infiltrar os seus quadros nas grandes instituições políticas e financeiras internacionais, de forma a condicionar e manipular a evolução política e económica em seu favor e em prejuízo das populações.
      Desta maneira, dos cargos de CEO do Banco Mundial, do FMI, da FED, etc., fazem parte quadros oriundos do Goldman and Sachs. E na UE estão: Mário Draghi (BCE), Mário Monti e Lucas Papademos (primeiros-ministros de Itália e da Grécia, respectivamente), entre outros.
      Alguns eurodeputados ficaram estupefactos quando descobriram que alguns consultores da Comissão Europeia, bem como da própria Angela Merkel, tem fortes ligações ao Goldman and Sachs. Este poderoso império do mal, que se exprime através de sociedades anónimas, está a destruir não só a economia e o modelo social, como também as impotentes democracias europeias.
      Este texto não é de uma pessoa qualquer.

      Texto de Domingos Ferreira
      Professor/Investigador Universidade do Texas, EUA, Universidade Nova de Lisboa In

  1. Dezperado diz:

    Epá nao amolguem as viaturas….depois tem de ir para a oficina e é o contribuinte que paga o arranjo!!!!

    Estou a gostar do seu empolgamento!

  2. Carlos diz:

    A falta que um Otelo a sério faz……………

  3. Augusto diz:

    Pois mas na Rua de S. Bento o pessoal da CGTP, ou melhor o serviço de ordem , parece que não gostaram da presença dos estivadores….

    Unidade ….Unidade….. POIS…… Ou como dizia o outro…

    O Capital tem medo da luta organizada….. mas não de protestos…

    • Diz que diz:

      Esteve na mesma manifestação? Viu as tais “forças de ordem” a cercar os estivadores? Ou escreveu isso em casa e não ouviu o arménio carlos a saudar os estivadores e a sua luta? Há uma diferença entre um sector que enfrenta o seu patrão na empresa (estivadores e mais recentemente a scotturb com a carga policial no seu piquete de greve) e putos com uma tuza do mijo revolucionária a quererem a revolução para ontem

      • artur. diz:

        Concordo consigo “Diz que”, mas as manifs da CGTP não podem começar às 3 e acabar às 5. Claro que não se pode ir na onda desses putos com a tuza do mijo que até queimam sofás e tudo (se ainda ao menos queimassem bancos)… mas há que fazer mais qualquer coisa, senão a malta começa a desmoralizar e a ficar irritada. Sou de Matosinhos e estive quase para ir hoje Lisboa à manif, mas ainda bem que não fui, porque vinha de lá como vim no dia 29 de Setembro, ou seja, parece que fui marcar o ponto…

        • franciscofurtado diz:

          Sou de Matosinhos e estive quase para ir hoje Lisboa à manif, mas ainda bem que não fui, porque vinha de lá como vim no dia 29 de Setembro, ou seja, parece que fui marcar o ponto…

          Espero que quem de direito registe este genuíno desabafo…

  4. Tima diz:

    Quem como eu tem estado nas manifestações e fala com membros quer do PCP quer da CGTP sabe muito bem que os estivadores não são muito bem vistos por eles. Pudera! São os únicos com tomates no sítio e organizados. Enquanto membros avulso ou de movimentos sociais estavam a formar-se e preparar-se para mais uma vez apontarem forças desnecessárias para enfrentarem a polícia de choque para subirem uns degraus de uma escadaria estúpida e inútil os estivadores estiveram e muito bem na saída do parque de estacionamento da Assembleia e por perto de 20 minutos não saiu um deputado do Parlamento. Isto sim é organização e bravura! Enfrentar os deputados da nação e não perderem tempo com polícias de choque a defender degraus de escada.
    Tivessem os outros participantes da CGTP metade dos tomates dos estivadores e há muito que a luta nas ruas seria bem diferente…
    E quanto aos movimentos sociais comecem é a organizar-se porque já se viu que têm muito a aprender com estivadores o que é uma luta com cabeça e estratégia.

  5. Diogo diz:

    É bom imprimir estas caras e pendurá-las na parede. Para quando chegar o ajuste de contas…

  6. ESTIVADOR diz:

    SE ELES (GOVERNO) ESTÃO ORGANIZADOS E TÊM UMA ESTRATÉGIA,PORQUE É QUE NÓS NÃO HAVEMOS DE NOS ORGANIZAR E ARRANJAR UMA ESTRATÉGIA???

  7. JG diz:

    É difícil perceber que a CGTP não é um sindicato “independente”? É difícil antever as consequências de uma manif da CGTP com arremesso de petardos e bloqueios aos deputados? Acham mesmo que a CGTP não vai por esse caminho por medo? Mas quem diz isso alguma vez esteve envolvido em alguma luta da CGTP, daquelas a sério, que dá mesmo porrada? Já estiveram, por exemplo, em piquetes de greve? A revolução não é um chá dançante, camaradas. Senão já estava feita.
    Quanto aos estivadores, onde estarão eles quando a sua luta for (e espero que seja) vitoriosa? A fazer, mesmo que involuntariamente, de tropa de choque dos “indignados”? Olhem que não.

    • Nuno Cardoso da Silva diz:

      Já agora, e apenas para meu esclarecimento, quais seriam as consequências indesejáveis se houvesse “uma manif da CGTP com arremesso de petardos e bloqueios aos deputados”?…

      • franciscofurtado diz:

        Também não percebo…

      • petardo no charco diz:

        Provavelmente nenhumas até que essas acções servissem de pretexto para uma carga policial (mesmo que esta estravazasse as suas competências ou mesmo a legalidade), da qual resultassem inúteis detenções ou cabeças partidas ou outras coisas típicas da repressão de um estado policial.

        Não faz sentido colocarmo-nos a jeito…

        Acho que a malta anda com dificuldades em perceber o que é uma manifestação ou o papel que as várias podem ter numa “revolução” e um processo complexo que culmine com uma supressão de um governo, ou mais ambicioso ainda, na substituição por um que defenda o povo oprimido que se manifesta.

        Também não me parece ideal, passar subrepticiamente a mensagem que quase equipara as manifestações e atitudes típicas de das alas mais fanáticas num espetaculo de desporto como é o futebol com a acção revolucionária. E do mesmo tipo de equivalência entre publicidade e propaganda. Enquanto a primeira mistifica e manipula a última esclarece e consciencializa.

        São opostos. E se é certo que vivemos profundos cinzentos existem certos fundamentais que não deveriam passar despecebidos.

  8. Pingback: “Há Alternativas!” | cinco dias

  9. Chico, corrige o LINK da reportagem da SIC notícias, eles tem problemas pois tem uns www no início que atrofiam a ligação…. http://sicnoticias.sapo.pt/especiais/oe2013/2012/10/31/manifestantes-ateiam-fogo-frente-a-escadariado-parlamento

  10. Antónimo diz:

    apesar da conversa aqui pelos comentários, positivo foi ouvir o Arménio Carlos saudar os estivadores durante o discurso da CGTP.

    pelos vistos, boa parte dos comentadores estava desatento aos discursos, tal como não ouviu ana avoila num directo fugir à condenação dos métodos dos estivadores

  11. Tima diz:

    “”- porque insiste em associar as forças em Portugal com o histórico mais extenso e consequente na luta dos trabalhadores com a “polícia de choque” (como se tivesse acabado de mencionar os pulhas responsáveis pelo estado actual de miséria deste país)””

    À CGTP tem de se reconhecer que não estão nem de perto nem de longe da filha da putisse da UGT esses sim verdadeiros traidores da luta dos trabalhadores.

    “”- como se os polícias também não fossem trabalhadores e merecedores do nosso respeito, e mais do que isso, nos tivessem como defensores dos seus direitos enquanto tal
    – como se a “ordem pública” que lhes compete defender não fosse a nossa e do povo a que pertencem (afinal os beijinhos e abraços de “os movimentos sociais” eram só hipocrisia quer ver? lá tou eu a exorbitar)””

    Sabia vossa excelência da quantidade de, digamos fascistas, que estão ao serviço da polícia de choque nomeadamente nas esquadras da margem sul do Tejo? Comece a averiguar e até se assusta. Aliás nada que não se passa também nas “forças daa ordem” na Grécia. Não considere quem faz vida a bater no povo um trabalhador normal porque não o são nem nunca o foram.

    “”- como se não tivesse rematado com a sua farpazinha anti-PCP em continuidade com o seu único objectivo desde o primeiro contributo: fazer proliferar o ódio anti-comunista.””

    Sempre a velha táctica de menorizar o adversário chamando-lhe nomes e baixando o nível. Olhe sou tão anti que provavelmente muitos vereadores da CDU aqui da região estão lá com votos meus…

    “”Sem coerência, sem honestidade na discussão, eventualmente motivado não por falhas gerais de caracter mas por mero e primário anti-comunismo.””

    E aí volta ele à ofensa gratuita à falta de argumentos.

    “”Tudo isto, ou a sua ironia supera a minha a léguas, camarada!
    Mas que grande “movimento social” a Tima me saiu.””

    Pois de facto supera… Você continua a procurar inimigos à sua esquerda e eu prefiro procurá-los à sua direita!

    • petardo no charco diz:

      Vejo então que estava enganado e que a ironia que lhe dirigi foi inapropriada. As minhas sinceras desculpas. E por favor não confunda críticas que seguiram uma lógica com meras ofensas.

      Mas confesso que continuo com dificuldades em ver conciliadas certas leituras que faz e patentes ao longo dos seus 3 comentários:

      “Quem como eu tem estado nas manifestações e fala com membros quer do PCP quer da CGTP sabe muito bem que os estivadores não são muito bem vistos por eles. Pudera! São os únicos com tomates no sítio e organizados.”
      ou
      “É ver as centrais sindicais comunistas por essa Europa (de 3ª categoria) fora a defender a polícia de choque dos movimentos sociais. Amiguinhos que eles são…”
      ou
      “E muito me espanta que o PCP deixasse uma claque tomar conta de um sindicato. A ser verdade seria o descrédito da organização proletária…”

      em que ficamos? São amigos da polícia em desfavor dos movimentos sociais (que têm muito a aprender) e desdenham de um sindicato que supostamente deveriam controlar numa disputa de poder contra uma claque de futebol?

      É demasiado confuso para mim… e sei bem que é da maior complexidade que falamos. Mas é por isso mesmo que achei o seu comentário original demasiado preto e branco que preferi via ironia ridicularizar.

      Tive a preocupação de desmistificar a ideia que poderia passar do seu comentário de que é com petardos e um bloqueio das entradas dos deputados que “há muito que a luta nas ruas seria bem diferente…” (o que quer que isso signifique)
      E porque menciono petardos quando a Tima não o fez, porque é uma acção identificada com os estivadores, e tal associação iria forçosamente por colagem na interpretação.

      Por último, o meu comentário original para além da ironia e exagero de que se carregava trazia-lhe um facto para cima da mesa que foi precisamente esse de os estivadores terem ameaçado “mais uma vez apontarem forças desnecessárias para enfrentarem a polícia de choque para subirem uns degraus de uma escadaria estúpida e inútil” como a Tima muito bem crítica, facto inclusive apontado por Arménio Carlos aquando do acontecimento. Expondo a contradição em que vive de serem os estivadores o exemplo a seguir e o exemplo a não seguir ao mesmo tempo.

      Se acha que estas mistificações contribuem para revolução… afinal que amigos/inimigos “à sua esquerda” anda a Tima a fazer?

      • Tima diz:

        A coisa é simples. Eu acho que as manifestações são uma forma de resolver coisas:
        1º Quando são massivas como a de 12 de Março de 2011 ou como a de 15 de Setembro de 2012.
        2º Quando existe uma intenção de luta clara como a do cerco ao Parlamento de 15 de Outubro.

        As manifestações como a CGTP fez na 4ª feira e no dia 1 de Outubro não passam de comícios algo ineficazes apesar do número expressivo na Praça do Comércio as pessoas com quem me cruzei sentiram-se algo defraudadas. O meu amigo viu o que fizeram os sindicatos em Madrid ontem? Acção! É o passo que os estivadores têm dado e que falta a meu ver estender aos outros sectores da CGTP.
        As mistificações não contribuem para a revolução mas os comícios também acabam por ser estéreis na sua eficácia.
        Eu não ando a fazer inimigos à minha esquerda porque eles estão à minha direita apesar de achar que o PCP podia perfeitamente deixar de querer ser o farol do purismo de esquerda e juntar-se efectivamente ao BE em acções conjuntas. Assim como está o PS continua a agradecer as subidas nas sondagens…

        • franciscofurtado diz:

          Bem metido tima, está a ser uma discussão interessante e civilizada, como devem ser as discussões à esquerda… ouve aqui e ali uma fase de maior exaltação, mas isso também faz parte.

        • petardo no charco diz:

          Já não estamos tanto em desacordo, basicamente:
          – necessidade de aderência significativa (“massa crítica”)
          – necessidade de definição de objectivos concretos

          A desilusão por não se assistir a resultados imediatos afecta todos nós (tarda sempre). Afasta os impacientes e enrijece os resistentes.

          Madrid, Espanha tem uma dinâmica social distinta da portuguesa. Os espanhóis parecem-se mais aguerridos (fervem em menos água) que os aparentemente acomodados portugueses (mas quem enteveu antes do 12 de Março a dimensão daquela contestação?). Quem nos garante que será mais cedo num ou noutro país que se atingirá o “ponto crítico”?

          Concordarei decerto que se impõe (e existem condições) para se subir a parada dos protestos (e têm subido). Os métodos e as acções concretas a cargo de cada colectivo decidir, sejam uns mais impulsivos e outros mais compassados. Confere! Reflectindo a consciência (e diversidade própria) que os mesmos possuem da realidade da luta que enfrentam. Juntemo-nos quando nada nos impeça, mas de nada adianta forçá-lo, todos temos razões próprias. A realidade é a única que detém o poder de as colocar em harmonia (a meu ver, mais do que a experência ou a teoria estabelecidas – estamos todos a aprender com o momento).

          Falta dizer que foi um pedro que te foi injusto.

          Retorqui ao meu pai, viesse ele com purismos ou impaciências: “Andas por cá há decadas e viveste uma, e eu sempre a tentar percebê-la, no entanto sabes como nos desentendemos. Mas estás tu à espera que o povo, agora que a enfrenta, use para descrevê-la a mesma linguagem que tu?!”

          A minha convicção, e positivismo realista, sustenta-se na inevitabilidade de um povo, nestes tempos que vão correndo, ir abandonando os mitos que lhes construiram a prisão, que os divide e impede de usar a mesma língua. Por mais nada que seja senão a realidade não mediada e em primeira mão que nos chega, por inverso aos sonhos dúplices que nos vendem, cada vez mais distantes na tv.

          Porque insisto tanto na lingua? Porque é com ela que nos entenderemos, muito em breve, mas até lá nem o nosso pensamento se sustenta devidamente, e obviamente que aqui interessa-me o revolucionário.

          • Tima diz:

            Antes de mais não se diga “- necessidade de aderência significativa…” mas “- necessidade de adesão…” certo? 🙂
            Quanto às palavras que afastam e aproximam as pessoas elas valem na medida que traduzam vontades comuns. Mas penso que são já tardias as palavras de aproximação. Começa a ser tarde para muitas coisas. O povo só vai acordar no final de Janeiro quando receber o seu 1º salário troikado. E depois quando fizerem as contas a 12 daqueles é que vão começar a mexer-se. Porque quando são impostos de IVA, na gasolina, no IRS não são contas imediatas. Nota-se que a vida está mais cara, compra-se menos e no IRS vai-se juntando umas despesas.
            Agora quando o dinheiro real não vier no recibo no final do mês aí sim “será” que o povo acorda?
            Espero bem que sim… A meu ver tarde demais como tarde demais é já para haver bases de entendimento da esquerda real.

          • franciscofurtado diz:

            “A meu ver tarde demais como tarde demais é já para haver bases de entendimento da esquerda real.”

            Refere-se a quê? Luta nos locais de trabalho? Na rua? Nas eleições? Não estaremos todos juntos na greve geral? Ou a esquerda tem o mínimo de entendimento e coordenação (mesmo se não tiver uma coligação formal) ou está fodida.

            http://www.ekathimerini.com/4dcgi/_w_articles_wsite3_1_21/10/2011_411356

            http://roarmag.org/2011/10/anarchists-communists-strike-riots-violence-greece/

            http://inter.kke.gr/News/news2011/2011-10-21-murderous-attack-info

            E sobretudo, pelo menos que não se assistam a estas tristes cenas (ver acima)… se a Esquerda na Grécia não avançou mais foi muito por causa disto… Isto é que não pode acontecer!!! Isto é o que abre as portas ao fascismo… Nem vale a pena discutir muito quem tinha razão ou não, a questão é que isto foi assassino para o movimento popular!!! Mas devo dizer que, para além do seu ultra sectarismo, foi também por esta atitude de “guarda-costas” do regime que o KKE se tornou numa força marginal, abaixo dos Nazis em votos…

            Não peço à CGTP para “cercar” ou “invadir” a Assembleia da República, mas que não actue como guarda pretoriana do governo! Quanto à malta mais insurreccional, acho que se deve respeitar a CGTP e não causar demasiada confusão enquanto as suas cerimónias oficiais decorrerem… depois dos hinos, então sim, Rock and Roll!

            A não ser que sejam próprios elementos da CGTP que iniciem o Rock and Roll, capazes disso também eles são como se mostra no vídeo…

          • petardo no charco diz:

            “Nem vale a pena discutir muito quem tinha razão ou não, a questão é que isto foi assassino para o movimento popular!!!”

            Pois eu até acho que vale, especialmente por ser inegável que foi negativo para futuras mobilizações de outros gregos. Então mas quem é que levou molotovs, e quem é que levou capacetes? O que é afinal primáriamente ofensivo e o que é primáriamente defensivo? Desculpe-me mas a escolha de métodos e meios define bem de quem estamos a falar, e os propósitos de cada um nesta circunstância mais do que lamentável.

            Achar que quem levou os capacetes é sobre quem recai o grosso da responsabilidade das suas consequências é o mesmo que inverter a relação entre carrasco e vítima. E isto acho de um nível de incompreensão da realidade que nem sei bem se vale a pena continuarmos a discussão.

            “Mas devo dizer que, para além do seu ultra sectarismo, foi também por esta atitude de “guarda-costas” do regime que o KKE se tornou numa força marginal, abaixo dos Nazis em votos…””

            Até parecia que era para concluirmos o mesmo que tinha abreviado caminho à disussão anteriormente. Mas não foi precisamente para o contrário. Então depois do que se assistiu, que é o corolário pelo qual é absolutamente incontornável estarmos atentos aos métodos de luta agressivos, e que exigem de nós veemente condenação no contexto em causa, conclui-se que foi o “ultra sectarismo” do KKE que impediu o desenvolvimento da contestação na grécia??!! E que por isso ainda serviu “de “guarda-costas” do regime”???! ????!

            Mas isto não é incompreensão Francisco! Isto é a inversão da própria realidade!

            Que isto fosse exemplo de como se impôe cautela perante as facções contestatárias mais violentas já que fácilmente os seus métodos servem os interesses do adversário… ainda vá. Mas não?!?!

            A sua leitura desta circunstância é lamentável.

          • franciscofurtado diz:

            Então discutamos o incidente um pouco mais…

            Mas antes gostaria de realçar novamente um ponto em que julgo estarmos todos de acordo.
            “isto foi assassino para o movimento popular!!!”

            Dito isto:

            – O KKE estava de capacete e paus, porque estavam a fazer um cordão defensivo, exactamente, o KKE estava a fazer um cordão defensivo ao parlamento. Equipados de resto de forma similar à polícia de choque mas sem capacete. Os outros traziam sobretudo instrumentos de arremesso, porque sim, queriam atacar o parlamento, só que a defender o parlamento estava um cordão do PAME, o sindicato minoritário do KKE (que tem muito menos influência, comparativamente, que a CGTP. A CGTP sim é, diga-se o que se disser, uma organização de massas e a com maior representatividade de longe no movimento sindical em portugal).

            The behaviour of the Stalinist PAME trade union was particularly significant. PAME has sought to pose as somewhat more left than GSEE and ADEDY, but in recent weeks has refrained from organising a single strike. On Thursday, supporters of PAME, who are close to the Greek Communist Party (KKE), assumed responsibility for defending parliament from demonstrators with their own security guards. Wearing helmets and armed with baseball bats, PAME supporters directly took over the role of the police in Athens to beat up and intimidate demonstrators.

            Basta ver o desconforto mostrado no próprio comunicado do KKE,
            Even more dangerous and dirty is the slander that PAME protected the parliament from the protesters, an allegation reproduced by bourgeois and opportunist mass media – domestic and international ones. This dirty allegation seeks to portrait PAME as a support of the bourgeois system and the KKE as a “systemic force”, as a party of the bourgeois system.

            Incomodados com os elogios do grande capital o KKE estrebuchou… mas foi mesmo isso que fez… aliás se continuar a ler verá que criticam a “violência gratuita blá blá blá” mas o que fizeram nesse dia foi um cordão de defesa ao parlamento, que foi atacado por quem queria atacar o parlamento nesse dia decisivo…

            – A postura do KKE, desculpe, é indefensável. Para que não haja dúvida mostro aqui a fotografia novamente. O grande objectivo era mostrar quem mandava nas ruas… como se fosse isso o decisivo naquele momento… Como escrevi nem peço à CGTP que organize um cerco, mas pá… fazerem de polícia????????? Até dou de barato que durante os rituais da CGTP não se faça grande confusão, a não ser que seja imprescindível para um cerco eficaz (como impedir viaturas de saírem). Agora fazer, como se vê, um cordão que protege a polícia/parlamento no dia em que se votava o maior brutal assalto ao povo Grego???

            – A auto-crítica é uma actividade fulcral de qualquer marxista revolucionário. Porque será que num dos maiores ascensos da luta social na Grécia o KKE se afundou abaixo dos nazis??? Porque o povo é estúpido??? Não, foi pelo seu ultra sectarismo que se revelou nas eleições e nesta acção que estamos a discutir. Acha o “petardo” (falar com pseudónimos é muito estranho…) que o PAME/KKE não fizeram nada de mal? Acha que tiveram a postura correcta em todo este processo? É que uma discussão franca e fraterna só é possível, quando de parte a parte existe a disponibilidade de assumir erros e encaixar certas críticas…

            – Quer isto dizer que a postura da “malta/encapuçados” esteve correcta? A meu ver também não. Se já esteve nalgum cenário deste tipo, sabe que de ambos os lados o sangue está a ferver e todas os velhos ajustes de contas, intrigas e ressentimentos vêem ao de cima. De um lado e de outro. Mais, se vir os videos o que se vê é uma massa a correr contra a outra… portanto isto aqui não houve santinhos. Agora por vezes é necessário, de facto, dar a outra face. Em vez de atacarem o PAME a malta deveria ter procurado outra altura ou outro alvo. Deveriam ter previsto o que se iria passar e evitá-lo. Mas quem é que raio é o PAME para tomar conta da praça impedindo cidadãos de lá entrar? Pensam que são a polícia? Muitos “encapuçados/malta”, chamemos assim, para simplificar devem ter pensado isso e foram lá para a “porrada” contra quem lhes aparece-se pela frente, muitos deles sabendo que quem estaria à sua frente seria o KKE… Foi errado, erradíssimo. Repito, deveriam ter ido por outro lado, ter ido mais tarde, ter atacado outro alvo, sei lá… Mas não terem se envolvido numa batalha campal com o PAME/KKE. Mereciam os defensores, objectivos, do regime ter levado uma carga de porrada? Diria que sim. Mas só porque mereciam não quer dizer que deveriam ter levado uma…

            – Convém acrescentar que geralmente o KKE/PAME faz sempre marchas/manifes/concentrações separadas do restante movimento. E que o nível de sectarismo lá existente é muito superior ao existente em Portugal. Aliás foi, como acima indico, esse sectarismo exacerbado pré-existente que criou as condições para que isso acontecesse (e quanto a sectarismos ninguém tem o monopólio, embora uns sejam de facto, mais que outros).

            – Volto a repetir. Só será possível derrotar a Troika e os Troikistas se, no mínimo, houver respeito entre todas as componentes do movimento popular. A CGTP deve ser respeitada, o PCP, O BE e os Indignados/malta também. A CGTP não é “uma polícia de burocratas sindicais que controla os trabalhadores”, os Indignados não são uns “inconsequentes com tesão do mijo que querem incendiar contentores”, o BE não é “um bando de reformista que só querem uma aliança com o PS”, os do PCP não são “uns Estalinistas que querem controlar todo o movimento de massas e esmagar aquilo que não controlam”. Todos eles são um pouco estas caricaturas também, mas nenhum destes movimentos é um monólito uniforme, e esta visão caricatural é disforme, como qualquer caricatura.

            – Para se vencer a TRoika a CGTP e o PCP têm de assumir que a “luta organizada” (isto é o quê? a luta controlada pelo PC?) por si só é insuficiente. Não têm de apoiar ou dinamizar as outras componentes do movimento popular, mas devem respeitá-la. A malta que atira pedras e petardos não são infiltrados, é malta que está fodida, qual a atitude a ter??? Provocar uma batalha campal e substituir a bófia? A malta de outros movimentos não deve demonizar o PC ou a CGTP, nem reforçar os estereótipos e pré-conceitos existentes em muito boa gente acerca do PC e da CGTP.

            CONCLUINDO:

            1 – Assumir que todos os que estão na luta de boa fé devem ser respeitados e não qualificados/catalogados imediatamente de “burocratas”, “infiltrados”, “reformistas”, “radicaloides” e restantes mimos que já conhecemos.

            2 – Assumir que ninguém é dono da verdade e da revolução. Conseguir ouvir uma crítica, aceitá-la ou rejeitá-la, mas sem achar que se está a travar uma luta de morte contra um “inimigo do povo”… Ser capaz de assumir quando se erra. Algo que quer o PCP, quer o BE raramente fazem… Até percebo que não o façam em frente à televisão… Mas na caixa de comentários do 5dias? Sem isso não é possível o diálogo.

            3 – Acções de parte a parte que levem a um escalar e um confronto são de evitar. Um confronto aberto entre CGTP e outros seria uma catástrofe que prejudicaria ambos os lados.

            4 – Para vencer a Troika todos somos poucos e há diversas formas de luta, não sendo coincidentes, não têm de ser antagónicas.

            5 – Sem uma união, pelo menos tácita, entre “Indignados” e “CGTP” não há vitória possível. A CGTP sozinha não vai lá, nem vão os “Indignados” e a “luta espontânea”.

            6 – A greve geral de 14 de nOvembro (tenho de fazer um post sobre isto, A PRIMEIRA GREVE GERAL PAN-EUROPEIA E COMEÇOU EM PORTUGAL!!!!!!!!! FOI A CGTP NO TERREIRO DO PAÇO À CUNHA QUE DEU O SINAL PARA O RESTO DA EUROPA!!!! ISTO É MOTIVO DE ORGULHO) é mais uma óptimo ao parla oportunidade para uma mais profunda aliança. Nos piquetes, na manif, em todos os eventos relacionados com a greve.

            7 – Reconhecer que acções rituais/simbólicas (como o que a CGTP fez dia a 31 de outubro) são insuficientes. È preciso algo mais substantivo. Como a greve dos estivadores que de facto estrangula o aparelho produtivo e afecta o capital, ou acções como o cerco ao parlamento que obstaculize fisicamente a tomada de decisões gravosas. Ou pelo menos obrigue a cenas como a de ver os ratos em fuga, como se viu no dia 31…

  12. Está quase tudo dito.
    Acção,estratégia e acção.

    Este tenho de ,com o devido agradecimento,roubar.

    mário

  13. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Há entre nós quem não goste de referendos, mas parece-me que está na altura de procurar lançar um referendo de iniciativa popular, com a seguinte pergunta:

    “Concorda com as políticas de austeridade do governo, em obediência aos compromissos assinados com a troika?”

    • Carlos Carapeto diz:

      E em vez de se perder tempo com referendos engorvinhados devia isso sim exigir-se que o governo não falta-se à palavra com o que prometeu durante a campanha eleitoral?

      O Povo, a grande maioria dos Portugueses não têm que mendigar nada a quem quer que seja. Porque a divida que estão a alancar dolorosamente não foi feita em seu beneficio.

      Foi a chusma de parasitas que destruiu todo o aparelho produtivo do país, com o objetivo de enriquecerem facilmente que levou à situação em que estamos.

      É sabido que qualquer país que importe mais de 40% dos bens de que necessita coloca a sua soberania em risco.
      E Portugal neste momento só no referente ao setor alimentar já está dependente do exterior em cerca de 85%.

      Nos outros setores é idêntico.
      Agora vem esta cambada de labregos arvorar a bandeira das exportações.
      E o aumento da produção para satisfazer a procura interna fica para quando?

      • Nuno Cardoso da Silva diz:

        Os referendos incomodam algumas pessoas porque são formas de expressão da vontade de um povo sem passar pelos partidos e sem ser por eles condicionada. Mas agora um referendo de censura às políticas do governo seria a forma mais realista e expedita de derrubar este governo.

        • franciscofurtado diz:

          É engraçado que essa foi a ideia do Papendreu para legitimar o seu governo na Grécia, Lembra-se?… Mas a Merkel não deixou… Não me oponho, mas não devemos ficar à espera.

          • Nuno Cardoso da Silva diz:

            Não basta não nos opormos. O referendo é mais um instrumento de luta que deve ser activamente promovido. Sem descurar os outros, como é óbvio.

  14. Nunes diz:

    de valor era na proxima manif o pessoal cantar esse hino, podia ser que alguns abrissem os olhos.

  15. Pingback: Reuniões Governo/FMI são “guerra aberta contra Portugal” – Equacionando a resposta insurrecional | cinco dias

  16. António Júlio diz:

    Há aqui uma coisa, em todos estes comentários que alguns desconhecem e convém salientar. As lutas/greves dos Trabalhadores Portuários, são decididas no seio das respectivas organizações, em assembleias gerais, e são democraticamente decididas. NÃO HÁ INTERFERÊNCIAS DE QUALQUER CENTRAL OU GRUPO POLÍTICO, essa é a verdade que a muitos custa entender.
    A.Júlio- Aveiro

Os comentários estão fechados.