A golpada (Passos Seguros para a ditadura)

Na simulação para 181 lugares, feita à luz dos resultados eleitorais de 2011, o BE passaria de oito para quatro deputados e a CDU de 16 para 10. O CDS seria menos prejudicado: dos actuais 24 mandatos conservaria 22. O vencedor (neste caso o PSD) fica a ganhar com a mudança. «O partido mais votado é ligeiramente beneficiado e o benefício cresce à medida que a percentagem de votos é maior», regista o estudo.

Exactamente na sequência do PSD ter feito um apelo público para que o PS participasse numa “refundação” do acordo da troika, não será certamente por acaso,  que aparece nas mãos dos papagaios do governo este “estudo do PSD sobre a diminuição do número de deputados. PS e PSD estão preocupados com a representação parlamentar da esquerda. Por isso, há que fazer tudo para que a esquerda anti-troika seja varrida do parlamento, ainda que possa ter mais votos nas eleições.
Uma golpada manhosa, claramente articulada, tão habitual no mundo dos jotinhas mais medíocres, de que Passos e Seguro são belos exemplares.
O problema (deles) é que o país não é uma distrital e a Assembleia da República não é um Encontro Nacional de Dirigentes Associativos.
Andam a brincar com o fogo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

23 Responses to A golpada (Passos Seguros para a ditadura)

Os comentários estão fechados.