Obrigado Vítor Gaspar!

«Existe aparentemente um enorme desvio entre o que os portugueses acham que devem ter como funções do Estado e os impostos que estão dispostos a pagar», afirmou Vítor Gaspar. Aqui

Esta terá sido, até agora, a melhor declaração política para mobilizar as pessoas para o dia 31 de Outubro. TODOS à Assembleia da República para votar contra este orçamento.
Que os rios confluam.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 Responses to Obrigado Vítor Gaspar!

  1. observador diz:

    Está a trabalhar para quem e por conta de quem?

  2. Dezperado diz:

    Mas disse alguma mentira????

    • Antónimo diz:

      O enorme desvio é entre o que os portugueses acham que devem ser as funções do Estado e aquilo que Gaspar acha.

      O ministro das Finanças, um capataz cientificamente incapaz, esqueceu-se de acrescentar que os portugueses não estão dispostos a pagar o Estado que ele ainda não deixou de sustentar: o das ppp, da duplicação privada de funções que o Estado podia executar, o das prestações de serviços dos amigos do governo, o das empresas nacionais vendidas aos amigos mas construídas e pagas em contínuo pelos portugueses, etc., and so on…

      • Dezperado diz:

        Tem toda a razão….os trabalhadores nao querem pagar as PPP….só acho que acordaram tarde.

        Enquanto o fugitivo de paris, fazia as suas PPP, porque era preciso investimento publico para fingir que a taxa de desemprego descia….mesmo artuficialmente….os partidozitos aplaudiam….o povo batia palminhas.

        Mas num país que não cresce ha mais de 10 anos. Um país em que os trabalhadores não querem pagar impostos altos, acha que o país consegue dar educação, saude, transportes, de borla para todos?

        Podem dar as voltas que quiserem, podem ler o livro da Raquel (que é o livro da demagogia)…..mas não me parece possivel.

        Tenho pena que os trabalhadores da função publica quando foram aumentados em 2009, não tenham ido para as ruas protestar, porque deveriam saber que esse aumento (que serviu para o fugitvo de paris ganhar novamente as eleições) vinha do dinheiro emprestado!

        Em qualquer país que querem Estado forte, pagam-se impostos altos….acho que não foi o Gaspar que descobriu isso!

        • De diz:

          Desesperado está mesmo desesperado.
          E mente
          Mente e mostra ao que vem.E o ao que vem é da cor da sujidade da propaganda da direita baixa.
          “partidozitos que apoiaram as PPP”?
          Só os partidos da direita PS,PSD e PP.

          A esquerda sempre combateu estas PPP introduzidas por Cavaco.Esta forma de encher os bolsos privados com o dinheiro público
          Sorry mas não passa.
          Mas a trafulhice desesperada não se fica por aqui

        • De diz:

          “Os trabalhadores não querem pagar impostos altos”
          Quem assim fala é o cobrador de fraque?

          O país não quer nem tem que pagar os desmandos da direita a governar.
          Antónimo já lho disse.Como parece que não percebeu e atirou para o lado,sacudindo a água como se esta não molhasse da cabeça aos pés os pulhas que nos governam, eu vou repetir:
          O país (seja o que isso for) não tem que pagar esta política.
          “Uma política de salvação dos Grupos Económicos Monopolistas e do capital financeiro. Uma política que faz sr. 1º Ministro pagar aos trabalhadores, às pequenas empresas, às despesas sociais e ao investimento público, a factura dos desmandos, da especulação, dos jogos de casino, o lixo tóxico do capital financeiro nacional (BPN, BPP, BCP, etc) e estrangeiro, o enriquecimento sem limites e despudorado de grandes capitalistas e banqueiros, que tiveram total cobertura política do PSD, CDS e PS!”

          Sim, é isso mesmo.E se o dito país não consegue assegurar saúde e educação para todos, há que fazer mesmo uma revolução porque esta sociedade não presta.

          Deixemos para lá a demagogia barata do”transporte de borla para todos”,apenas aqui citado para demonstrar o modus operandi de.

        • De diz:

          Percebe-se o ódio ranhoso aos trabalhadores.
          Percebe-se que o aumento de 1,9% dos trabalhadores da função pública faça espécie a quem quer o capital bem concentrado em meia dúzia de mãos.
          O ridículo vai até ao ponto de se repetir um slogan batido no bas-fond da direita caciqueira sobre a exigência de manifestações dos trabalhadores para protestarem contra os seus aumentos (irrisórios, face à deterioração do seu poder de compra até essa altura).
          O ridículo não mata. Mas mostra a pusilanimidade de quem nem sequer tem tomates para destrinçar as responsabilidades governativas.E de quem mostra assim a “ignorância” pelo que são as lutas sociais.

          Podemos ir buscar exemplos concretos que mostram o conluio entre o Capital e o poder político (algo que alguns tentam esconder com todo o empenho,mesmo que para isso exijam manifestações para .)

          “No período eleitoral o presidente do BES Investimentos, José Maria Ricciardi deu uma entrevista à inefável Maria João Avilez, que faz luz sobre o que o grande capital financeiro pensa das soluções governativas .
          Nessa entrevista ao Diário Económico de 26.05.2011, Ricciardi diz: «O melhor era uma maioria estável, mas a dois. Parece-me útil que dentro do arco democrático, digamos assim, haja um partido que fique na oposição. A mais remota solução seria a do PS/CDS, mas não é impossível e já decorreu no passado».
          Tudo dito, o que interessa é que o poder fique entre os três partidos, a “direita dos interesses” como lhe chama a entrevistadora. E, na opinião do entrevistado que um dos grandes fique na oposição para a assegurar a rotatividade, mantendo no essencial tudo na mesma!
          Entrevistadora: A verdade é que o presidente do BES esteve sempre … com José Sócrates e o seu governo. Ao mesmo tempo que o Dr. Ricciardi se encontrava, discutia e apoiava o Dr. Passos Coelho, chegando a intervir e colaborar no «Mais Sociedade…»

          Entrevistadora: Sucede que …, aos olhos do País, foi como se o BES tivesse de algum modo casado com Sócrates…

          Ricciardi: Não, dantes não se dava tanto pela ligação entre o Banco e o governo, mas hoje, esta crise financeira… tornou mais frequente e mais estreita essa ligação…
          (…) A ligação entre o Dr. Ricardo Salgado e o primeiro ministro não é, nem foi diferente de outras! Com Durão Barroso, por exemplo, é até mais intima, ele chegou a colaborar com o Banco Espírito Santo.”

          O “dinheiro emprestado” pois então.Para a banca privada, sendo depois a factura apresentada a quem trabalha.

          Há mais.Mas por hoje basta porque a saúde pública assim o exige

        • Carlos Carapeto diz:

          O Gaspar não descobriu nada e se descobriu alguma coisa só ficamos a saber daqui por 15/20 anos, porque é mais lento que uma lesma.
          Ou também é daqueles que anda no encalço dele para lhe lamber o rasto de ranho, para depois nos vir contar?

          Se acha que os Portugueses pagam poucos impostos? E quando paga um patriota como Vc, pode dizer?

          Também faz parte daqueles que vivem iludidos. O problema do país não está nas pessoas, mas sim nas politicas que são seguidas. Porque tanto faz que seja o Socrates, Seguro, Barroso, Cavaco, Passos ou o raio que os parta todos, enquanto seguirem “humildemente” as diretrizes do grande capital a situação não muda.

          O problema é ordem politica e enquanto não se mudar de politica (não de politicos como até aqui) a situação só se vai agravar, e a realidade tem sido testemunha disso mesmo.

          Têm que se criar urgentemente condições para o país começar a produzir, primeiro para satisfazer as necessidades internas, e depois sim virar-se para as exportações.

          Qual foi o país do mundo que conseguiu desenvolver-se sem primeiro apostar na componente interna? Qual!

          A não ser que pretendam seguir os exemplos da, Índia, Indonésia, Bangladesh, Filipinas, Paquistão……?
          O que serve exportarem ” muito” se a degradação social é cada vez mais acentuada.

    • Rocha diz:

      A verdade não resiste há troca de palavras.

      A verdade seria “Existe aparentemente um enorme desvio entre o que os portugueses pagam em impostos e aquilo o actual Estado (do actual regime capitalista) está disposto a devolver em funções sociais do Estado”.

      Ou seja, os portugueses estão a ser roubados. Burocratas, eurocratas, banqueiros, patrões, oligarcas e agiotas são os autores do roubo.

    • De diz:

      Disse a cartilha de um sebento, sedento de mais sangue
      Disse o que lhe vai na alma.Na alma de um sabugo neoliberal a tentar fazer o que um neoliberal gosta e replica: privatizar o que se puder, reduzindo o papel do Estado à menor expressão possível.
      E o crápula tem o desplante até de falar em impostos,quando ficou provado por a mais b que o estado da presente situação derivou da política de direita ao longo de décadas e da total submissão aos grandes interesses económicos.Impostos pagos pelo Trabalho , com a protecção sobre o Capital.Eis a face de classe de um governo tenebroso que pratica o fascismo económico.
      O admirador de Friedman, amigo e companheiro de Pinochet, mostra mais a sua face. Já não se trata de”cortar nas gorduras do Estado”.Estão já em causa as funções do dito Estado.A quadrilha neoliberal/caceteirta avança. Quais veros terroristas sociais

      Ah, não deixa de ser curioso a não percepção do conteúdo do post.Tem admiradores este Gaspar.
      Sorry mas não passa.

  3. Dédé diz:

    Enfim Gaspar, quase que acertaste, existe de facto um desvio colossal entre as funções de Estado que queremos, e as que o Governo pratica:
    PARA QUEM É POBRE A MISÉRIA NÃO É DIFÍCIL

  4. Pingback: “O melhor povo do mundo” vai dar ao Gaspar o troco que o Coelho merece! | cinco dias

  5. António Carlos diz:

    Esta frase, que deveria merecer reflexão séria de todos, é “despachada” como mais um mote para convocar manifestações. É pena, mas era expectável.

    • De diz:

      Esta frase “despachada”?
      Mas francamente não percebe o que lê ou mantem esse péssimo hábito já denunciado por aqui?
      Ponto 1- a frase não foi despachada.
      Ponto 2- a frase foi escalpelizada e permitiu ver até onde vai o apetite dos neoliberais.
      Ponto 3- a frase convoca para a luta porque o que aí vem continuará a sair dos alfobres dos terroristas sociais que prometem mais fome e miséria
      Ponto 4- por trás da frase advinha-se já a cabeça desse monstro pinochetiniano chamado Friedman.
      Ponto 5- um neoliberal não deve gostar nada que a frase do representante do seu governo seja assim tão posta a nu.Era expectável.

  6. António diz:

    Ora bem…se o estado gasta mais do que aquilo que recebe, nao vejo onde está o escandalo.

    • De diz:

      Ou seja para esta cambada mafiosa neoliberal a” resolução do problema do défice passa pela substancial redução das funções do Estado. O que “justificaria” a privatização de mais empresas e maiores reduções salariais e despedimentos, mas também o desmantelamento dos serviços públicos de saúde, educação e Segurança Social, a espinha dorsal de um Estado social. Desde sempre o propósito nuclear deste Governo”.
      Entretanto desvia-se o dinheiro público para pagar os rombos privados.

      António não vê o escândalo. É natural. Serve o que serve e a quem serve.

  7. V CABRAL diz:

    Ele disse isso já lá vão 15 dias, mas as suas palavras são tão lentas e estudadas, que só apareceram agora… o salazar mandou vir este gajo mas graças à sua lentidão, só agora estamos a aturá-lo. Para ser posto no Caixote do lixo, vai ser a mesma merda !

  8. eu diz:

    Alguém dê uma lição ao gaspar de Realimentação Positiva!O gajo não percebe nada de Matematica.

  9. Rafael Ortega diz:

    Eu lembro-me do rasgar de vestes que foi aqui a dizer que não pediriam factura num restaurante ou loja.

    Os países com bons sistemas de saúde, segurança social e educação (nórdicos) não é preciso pedir a factura, nem passa pela cabeça do comerciante não a dar.

    • De diz:

      Mais uma vez os equivocos que sobram

      Ortega.As vestes rasgadas são um problema de quem as rasga e de quem as não rasga.Não traduzem mais nada do que impressões vagas e empíricas.
      Daí que não tente misturar as “bocas ” de uns com as políticas oficiais governamentais.
      (Para além do mais isso é pouco honesto.
      Poderemos falar dos perdões fiscais a cargo dos governos de direita.E tenebrosamente ocultados.

Os comentários estão fechados.