Fluxogramas e Vernissages

Daniel J. Boorstin

“Nunca se consome o objecto em si (no seu valor de uso) – os objectos (no sentido lato) manipulam-se sempre como signos que se distinguem quer filiando-o no próprio grupo tomado como referência ideal, quer demarcando-o do respectivo grupo por referência a um grupo de estatuto superior. (…) É precisamente ai que reside o valor estratégico e a astúcia da publicidade: atingir cada qual em função dos outros, nas suas veleidades de prestigio social ratificado.  Nunca se dirige apenas ao homem isolado: visa-o na relação diferencial e quando dá a impressão de retardar as suas motivações ‘profundas’, fá-lo sempre de modo espetacular, isto é, convoca sempre os vizinhos, o grupo, a sociedade inteiramente hierarquizada para o processo de leitura e encarecimento que ela instaura. (…) O consumo define-se sempre pela substituição da relação espontânea mediatizada por meio de um sistema de signos.”

Jean Baudrillard

A reler os teóricos dos pseudo-eventos, a propósito desta notícia e dos contributos do Party Program e do Rick Dangerous.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

24 Responses to Fluxogramas e Vernissages

  1. Pascoal diz:

    Caro Renato
    Desculpa-me lá, mas às vezes acho os teus posts uma espécie de não-posts.

  2. João Vilela diz:

    Conta-se muitas vezes, a propósito do assassinato de Ribeiro Santos, o momento tragicómico imediatamente anterior ao crime em que, depois de os estudantes imobilizarem um bufo da PIDE, um PIDE presente no local foi chamar a PIDE para que a PIDE dissesse se o PIDE era PIDE ou não era PIDE. Aqui, temos o BE a ir ter com o BE para pedir ao BE que vote a ILC do BE. «Primeiro em tragédia, depois em farsa», bem dizia o outro.

    • Pedro Pinto diz:

      O PI é muito mais que o BE. E olha que não lhes tenho simpatia especial, principalmente ao BE. Mas é a verdade.

      • Renato Teixeira diz:

        Para ser mais preciso é, nas minhas contas, um activista. Já deixei de papar grupos. Pode deixar a encomenda para quem de direito.

  3. closer diz:

    Ainda bem que o Movimento dos Sem Emprego nada tem a ver com o MAS.

    Assim fico mais descansado

    • Renato Teixeira diz:

      E pode mesmo. Há um militante do MAS na sua coordenadora, e poucos mais a ir aos plenários. Sobretudo, sobra muita gente ao MSE que não é do MAS, da Rubra, do Colectivo Mumia ou, pasme-se, do Bloco de Esquerda, da Renovação Comunista e do Partido Comunista Português. Há vida além do apparatchik.

  4. Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

    Bom dia, mas permitam-me um desabafo/pergunta?

    Porque é que voces que compartem o mesmo espectro político (esquerda-extrema esquerda) se odeiam tanto?

    A sério, é que para quem está de fora, além de incompreensível e ridículo, parece mesquinho e auto-destruidor…

    Sem animo de ofender, saudações cordiais,
    Jose dos Passos DAM

    • Renato Teixeira diz:

      A extrema-esquerda ama-se, mas tem uma forma estranha de o demonstrar. O BE é outro assunto, naturalmente.

      • Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

        Eheheh…

        Farpa venenosa no bloco, o sarcasmo no seu melhor.. vocesselencias odeiam-se de facto.

        Alguem vos leva a sério?

        • Renato Teixeira diz:

          Entre outros, o João Passos Dias Aguiar Mota. 😉

          • Joao Passos Dias Aguiar Mota diz:

            Mas entao… nada neste blog é para levar a sério?…

            Tudo não passa de brincadeiras adolescentes?…

            Levados da breca, co diacho!

        • eu diz:

          Sim! Dê lá um abraço ao Dias Loureiro e,já agora ao opus dei bankster Jardim Gonçalces-estes é que são uns grandes ‘senhores’.Veja lá se está na hora de lhes ir lamber os testículos.Ele há gente para todos os papeis…

  5. Augusto diz:

    Quando o Renato Teixeira da Revista Rubra, se reúne com o Renato Teixeira do MSE, como se cumprimentam…AO ESPELHO?

  6. Miguel Miguéis diz:

    Ele não percebe. O Renato Teixeira não percebe que é um Tamagochi, uma espécie de hamster que o pessoal usa para brincar. De vez em quando, quando ele percebe os vidros que o cercam, só no reflexo, percebe que está sozinho. Mas ainda assim, não aprende nada. Mas é bom ser assim, de vez em quando vimos aqui vê-lo a correr nas rodinhas, como os ratinhos hamster. É um cruzamente entre o tamagochi (porque é só digital) e um hamster, porque está fechado e anda às voltas e voltas e voltas.

    • Renato Teixeira diz:

      Tanta poesia desperdiçada. Gostei particularmente da ideia de tamagochi, ainda para mais associado a este post.

  7. V Cabral diz:

    Ainda não percebi quem é da direita, da esquerda ou dos canhotos, mas o meu papel é estar do lado da justiça por isso umas vezes concordo e apoio os da esquerda e às vezes, por engano, os canhotos … mas não me lixem, PS/PSD/CDS é uma porcaría e contra a porcaría estarei sempre !
    Quanto aos Grupos e grupinhos de esquerda, entendam-se. Não se digladiem, que isso dá merda !!!

Os comentários estão fechados.