O céu deles, o nosso inferno.

Primeiro despediram-no. Depois expulsaram-no de casa. É que nos bolsos vazios já não havia dinheiro para patrocinar os juros do empréstimo bancário. Entre as caixas de cartão e os plásticos, debateu-se até ao fim para agarrar as últimas sobras de dignidade. Não se sabe para onde foi ou mesmo se se suicidou. O que se sabe é que ela nunca mais o viu. Parecia-lhe impossível que aquele homem de gestos educados fosse obrigado a viver naquela pocilga urbana. Para ela, que para alimentar os dois filhos fora obrigada a prostituir-se, aquilo não era nada. Antes, sim.

Meses depois da morte do marido num acidente de trabalho na construção de um prédio para os lados de Oeiras viu-se sem emprego e sem recursos. O emprego era ilegal e ele não foi notícia nos jornais. Mas ela foi. Anos mais tarde, saiu numa coluna do Correio da Manhã esventrada numa valeta. Um dos filhos dedicou-se ao tráfico de drogas. Não sobreviveu e alguns dos clientes também não. Mas alguém na Quinta da Marinha ficou ainda mais rico. Já o irmão alistou-se nas forças armadas e acabou a combater no Iraque. Voltou à pátria num caixão de madeira.

No país em que o desemprego e a emigração é uma oportunidade tudo pode acontecer. Portanto, isto não é um relato verídico. Mas também não é fictício. Em Portugal, a única ficção é a que vivem os fantoches da troika. A tragédia social em que vivemos também existe para que as velhas de Cascais possam discutir nos salões de chá para quantas obras de beneficência contribuem. É assim que se compram as passagens para o céu dos ricos. Para nós, sobra o inferno. Mas no dia em que se decidir deixarmos de ser nós a pôr os mortos a verdade falará. E na Terra, o inferno será deles.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a O céu deles, o nosso inferno.

  1. Frederico diz:

    Muito bom. É um romance a nascer?

  2. Pedro Borges diz:

    Brutal!

  3. De diz:

    Terroristas sociais é o que eles são.
    E como tal devem ser tratados.

  4. Pingback: Em democracia Portugal nunca conseguirá controlar a despesa | CHULE-PT

Os comentários estão fechados.