Um livro incontornável para provar que são os trabalhadores a pagar o Estado Social

Uma vez que os trabalhadores não devem um chavo, a troika que escolha outro endereço para enviar a factura.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a Um livro incontornável para provar que são os trabalhadores a pagar o Estado Social

  1. Obrigado Raquel,e todo o grupo,clarinho como água,mesmo para quem não quer entender.
    Vou ler com toda a atenção.

    O video,com a devida vénia,vou roubar.

    mário

  2. Luís diz:

    Vou comprar amanha. Sempre quis saber por que motivo tínhamos que cortar o estado social se os nossos impostos são suficientes para o manter. Sobram as mentiras e jogadas criminosas dos outros todos.

  3. A “angústia” dos portugueses afogados em dívidas é falsa.
    Obviamente, não é verdade que o dinheiro dos contribuintes não chegue para pagar as despesas sociais do Estado, conforme fica demonstrado neste estudo. Mas isto não é novidade, nem a descoberta da pólvora – já no tempo do salazarismo, na dácada de 60) era vox-populi “nós é que andamos a pagar a estes parasitas todos”. Entretanto com a revitalização do capitalismo após o 25 de Abril/25 de Novembro a parasitagem provavelmente aumentou para aí uns 3000%.

    Hoje, a maior parte do endividamento das familias corresponde ao pagamento de casa própria, (que não é do próprio mas do Banco), e apenas 2% entraram em incumprimento (1957 milhões de euros em 2011). Quer isto dizer que 98% não deve nada, e os que devem estão a pagar. Por sua vez o crédito concedido ao consumo que se encontra em situação de malparado representa 7% dessa parcela da dívida. Nada que os bancos, com a margem de lucro que obtêm sobre os outros 93% dos créditos não possam dar conta. O problema é que o dinheiro que os bancos emprestaram não é deles; os bancos por sua vez foram pedi-lo a outros bancos estrangeiros. E os bancos, com a crise geral gerada a partir dos grandes centros financeiros que emitiam titulo falsos, deixaram de ter possibilidades de amortizar esses empréstimos. Faliram. E é a dívida dos Bancos que os portugueses estão a ser chamados a pagar

    • Nuno Cardoso da Silva diz:

      Francisco,
      Consegues provar aqui que percebes mais do que se passa à volta da dívida do que muitos que julgam que são peritos nessa matéria. Falta acrescentar que a dívida tem uma causa estrutural no défice da balança externa, razão pela qual é imperativo anular esse défice. Aumentando as exportações e substituindo importações de bens que podem ser produzidos localmente, nomeadamente no sector alimentar. Equilibrando a balança comercial e mantendo o défice orçamental primário a um nível que possa ser coberto no mercado interno, já podemos fazer um manguito aos credores e dizer-lhes que recusamos pagar juros superiores aos que são exigidos à Alemanha. Só aí – mesmo antes de avaliarmos se a dívida soberana é toda legítima ou não – poupávamos 5 a 6 mil milhões de euros por ano. É isto que temos de exigir no curtíssimo prazo, antes de tentarmos fazer mudanças estruturais para as quais não temos ainda a força necessária.

  4. país-escafandro diz:

    Esta gaja só serve para distrair a malta, não falta muito para que a amansem. Este livro como muitos outros escritos nos últimos anos , aos quais chamam de “crise”, são como muitos outros, de outros tempos, e que proliferaram no pós 25 Abril e que continuam a abundar nas feiras dos livros e da ladra. Livros que ninguém leu porque não interessam, porque se realmente interessassem já não circulavam. Nessa altura toda a gente tinha um livro de esquerda em casa mas para o seu grande azar ou sorte não o entendiam.

    • Renato Teixeira diz:

      Para quê os livros, então? E as gajas? E a esquerda?

      • país-escafandro diz:

        Exactamente Renato. Para quê certos livros? A auto-censura em casos como este é frutífera. Quanto às gajas e a esquerda é tudo uma questão de catarro com cabelo grisalho. Dispenso obrigado!
        A sociedade capitalista que aqui tanto se condena é a mesma que alimenta este tipo de excedente “literário”. Nem todos os livros são merecedores de serem qualificados como parte da cultura.

        …mas, compre já que vai desfrutar!

  5. JgMenos diz:

    Fantástico! Exceptional!
    Quem deve afinal não deve. Os trabalhadores pagam o Estado Social, e como a polícia, o exército, o Estado, só servem para defender o capital, as estradas só servem para fazer circular o capital, as eleições estão aí para o garantir, e o Instituto de Socorros a Naufragos e os bombeiros para que o capital não arda ou se afogue, a conclusão inevitável é que compete ao capital pagar a dívida!

  6. ZZZ diz:

    “the revolution will not be televised” mas sempre dará algum lucro ao Grupo Porto Editora.

Os comentários estão fechados.