O Mendigo

Fernando Ulrich, que vive e espera continuar a viver à conta de estender a mão e pedir – o que até aqui tem resultado porque tem um salário (renda, salário tem quem trabalha!) fixo anual de 346 mil euros – veio mendigar mais um pouco ao Estado. Que os desempregados vão trabalhar para ele. Considerações morais à parte recordemos um facto – o subsídio de desemprego não é uma dádiva, mas resulta de descontos que os trabalhadores fizeram e entregaram a uma pessoa supostamente de bem – o Estado – que numa situação de aperto os devolve, nomeadamente para que essas pessoas possam sobreviver  ir à procura de outro trabalho. Nem mais nem menos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to O Mendigo

  1. M. Abrantes diz:

    Os desempregados com subsídio irem trabalhar para ele, podia até nem ser absurdo. A desfaçatez deste senhor residiu na insinuação que fez de que os salários desses trabalhadores fossem pagos pelo estado. Sob a capa de benemérito piscou um olho à mão de obra gratuita que assim obteria. Mais um abutre a juntar aos que estão no poder.

  2. Bolota diz:

    Raquel,

    Esta especie só vive assim porque a nossa reacção é nula. Porque nestas coisa, quem tem cu tem medo…

Os comentários estão fechados.