Imigrante, força de trabalho

Marx dizia que o capitalismo não queria escravos, pouco produtivos. O capitalismo queria «trabalhadores livres como passarinhos», uma mercadoria que se move, sem estar agarrada a nada, um grilhão ou uma casa, uma família ou um bairro, um contrato sem termo ou um projecto de vida. Numa altura em que se discute a criação de um mercado europeu de força de trabalho – «emigrem!» – este colóquio sobre imigração discute o que está em causa – a acumulação de capital, a perda de sentido da vida, retornar sem pertencer  mais a nada nem ninguém; a questão social, a ausência de direitos, as estratégias de cooperação, solidariedade, contenção social. Amanhã, no IHC, FCSH, entrada livre. A coordenação é da Maria Augusta Tavares, Professora que honrou o Grupo de Estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais no último ano e meio e que agora regressa ao Brasil, despedindo-se em grande!

Programa completo aqui

http://ihc.fcsh.unl.pt/pt/agenda

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Imigrante, força de trabalho

Os comentários estão fechados.