Assalto armado à saúde

O livro Quem Paga o Estado Social em Portugal?, coordenado por mim e escrito por 18 autores – historiadores, economistas (entre eles Eugénio Rosa, também colaborador do 5dias), um físico teórico, um filósofo – de várias correntes do marxismo vai estar hoje em discussão no Porto, na Livraria Bertrand Dolce Vita Porto, às 18.30, apresentado pelo sociólogo João Valente Aguiar, também blogger do 5dias.

Quem Paga o Estado Social em Portugal? teve já milhares de «gosto», centenas de partilhas no FB, centenas de comentários que circulam em dezenas de jornais online, rádios locais e blogues. O livro atinge por isso o seu propósito assumido: ser um instrumento contra-hegemónico, um meio de dizer a verdade sobre as contas reais dos gastos sociais dos trabalhadores portugueses e da sua relação com a dívida pública. A ciência ao serviço da verdade, que é para isso que ela existe.

Ontem soubemos que o Orçamento de Estado corta na saúde e aumenta na defesa. Trata-se, metafórica e literalmente, de um assalto à mão armada. Porquê?

Porque mais de metade do que os portugueses pagam para o SNS vai directo para os hospitais-empresa. E o serviço é melhor, mais eficiente? Não! Fizemos as contas e desde que começaram as PPP na área da saúde aconteceu o seguinte: diminui o número de tempo de consulta de cada médico com o doente, o nº de consultas por doente, o nº de camas nos hospitais, o nº de centros de saúde, o custo final do serviço prestado aumentou, aumentou o volume de contratação externa de serviços na saúde e diminui o salário dos médicos e enfermeiros. A produtividade, contabilizada… baixou!

Quem Paga o Estado Social em Portugal? continuará a ser apresentado e discutido em mais de uma dezena de universidades em Portugal, Espanha, Inglaterra, Brasil onde vamos apresentar o estudo.  Convidamos todos a lê-lo, discuti-lo, apropriarem-se dele para o combate político contra aqueles que querem destruir o Estado social e pôr-nos ao pescoço a canga de uma dívida que não é nossa.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 Responses to Assalto armado à saúde

Os comentários estão fechados.