Civilização ou barbárie

Segundo esta notícia, na EB1 nº 2 de Quarteira em Loulé, houve uma criança que foi impedida de almoçar porque os pais, alegadamente, têm uma dívida de 30€ para com a escola. A notícia acrescenta o pormenor sádico que a criança terá ficado a assistir ao almoço dos colegas e que, ainda que uma funcionária se tenha oferecido para lhe pagar a refeição, terá sido impedida pela direcção de o fazer.
O nome da directora da escola que não tem pudor em defender a decisão é Conceição Bernardes (destaco o seu nome para que todos os que lhe são próximos se envergonhem de a reconhecer).
A ser verdade o conteúdo da notícia, toda a direcção desta escola tem de ser imediatamente exonerada de qualquer actividade nesta e noutras escolas, e deverá ser aberto pelo ministério público um processo de inquérito por crimes contra a Humanidade.
Não fiquemos calados quando a barbárie nos invade o quotidiano. O silêncio já sabemos onde nos leva.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

32 Responses to Civilização ou barbárie

  1. Dezperado diz:

    “A ser verdade o conteúdo da notícia”…

    Não acha esta situação grave de mais para estar a fazer um “a ser verdade”??? Ou é ou não é….e se for, é muito grave!

  2. JP diz:

    Um vómito!
    Mais que a degradação económica, choca a corrupção moral.

    É nisto que nos estão a tornar!

  3. maradona diz:

    quando lhes serve os propósitos, o correio da manhã já é uma fonte fiável e digna. aposto o que quiserem que essa merda se não é totalmente mentira, está muito mal contada. claro que, entretanto, se achincalha o nome de um desconhecido (corajosamente a bold, porque se está a defender crianças), e nem a hipótese pensada pelo próprio nuno ramos de almeida de as coisas não estarem relatadas com verdade, o demoveu deste lindo espectáculo de nos esfregar na cara a sua sensibilidade, moral e revolta com a situação do povo, mesmo que isso faça uma vítima pelo caminho. foi sempre assim, não há razão nenhuma pare se pretender que agora seja diferente.

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      maradona, qual é a “hipótese pensada pelo próprio nuno ramos de almeida”?
      É verdade que a história até pode não ter sido bem assim, a tabloidização pode estar a falar mais alto… por isso a ressalva: “a ser verdade o conteúdo da notícia”.
      Mas, pela citação, a directora defende a sanção. Não percebe que o não pagamento de uma conta, não pode ser matéria de retaliação sobre uma criança. Não pode continuar a ocupar o lugar que ocupa.

  4. notrivia diz:

    A ser verdade, essa senhora e amigos encontram-se gravemente doentes.

  5. Quando vejo noticias destas, por norma, desconfio. Convém não esquecer que por definição um jornalista é um gajo especializado em saber nada acerca de tudo.

  6. Jacinto Bettencourt diz:

    Pelas declarações da directora, as coisas aconteceram. Um nojo, é o que é.

  7. Só não percebo o teu “alegadamente”, Tiago. Os pais têm uma dívida. Ponto. Daí que não se dê de comer à criança, com o acrescento sádico de a deixar ver comer os outros, vai a distância que separa uma pessoa decente de um filho de puta. E essa senhora é uma grandessíssima filha de puta! Quanto ao “a ser verdade”, também não entendo: porque as declarações da própria ao jornal bastam para avaliar o carácter da besta.

  8. Alice Marques diz:

    ” a ser verdade”. Não posso testemunhar a verdade do que se passou no Agrupamento de Loulé. Mas posso escrever aqui, que em Tomar, no Agrupamento de escolas Santa Iria de Tomar, aconteceu caso igual. Não aconteceu nada aos responsáveis, que continuaram nos seus postos . Apesar de Albino Almeida se mostrar chocado com a situação, o municipio calou-se, e a Direcção apoiou a medida tomada pelos responáveis: Não PAGA, não COME. Assim mesmo. A dívida de refeições acabou paga por donativo de um cidadão. As crianças ( 2 irmãos) acabaram transferidas de escola. Vivemos tempos trágicos de desumanidade, falta de principios solidários e corrupção moral, Em níveis de Direcção e Gestão das Instituições Escolares, acabam a (de)formar quem por eles passa. A solidariedade a desfazer-se, quando mais falta faz. Sobra a caridadezinha, depois da retirada dos direitos á dignidade.

  9. paulo diz:

    mas sai logo uma imagem de um campo de concentração, comparando a sra a uma nazi. não deveria a dita ser ouvida?
    não era mais etico confirmar 1º, imagine que a história não é assim…. o CM não é bem um jornal

  10. eva diz:

    Ja vi esta noticia esta manha, e fiquei escandalizada. O unico que volto a dizer é que, na sociedade em que vivemos actualmente, a refeiçao mais equilibrada que muitas crianças comem é na escola, porque em casa vao dormir com um copo de leite e um pao com manteiga.
    E, se estes pais nao teem dinheiro para pagar estes 30€ que estao em dívida, a saber que necessidades passarao, e que faltara a esta criança no seu dia a dia e no seu mundinho supostamente cor-de-rosa.
    Esta fulana deveria de ser despedida imediatamente, ela e toda a corja envolta nesta decisao .

  11. Sandra Santos diz:

    Gostava de saber,se essa sra.tem filhos ou netos e se lhe daria alguma satisfação em vê-los submetidos a tamanha provação,falamos de recusar um prato de comida a uma criança!Esta sra.deveria,da mesma forma que confirmou o não arrependimento da medida tomada,ceder o lugar que ocupa a alguem mais humano e civilizado e com competencia para lidar com situações destas sem fazer das crianças “bode espiatório”

  12. Cidadão Comum diz:

    É a lógica “as dívidas são para pagar” transformada em fundamentalismo ideológico.

    • Caxineiro diz:

      Vi na TV a explicação que a senhora deu ao jornalista e podem ser resumidas dessa maneira “as dívidas são para pagar”. Aliás, ela disse exatamente isso

  13. Gonçalo diz:

    Tudo isto é uma treta.
    Se se abrir sequer a possibilidade de não haver consequências quando alguém não paga o serviço (seja ele qual for), quantos restarão a pagar?
    E se não houver receitas por essa razão, acaba o serviço. Aí, não será um a sofrer consequências. Serão todos.
    O procedimento aparentemente seguido é o correto. As crianças/alunos cujos pais foram negligentes são mantidos à parte e é-lhes dado uma sandes e fruta. Nada de fome. Nessa noite os pais têm conhecimento do facto e no dia seguinte exercem as suas responsabilidades.
    Note-se que o custo das refeições são proporcionais aos escalões sociais. Sendo até gratuita para uns.
    A responsável Conceição Bernardes procedeu bem e em conformidade. O meu voto na petição para louvar o seu procedimento. Só assim salvaremos uma sociedade que, para dar tem de ter…

    • De diz:

      Tudo isto não é uma treta!

      Tudo isto é a face visível duma sociedade desumana,duma sociedade em que até os mais elementares valores éticos e morais são afastados pelo lógica do dinheiro e da ganância.
      E os abutres sobrevoam clamando pelo pagamento e insistindo na intriga e na chantagem da sobrevivência do sistema.
      Sistema?
      Este sistema que gera as monstruosidades a que assistimos e que já foram tão bem aqui denunciadas?
      A corja neoliberal sabe o que faz.As palavras solidárias ficam esquecidas nos seus juízos.Sobrarão depois palavrinhas beatas a falar na caridadezinha aos pobres ?

      O neoliberalismo ama o mercado e endeusa-o. Quer perpetuar a exploração do Homem pelo Homem e arreganha o dente a clamar pela globalização. Dos capitais. Indiferentes às cenas de miséria que estas sanguessugas hipócritas querem manter, para se manterem as receitas da máquina do capital em movimento

      Alguém diga aí o Gonçalo que por mais que lhe custe, houve e há sociedades em que as crianças, que não têm culpa da existência dos pinochetianos neoliberais gaspares e coelhos, são protegidas e defendidas dos eventuais “erros” dos pais .
      E que a conclusão é óbvia.Destruir uma sociedade capitalista como esta é a unica saída.Contra a fome e a miséria.Pela dignidade do ser humano.E contra quem puxa da máquina de calcular desta forma infra-humana tentando cobrar dos mais fracos a ignomínia duma sociedade desigual e de classes.

    • notrivia diz:

      Epá… Mais um doente.
      Mas há tratamento.

  14. jimmy diz:

    Se fosse o meu filho fodia lhe a boca a pontape………

    • Zuruspa diz:

      Se tratas o teu filho da forma imbecil como trataram aqueles “pais” aquela criança, sou eu que te fodo a boca à biqueirada!

      Cadeia para os pais por negligência, despedimento para a directora por sadismo!

  15. jimmy diz:

    Se isto nao e terrorismo fundamentalista entao digam me o que e……….

  16. Sandra Santos diz:

    Numa sociedade onde as crianças são alvo de todo o tipo de barbaridades,sendo que a maior parte provocada por adultos e até no seio das familias,utilizar uma criança(as)como exemplo para que um adulto cumpra as suas responsabilidades, e sendo a escola uma das fontes de educação,civismo,respeito etc…quem vai servir de modelo para consciencializar as crianças para assumir as suas próprias responsabilidades(isto está tudo ao contrário).
    Que vergonha!

  17. enhorabuena diz:

    nada a dizer quanto ao texto mas a escolha da foto é muito infeliz. Nada a ver!

  18. Pingback: Alguém conhece o rosto da barbárie? | Sentidos Distintos

  19. madalena santa-marta diz:

    também eu achei nojento , também eu desconfiei, também eu me indignei e também eu esperei- eis a esperada resposta:

    http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf

    • madalena santa-marta diz:

      faltou rematar: ela não almoçou, mas pelos vistos não ficou sem comer. A questão é que uma criança de 5 anos não tem culpa dos pais e educadores que tem, por isso jamais deveria ser colocada nesta situação.

  20. madalena santa-marta diz:

    também eu achei nojento , também eu desconfiei, também eu me indignei e também eu esperei- eis a resposta:

    http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      madalena, além da ameaça não vejo em que medida é que este comunicado esclarece o que quer que seja. A menina não almoçou mas não ficou sem comer?

  21. M. Abrantes diz:

    É inacreditável. Algo vai mal na escola em causa. Mas talvez fosse dispensável colocar o nome da senhora, uma vez que não se sabe como tomou corpo a decisão. O Völkischer Beobachter também denunciava pessoas de quem não gostava. O método é em si feio e não resolve o problema da menina.

  22. Joana diz:

    Esta noticia infelizmente é verdade. Excepto a parte que diz que a criança foi obrigada a assistir aos colegas a comer. Ficou numa sala com uma professora que lhe deu pão e agua até a mãe chegar.

Os comentários estão fechados.