ORÇAMENTO 2013, CRIME, AGIR: GUERRA É GUERRA

grades s. bento

“As almas filantrópicas poderiam então facilmente julgar que existe uma maneira artificial de desarmar e derrotar o adversário sem verter demasiado sangue, e que é para isso que tende a verdadeira arte da guerra. Por mais desejável que isso pareça, é um erro que é preciso eliminar. Num assunto tão perigoso como é a guerra, os erros quanto à bondade da alma são precisamente a pior das coisas. Como o uso da força física na sua integralidade não exclui de modo nenhum a inteligência, aquele que se utiliza sem piedade desta força e não recua perante nenhuma efusão de sangue ganhará vantagem sobre o seu adversário (…).

“Repetimos pois a nossa afirmação: a guerra é um acto de violência e não há nenhum limite para a manifestação desta violência. Cada um dos adversários executa a lei do outro, donde resulta uma acção recíproca, que, enquanto conceito, deve ir aos extremos.”

                                                                    Carl Von Clausewitz, Vom Kriege (I, 3)

Para ler, reler. E pensarmos.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

12 Responses to ORÇAMENTO 2013, CRIME, AGIR: GUERRA É GUERRA

  1. Pingback: Cercos e circos « Declínio e Queda

Os comentários estão fechados.