Falar para não ficar calado

Jorge Sampaio foi à televisão fazer aquilo a que nos habituou: debitar uma série de coisas que são do conhecimento de toda a gente. A certa altura juntou uma espécie de conselho ao seu sucessor na Presidência da República. Disse, então, que se fosse Presidente chamaria a Belém os três partidos e que os “obrigaria” a um entendimento.

É reconfortante ver como destas cabecinhas não sai mesmo mais nada. Para Sampaio a solução para o problema encontra-se juntando no Governo os mesmos três que o criaram. Os restantes partidos parlamentares não contam para nada. Até ao dia em que o povo entender e decidir o contrário!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

2 respostas a Falar para não ficar calado

  1. Baresi88 diz:

    Mas por isso mesmo é que ele foi à televisão! Para dizer mais do mesmo.

  2. pilantra diz:

    Na crise académica de 62 era o «cabeça de cenoura».
    Na época o «cabeça de abóbora» era o Américo Tomás, que fazia discursos interessantes como aquele do «Desde a última vez que cá estive, hoje é a primeira vez que cá venho».
    Querem ver que mudam-se os tempos, muda-se a hortícola
    e onde havia cenoura há hoje abóbora para as farturas?
    lol

Os comentários estão fechados.