Bom dia, Venezuela!

O jornal espanhol de direita, o ABC, ainda tentou através de uma empresa israelita de dados. A notícia informava que acabava o sonho bolivariano. Mas não surtiu efeito. Foi um dia extraordinário. Um marco na história eleitoral da Venezuela. Hugo Chávez saiu vencedor da maior votação (80,94%) da pátria de Simón Bolívar. Foi a eleição de sete milhões e meio de venezuelanos (54,44%) contra a opção dos seis milhões que votaram em Henrique Capriles Radonsky (44,97%). Quando a presidente do Conselho Nacional Eleitoral confirmou a vitória do actual presidente da República Bolivariana da Venezuela o país explodiu de alegria. Os foguetes que rebentavam desde as barriadas mais pobres de Caracas eram a prova de que se anunciava o que todos queriam ouvir. Então, um rio caudaloso de gente e mais gente começou a descer as encostas que cercam a capital para abraçar o Palácio de Miraflores. Há dez anos, fizeram-no para derrotar o golpe fascista. Hoje, fazem-no para festejar com Hugo Chávez. Viva Venezuela, no joda!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Bom dia, Venezuela!

  1. Fernando Valente diz:

    Grande vitória!! Depois de 13 anos é obra. Viva Chávez carajo!!

  2. Camisa Roja diz:

    UH AH, CHAVEZ NO SE VA ! 😀

  3. Jorge diz:

    Estive a acompanhar as eleições nos únicos canais disponíveis para o efeito: VTV e Telesur. Nos nossos canais, a mesma desinformação do costume. Pacheco de Miranda dava conta do crescente assalto aos super-mercados, porque os venezuelanos contavam já na vitória de Caprilles e na vingança dos chamados “rojos” (apoiantes de Chavez). A televisão mostrava imagens de um super-mercado cheio de gente. A única entrevistada foi uma apoiante de Caprilles. De resto, nos nossos canais, como também na TVE internacional, a ideia formada era de medo, de total ausência de participação nas eleições, bem como de festa democrática. Caprilles seria o vencedor.
    Felizmente, que os dois canais disponíveis provaram o contrário destas (des)informações. Houve uma grande participação democrática, derivado ao interesse que as pessoas têm no seu processo democrático e porque Chavez não defraudou o seu povo na campanha eleitoral.

  4. Henrique Capriles Radonsky é um imigrante judeu… por isso Israel se interessou pela candidatura que lhe podia põr uma economia de 20 milhões de pessoas ao serviço de Wall Street – estas coisas não acontecem por acaso nem são brincadeira
    http://en.wikipedia.org/wiki/Henrique_Capriles_Radonski#Personal_life

  5. Carlos Carapeto diz:

    Não só deve ser destacada mais esta vitoria de Chavez (o presidente mais escrutinado) como também a elevada participação popular no ato eleitoral cerca de 80% .

    Esta é mais uma data para recordar pelas forças progressistas. Como também não é para esquecer o que representa o 8 de Outubro para o movimento Internacionalista. O assassinato do Che.
    Aqui vai a minha homenagem possivel a Che Guevara.

    http://www.youtube.com/watch?v=Y8ynNRN_MxQ

  6. Rocha diz:

    Pois é, pois é…. é tudo muito lindo, mas provavelmente este senhor continuará a entregar guerrilheiros às imundas prisões colombianas onde a tortura lhes espera. E deter na prisão a Julian Conrado.

    Estou contente com a derrota do nazi Capriles Radonsky. Claro que estou. Já com da vitória do outro não sei o que dizer. Talvez por respeito ao grande povo venezuelano, seja preferível dizer: merecia melhor este povo e merecia melhor desta Revolução.

Os comentários estão fechados.