Amputação da democracia

Diana Quintela/Global Imagens

 

 

 

 

 

 

 

O PS prepara-se para propor a redução do número de deputados na Assembleia da República e, com isso, extinguir a já pouco proporcional representação democrática do parlamento nacional.

Ou seja: de forma clara, o PS assume como seu já não apenas o fascismo económico reinante, mas também a deriva fascista e populista anti-partidos que tantos cavalgam e alimentam.

Fiquem lá com esse PS para vocês!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Amputação da democracia

  1. Caxineiro diz:

    Nada de novo. Só se desilude quem se deixou iludir

  2. JgMenos diz:

    Bom mesmo é tudo como dantes!

  3. um anarco-ciclista diz:

    ahahahahah!

    INCHAAAAA BLOCO DE ESQUERDA!!! ~
    Tomem e embrulhem seus lambe-PêEsses sem emenda

  4. xico diz:

    Havendo disciplina de voto um por partido seria o suficiente, com peso eleitora diferente como os sócios de um clube. Para estarem em rebanho, basta o pastor.

  5. o fascismo também é alegre?... diz:

    qual das pernadas velhas duma democracia inexistente foi amputada?

    se bem me lembro vivemos em oligarquias desde há uns centos de décadas ou de séculos contando com os graffiteiros de foz côa…
    A pouco proporcional?
    o partido dos animais devia ser representado?

    acho que sim logo um deputado por cada 0,5% de votos nacionais

    e ficavam 200 representados proporcionalmente
    e não regionalmente cavalgaduramente…

    e os do PPM com sorte ficavam com 4/5 de um deputado a juntar a 1/5 de outro qualquer

  6. A.Silva diz:

    É sem duvida uma ideia populista e reaccionaria!

  7. observador diz:

    Eu também acho que temops deputados a mais face ao trabalho que desenvolvem e como o desenvolvem. Mas quando fosse estudada a sua redução deveriamos ser implantados critérios que não inviabilizassem a representação dos partidos mais pequenos.Porém se isso não fosse viável, não reduziria o número mas reduziria significativamente o orçamento da AR para que eles fossem mais produtivos e tivessem direito a menos mordomias.

  8. ECD diz:

    Como os chapéus patetas há muitos; Antonio José Seguro é sá mais um pateta. Falho de ideias, habituado às pequeníssimas jogadas de trocas de peões que dizeram o seu percurso politico e “surfando” na onda populista, não consegue perceber que reduzir o nº de deputados é meio caminho andado para as vozes diferentes terem só a rua para se exprimirem. Um simplório este Tozé.

Os comentários estão fechados.