O SEGREDO DE VITOR GASPAR (Em escrita rápida, com urgência e sem reler nada)

‘Blade Runner’ Sequel: Will Harrison Ford Return?

As ideias e medidas económicas de VGaspar não podem seguir em frente, nem um décimo do que ele pensa existe ou existirá: o replicante não faz ligações complexas e/ou variáveis, por isso ainda não sabe como taxar as transações financeiras, mas sabe como nos roubar a todos em sede de IRS.

VGaspar é apenas uma clonagem NEXUS6 da Tyrell Corporation (fabricado nos anos 80), nunca responderá ao que deve, ao que nos deve. Por ser um simulacro nos humilhou chamando-nos “o melhor povo do mundo”. Mas ele não sabe o sentido dessas palavras. Atenção, Jean Baudrillard tinha razão (Simulacres et Simulation, 1981): “Dissimular é fingir não ter o que se tem. SIMULAR é fingir ter o que não se tem”. Gaspar é um simulacro porque não sabe o sentido do que disse. Fingiu uma frase que não lhe pertence, nem compreende, nem “tem”. É esse o seu ponto fraco.

Só por isso todos devemos (podemos) ir até S. Bento hoje. Não sabe o que diz, o robot goza-nos. Mas é preciso saber que todos os replicantes da Tyrell Corp apenas têm 4 anos de vida (de governo?). NO MÁXIMO, algo que é premente encurtar! É preciso ir ao Parlamento hoje, é preciso impedir o “governo” de “governar”, impedir o regresso de Passos Coelho ao país, exilar todos os replicantes que por aí circulam. São danosos à espécie humana. E não falo politicamente.

Entretanto, MUITO IMPORTANTE, há um problema neuronal em VGaspar: a Tyrell Corp esqueceu-se de programá-lo no sentido de perceber que as suas medidas económicas só podem ser aplicadas com um forte exército que nos esmague. Gaspar não realizou esta possibilidade nem podia, não está preparado para isso nem sabe que não estamos em Santiago do Chile em Setembro de 1973, (aliás confunde Lisboa com Santiago) por isso julga que “governa” e que as suas ideias estão em marcha ou podem estar em marcha.

Não estão, e Gaspar não conhece o sentido da palavra “impossibilidade”, o que torna as coisas mais fáceis mas também muito mais complexas e perigosas. Gaspar não é um “pantomineiro das Finanças” é um “replicante das Finanças”. O replicante não se distingue naturalmente do ser humano – ele é o mapa que é mais real que o território. Foi assim que foi fabricado, hiper-real. É partindo daqui que temos de o desarticular.

(Isto é uma brincadeira mas é a sério.)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.