A todos o que é de todos

O próximo Sábado será, certamente, uma jornada de luta histórica contra o roubo dos salários, das pensões e das reformas, contra o governo, a troika e os troikistas.
A Lisboa chegará gente de todo o país. Haverá quem venha pela primeira vez a Lisboa (como tive oportunidade de constatar na última manifestação nacional da CGTP) e haverá quem participe pela primeira vez numa manifestação organizada pela central sindical de todos os trabalhadores derrotando a ideia, muito difundida por sectores da sociedade pouco amigos da democracia, que a  luta dos cidadãos é diferente da luta dos trabalhadores em torno dos seus sindicatos.
Nos autocarros que acorrem de todo o país virá também quem organizou ou esteve nas várias manifestações descentralizadas do 15 de Setembro, prontos para continuar a luta que não terminará no Sábado.
À CGTP-Intersindical competir-lhe-á a difícil tarefa de organizar e dar a cara por esta enorme mobilização tendo a consciência que a manifestação, como Arménio Carlos acaba de declarar à SIC Notícias, deixou de ser “da CGTP” para ser de todos.

Daqui

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a A todos o que é de todos

  1. Diabo Coxo diz:

    O Portugal dito “moderno” acabou. Os nossos avanços – que existiram de facto – foram assentes em alicerces de barro. De repente surgiu uma nova classe média, sem tradições, sem valores e com uma voragem consumista pouco recomendável. A educação foi a do dinheiro. Pior: foi pelo dinheiro. E assim nasceram e cresceram as vítimas (paradoxalmente co-autoras) deste descalabro.
    Extremamente informada – mais do que nenhuma outra geração, arrisco dizer –, com uma série de pregaminhos académicos de qualidade duvidosa e sem qualquer espécie de base cultural (nem tradicional por vergonha, nem erudita por desconhecimento) a nossa classe média foi votando de forma sistemática e acrítica em quem lhe prometia mais.
    Na política as velhas elites (ou gente que se foi formando com alguma substância e pensamento crítico) foram-se afastando sistemáticamente do poder. Da esquerda à direita a qualidade dos agentes políticos diminuiu de forma assustadora. As decisões, como seria de esperar, foram cada vez mais desastrosas.
    Hoje Portugal enfrenta uma das piores crises de sempre. A classe média é, na verdade, pouco média: é apenas baixa com um empréstimo às costas. Foi construída à imagem e semelhança do seu país, uma terra estruturalmente pobre onde foram injectados (e desperdiçãdos) largos milhões. Como seria de esperar ninguém aguenta uma situação desta natureza. E o pior ainda está para vir. O país que se prepare.

    http://www.odiabo-coxo.blogspot.com
    Boa sorte para todos…Cá eu já rumei a outras paragens…

    • De diz:

      Eu já li este comentário aqui ao lado,postado a propósito de um post de Pedro Penilo.
      Não percebo este repetir tão próximo temporal e espacialmente.

      Transcrevo ipsis verbis o que escrevi na altura:
      “Há algumas coisas que concordo.Mas o post escamoteia os aspectos que tenho como essenciais.
      O neoliberalismo sabe o que faz.E colocou os seus agentes políticos adequados à função em causa. De uma eficácia tremenda para os objectivos a alcançar.
      Como se vê na presente situação.
      Quanto às nossas ditas élites:
      “É este o tempo do reflorescimento do proverbial oportunismo da esmagadora parte das “elites” político-económicas lusas. Sempre que a coisa corre mal para o seu lado, elas foram, invariavelmente e “avant la lettre”, “mais troikistas que a troika”: em 1383-1385; em Alfarrobeira; antes, durante e depois de Alcácer-Quibir; na Restauração; nas Invasões Francesas e no sequente protectorado britânico; no despotismo do auto-proclamado Messias Sr. D. Miguel; e etc. e etc. Nunca elas hesitaram em acoitar-se sob a asa de quem lhes enchesse, fartamente, a gamela, como jamais lhes repugnou alienar em miserável leilão o país que, também, era o seu, se com isso garantissem cativar os seus larguíssimos privilégios. Ser o patrão castelhano, francês ou britânico, ser agora quem manda, coisa inusitada, uma filha de um pastor alemão, isso tanto lhes dá desde que uma coisa se lhes garanta: segurarem na mão o chicote de capataz da quinta.
      Assim foi ontem, assim é hoje. ”
      Palavras apropriadas e justas de “imbondeiro”

      Quanto à identificação da esquerda com a direita, como sendo tudo igual….mais uma vez, tiro ao lado. Completamente ao lado.
      Fica para uma próxima oportunidade

  2. Rute Andrade diz:

    O protesto é da CGTP e aberto a todos, de acordo. O que me surpreende é que o Artigo 21 divulgue apenas imagens escondendo que a manif é convocada pela CGTP, alegue que a manifestação “não deve ter bandeiras” (!) e haja quem lhe siga a corrente.

  3. CA diz:

    como sei que por aqui há boa gente que tem grande “estima” pelo MAI, fica o convite a visitarem a seguinte ligação e a divulgarem-na, caso entendam que isso pode ajudar na mobilização para 29/Set. Pessoalmente, acho que diz tudo sobre o sujeito!

Os comentários estão fechados.