Isabel Jonet e o empreendedorismo

Não contente com a quantidade de pobres que a crise está a gerar, a benemérita Jonet entende ainda que se devem combater os “efeitos perversos” do Estado Social. De resto, para inverter a tendência que leva as pessoas a “preferem ir para o subsídio de desemprego do que ter um emprego, ainda que ele seja menos bem pago, porque sabem que vão ter a prestação social no final do mês”, nada como reduzir “ao máximo as formulas de emergência”. Haja quem não se acomode.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Isabel Jonet e o empreendedorismo

  1. Marco diz:

    Ninguém me arranja o mail desta besta?

  2. Rocha diz:

    É um belo negócio viver à custa dos pobres.

  3. De diz:

    Um nojo.
    Há quem viva na sarjeta e ainda não tenha reparado,como esta isabel jonet.

    Espalhar a palavra.A palavra dela, para que saibamos, mais do que as palavras a usar com ela, as atitudes a tomar, perante coisas como ela.

  4. Diana Gonçalves Tomás diz:

    Ganda negócio, o de viver à custa da pobreza. Como boa empresária, com uma visão estratégica e o raio que a foda, a senhora vê no Estado Social justo que andamos a reclamar, uma ameaça e concorrência à sua caridade arbitrária e reprodutora das desigualdades.

  5. pedro lourenço diz:

    a despensa dela está sempre cheia

  6. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Garante-me, quem já trabalhou no Banco Alimentar, que há amigos de Isabel Jonet – que nada têm de pobres ou necessitados – que se servem dos melhores produtos doados, para uso próprio. Só não deixo de fazer donativos para o BA porque há pobres que só ali podem encontrar os géneros de que necessitam para sobreviver. Abomino a ideia de substituir direitos por caridade, mas os pobres estão em primeiro lugar, e vou ter de pactuar por enquanto com esta vergonha.

    • Paulo diz:

      Faz como eu, já deixei de doar à muito tempo para instituições como esta, que trata primeiro do “amigos” e depois dos necessitados…

  7. Caxineiro diz:

    Não vejo aqui nada que não esteja de acordo com os tempos em que vivemos. É apenas uma empresária de sucesso lutando pelo alargamento do seu nicho de mercado!
    Uma empreendedora no negócio da miséria sob todas as suas formas
    Para quê mais palavras?…

  8. Caxineiro diz:

    É uma empreendedora de sucesso em luta pela defesa e alargamento do seu nicho de negócio. Uma empresária interessada em apostar na evolução do mercado no ramo da miséria sob todas as suas formas.
    Resumindo: a senhora é um monte de merda!

  9. teresa mqria azevedo menezes diz:

    concordo plenamente com as afirmações feitas a tsf apenas questiono porque não o BA tentar fazer uma parceria com o Estado (gratuitamente, claro) uma especie de publico/privado mas gratuito como é estatuto do BA e assim ajudar o Estado a achar a melhor forma de combater a pobreza . O Estado Social tem e deve existir so que esta provado que não o executa da melhor maneira e por isso porque não ajuda-lo?

Os comentários estão fechados.