Associação de Praças das Forças Armadas reclama demissão do governo

A Associação de Praças (AP) das Forças Armadas juntou-se ao coro daqueles que protestam contra as medidas de austeridade impostas pelo Governo de Pedro Passos Coelho. 38 anos depois de terem deposto pela força das armas um governo [de Marcelo Caetano] voltam agora a exigir a demissão de outro [de Passos Coelho].
Em 1973, insatisfeitos com questões de carreira e com uma participação dolorosa numa guerra colonial os militares de baixa patente iniciaram um movimento interno de contestação que haveria de conduzir ao movimento das Forças Armadas que no dia 25 de Abril de 1974 derrubou o governo de Marcelo Caetano pondo fim a um regime que se perpetuara no poder durante 48 anos.

Aqui

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Associação de Praças das Forças Armadas reclama demissão do governo

  1. xico diz:

    “Em 1973, insatisfeitos com questões de carreira e com uma participação dolorosa numa guerra colonial os militares de baixa patente iniciaram um movimento interno de contestação…”
    Agora são só questões de carreira… como têm as armas nas mãos que ninguém lhes vá à carteira!

  2. zé da Tasca diz:

    “Em 1973, insatisfeitos com questões de carreira e com uma participação dolorosa numa guerra colonial os militares de baixa patente iniciaram um movimento interno de contestação que haveria de conduzir ao movimento das Forças Armadas …”, é melhor irem estudar …História!

  3. JgMenos diz:

    A cartilha é de edição única e nunca revista!
    Os símbolos dos SUV já devem estar a ser sacudidos e pulidos para emergirem!
    Masturbações revolucionárias…

    • De diz:

      Jmenos?
      Sorry, mas deixe lá esse péssimo hábito de falar na sua vida sexual.
      Ao que parece o Relvas exigiu uma licenciatura em terapia sexual pelo mesmo motivo.
      A grande questão é saber porque consideram tal actividade como revolucionária
      🙂

  4. Pingback: E eu a pensar que esta gente até era anti-militarista « O Insurgente

Os comentários estão fechados.