A comunicação social na defesa do poder instituído II

16 de Setembro, capa do Correio da Manhã:
“Cartão vermelho violento” para se referir às manifestações que decorreram por todo o país e que, pelos seus números, se de facto tivessem sido violentas, estaríamos hoje muito possivelmente mergulhados numa guerra civil. Logo a seguir, para contextualizar, “Fogo mata…” e a crónica fotografia da mulher-objecto. Não esquecer Sócrates, terá dito o editor, é preciso inventar qualquer coisa!

17 de Setembro, capa do Correio da Manhã:
Radicais… Anarcas detidos… Manif… Na mira da polícia. Sporting. A mulher-objecto.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

0 respostas a A comunicação social na defesa do poder instituído II

  1. imbondeiro diz:

    Esta coisa a que não poucos, vá-se lá saber porquê, chamam de “jornal”, já mostrou, desde o Caso Casa Pia, qual é a sua tarefa na sociedade portuguesa.