Bonito de se ver

Tendo eu denunciado, aqui e aqui, as lógicas do “inimigo interno” e a paranoia repressiva dos aspirantes a Antónios Borges do policiamento e espionagem, e tendo depois disso suscitado, aqui, as atenções para a presença de provocadores policiais infiltrados nas manifestações da Greve Geral de 24 de Novembro de 2011, há algo que não quero deixar de salientar, acerca das manifestações de ontem:

O comportamento exemplarmente responsável e cordato que tiveram os polícias de serviço nas ruas, tão contrastante com a última Greve Geral.

Uma postura de louvar, certamente.

E à qual não serão estranhas coisas como o comunicado sindical em epígrafe, as recentes declarações do presidente da ASPP, ou acções menos conspícuas de outros sindicatos da polícia.

Independentemente das críticas que cada um lhes aponte, os sindicatos continuam a ser um elemento fulcral da cidadania.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

4 respostas a Bonito de se ver

  1. Augusto diz:

    Paulo Granjo, a realidade esteve bem distante , do cenario cõr de rosa que descreveu.

    Atiçar cães contra idosos , como ontem se passou á porta do FMI .

    Pseudo jornalistas de maquina em punho , que mais não eram que agente infiltrados, como se viu aquando da prisão de DOIS JOVENS, junto á sede do FMI.

    A forma como agentes provocadores actuaram junto a S. Bento.

    Trés exemplos , outros poderão relatar outras.

    Mas sempre se ia ouvindo, que eles estavão a trabalhar e cumprir ordens.

    Afinal tal como os Pides e o Maltez doutros tempos, também cumpriam ordens….

    • Raquel diz:

      Não estivemos na mesma manifestação.
      Eu vi gente a atirar garrafas, petardos e pedras da calçada…é suposto o quê? eles ficarem quietos? têm de acalmar os ânimos…não acho que seja um cenário rosa…acho que foi o cenário real.
      É verdade que muitas vezes se cometem excessos…mas os manifestantes também os cometeram.
      Cheguei às 17h, saí às 23:30…levei com o fumo à frente do FMI e à frente de S. Bento tive que recuar… mas em momento nenhum senti o que fala, Augusto!

      • Augusto diz:

        Vamos a clarificar as águas….

        Qual é a sua reacção quando lhe atiçam cães ASSASSINOS numa manifestação , vê policias á paisana PRENDER dois jovens, vê alguns individuos munidos de maquinas fotográficas mostrarem identificação policial, para passar pelos piquetes da policia de choque , para seguirem atras dos dois rapazolas presos na Av da Républica junto á sede do FMI…..

        Qual é á a sua reacção , quando vê policias armados com ESPINGARDAS tipo Shot Gun, a seguirem a manifestação.

        Certamente para si , a policia de choque, os serviços de informação, os provocadores infiltrados estavam todos a fazer o seu trabalho, como ontem alguns cidadãos diziam.

        Certamente para si tudo bem , tudo normal, sabe cara Raquel, nós os mais velhos sabemos bem ao que conduz a condescendência com as forças da repressão, sabemos o que era o Maltez com os seus cães policias e os seus policias cães, sabemos para que servem estes provocadores infiltrados nas manifestações, que fotografam os mais combativos , para fazerem ficheiros que poderão ser utilizados , se a situação caminhar para uma mudança de regime.

        Certamente estivemos na mesma manifestação, eu pelo menos estive lá, mas certamente a nossa motivação não era a mesma.

        Quanto á Assembleia da Republica não escrevo mais nada, a manifestação acabava na Praça de Espanha, aqueles que fomos para S. Bento, volto a dizer a minha opinião era que se deveria ter ido para Belém, fomos por nossa conta e risco.

  2. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Não posso deixar de juntar a minha voz à tua neste elogio ao comportamento correcto dos polícias, durante a manifestação. Parece que ouviram e reconheceram a validade dos nossos protestos depois de outras manifestações. Mas também confesso que anseio pelo dia em que estes mesmos polícias se juntem a nós na luta contra a injustiça e comportamento ilegítimo destes governantes. Que bonito teria sido vê-los, fardados mas já sem capacete e armas, a desfilar ao nosso lado.

Os comentários estão fechados.