A luta continua (actualizado)

É certo que uma grande parte das pessoas que estiveram ontem nas manifestações anti-troika espalhadas por todo o país têm estado em inúmeras mobilizações, manifestações ou greves, convocados pela CGTP. A sua luta, não começou nem terminou ontem.
É certo que uma parte dos que ontem estiveram nas ruas do país ainda não irão à manifestação do próximo dia 29 em Lisboa por ser convocada pela CGTP. É certo que alguns, creio que poucos, que costumam fazer a luta ao lado daquela central sindical não estiveram ontem nas ruas porque a manifestação não era convocada pela CGTP.
Mas a imagem da presença da delegação da CGTP – com a ausência da UGT – e as declarações de Arménio Carlos abrem uma porta importantíssima na unidade de acção entre quem está disponível para combater a troika e derrotar esta política.
Se, durante esta semana, importa mobilizar para a concentração de 6ª feira durante o Conselho de Estado dos troikistas (a convocatória já está a circular aqui aqui), importa sobretudo mobilizar para a manifestação nacional de dia 29 em Lisboa. De todo o país, sindicalizados, não sindicalizados, anti-troikistas, indignados e afins, temos a obrigação de fazer crescer o protesto, derrubando o sectarismo de quintal e enchendo Lisboa (evento do facebook aqui).

 

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a A luta continua (actualizado)

  1. João Torgal diz:

    Importa mobilizar para ambas…

  2. tina diz:

    Esse homem da fotografia vê-se logo que é sexualmente frustado. É o problema da esquerda radical, são todos uns sexualmente frustados porque as mulheres de esquerda são todas feias e não se depilam.

  3. Jorge diz:

    Neste momento de crise profunda, em que o sistema económico-financeiro parece derrocar por todo o lado, ouvem-se os comentadores de esquerda repetir, abanando a cabeça”eu já tinha avisado disto…” Não faltam até previsões do fim do capitalismo.

    Estas opiniões até têm toda a razão, pois aqui se situa o principal defeito do sistema, que um dia o pode destruir. A economia de mercado vive permanentemente à beira do abismo e, por vezes, como em 1929, cai mesmo lá dentro. O nosso sistema baseia-se na liberdade de iniciativa. E a liberdade tem destas coisas. Podem culpar-se muitas leis, decisões, organismos, até erros e crimes, mas tudo isto só acontece devido à liberdade incontrolada.

    Mas tais opiniões equivalem também a um homem que vai de carroça, vê o avião cair e afirma: “Eu bem disse que isto acabava mal”! O cocheiro tem toda a razão, mas não é por isto que as pessoas vão deixar de voar e voltar às diligências.

    As críticas são válidas. Mas os que as fazem não notam que o computador em que escrevem, o blogue, o jornal ou a televisão em que as expressam livermente, existem graças ao sistema que tanto abominam. Até a aspirina que tomam para tratar as dores de cabeça que o capitalismo lhes provoca foi produzida graças aos produtos financeiros do mundo capitalista.

    Crises tão terríveis são, afinal, os custos daqueles sistemas que nos traz a prosperidade. Aquela mesma prosperidade que usamos para criticar o sistema. A insegurança, incerteza e até o tumulto são custos da liberdade.

  4. clara diz:

    Exatamente… Apesar da CGTP ser a maior central sindical, e de lhe terem feito um ataque cerrado e constante, Arménio Carlos passou por cima de todas essas contrariedades, não fez sua a manifestação, mas deu-lhe a força que se impunha.

  5. clara diz:

    Espera-se que o mesmo seja feito no dia 29. Unidos Venceremos! Viva a Luta dos Povos!

    • Nuno Cardoso da Silva diz:

      Pelo que me toca, que estou sindicalizado num sindicato da CGTP mas sou um forte crítico da sua forma de actuar, lá estarei no dia 29 de Setembro. Oxalá estejam lá tantas ou mais pessoas do que estavam no dia 15 de Setembro e que, se assim for, a CGTP saiba tirar dividendos reais da presença dessa multidão, e não volte à conversa mole do costume.

  6. JgMenos diz:

    Uma grande parte? Wishfull thinking!
    Nem o ‘fora com a troika’ corresponde ao nº de presenças.
    O que tivemos foi gente a exprimir a sua dor, a sua enorme e justificada preocupação, a sua desesperança!
    É gente que quer soluções, não anda à procura de lutas!

    • De diz:

      Ora de como alguém faz a sua leitura peculiar do que se passou com a manifestação de sábado.
      Faz tanto lembrar aquele senhor deputado do PSD , obeso e oleoso (sob o ponto de vista mental,claro) que dá pelo nome de Carlos abreu amorim.
      O tal anafado personagem ( sob o ponto de vista mental ,claro) soava as estopinhas perante as imagens e proclamava solene que aquilo era, não uma manifestação de repudio, mas sim bla-bla-bla
      O patifório neoliberal/caceteiro não meteu lá os pés.Estava a massajar os pés da troika?Ou de Passos?
      Outros também não puseram lá os butes.E apressados conclamam solenes que quem lá estava não anda à procura de lutas.
      Pois não.Não de lutas espúrias e tolas.Mas sim de luta aberta e frontal contra a troika.E este governo, que anda a reboque da dita para os efeitos que se vêem.

      Será talvez oportuno lembrar que:
      “A troika que se lixe”.

      A procissão vai no adro.
      Sorry JMenos

  7. Augusto diz:

    A importância da mobilização para a próxima sexta-feira em Belem, não pode nem deve ser minimizada em nenhuma circunstância.

    O seu significado politico, é dos mais relevantes.

    Ontem teria sido bem mais significativo POLITICAMENTE , que a concentração de S. Bento tivesse sido em Belem

    É necessário confrontar Cavaco com as suas responsabilidades.

Os comentários estão fechados.